Hugh Trenchard, 1.º Visconde Trenchard

Hugh Montague Trenchard, 1.º Visconde Trenchard GCB, OM, GCVO, DSO (Tauton, 3 de fevereiro de 1873 - Londres, 10 de fevereiro de 1956) foi um oficial britânico com contribuição fundamental no estabelecimento da Força Aérea Real. Marechal da Força Aérea Real, ele foi descrito como o "Pai da Força Aérea Real".

Hugh Trenchard
Hugh Trenchard, 1.º Visconde Trenchard
Nome completo Hugh Montague Trenchard, 1.º Visconde Trenchard
Nome de nascimento Hugh Montague Trenchard
Apelido O Camelo (19890); Lança (c. 1912 em diante)
Dados pessoais
Nascimento 03 de fevereiro de 1873
Taunton, Inglaterra
Morte 10 de fevereiro de 1956 (83 anos)
Londres, Inglaterra
Vida militar
País  Reino Unido
Força Exército Britânico (1893-1918) e Força Aérea Real (1918-1930)
Anos de serviço 1893-1930
Hierarquia Marechal da Real Força Aérea
Comandos 23º Regimento de Infantaria Montada (em exercício)
Batalhas Segunda Guerra dos Bôeres
Primeira Guerra Mundial
Segunda Guerra Mundial (semi-oficial)
Honrarias Cavaleiro da Grande Cruz da Ordem do Banho
Membro da Ordem do Mérito
Cavaleiro da Grande Cruz da Real Ordem Vitoriana
Companheiro da Ordem de Serviços Distintos
Ordem do Tesouro Sagrado
Comendador da Ordem da Coroa da Itália
Comendador da Ordem de Leopoldo
Cruz de Comendador da Ordem Nacional da Legião de Honra
Ordem de Santo Estanislau, 1ª Classe com Espadas
Ordem dos Dois Rios
Ordem de Santa Ana, 3ª Classe com Espadas
Medalha de Serviço Distinto (Exército dos Estados Unidos)
Assinatura

Durante seus anos de formação, teve dificuldades acadêmicas, sendo reprovado em muitos exames e apenas conseguindo cumprir o padrão mínimo para serviço comissionado no Exército Britânico. Quando jovem oficial de infantaria, serviu na Índia e com a eclosão da Guerra dos Bôeres, ofereceu-se como voluntário para servir na África do Sul. Enquanto lutava contra os bôeres, foi gravemente ferido e, como resultado, perdeu um pulmão, ficou parcialmente paralisado e voltou para a Grã-Bretanha. Seguindo orientação médica, viajou para a Suíça para se recuperar e o tédio o levou a praticar bobsleigh. Após um forte acidente, descobriu que sua paralisia havia desaparecido e que conseguia andar sem ajuda. Após recuperação adicional, Trenchard voltou ao serviço ativo na África do Sul.

Após o fim da Guerra dos Bôeres, Trenchard prestou serviço na Nigéria, onde esteve envolvido nos esforços para colocar o interior sob o domínio britânico estabelecido e reprimir a violência intertribal. Durante seu tempo na África Ocidental, comandou o Regimento do Sul da Nigéria por vários anos.

Em 1912, Trenchard aprendeu a voar e foi posteriormente nomeado como segundo no comando da Central Flying School. Ocupou vários cargos no Real Corpo Aéreo durante a Primeira Guerra Mundial, servindo como o comandante da instituição na França entre 1915 e 1917. Em 1918, serviu brevemente como primeiro Chefe do Estado-Maior da Aeronáutica antes de assumir o comando da Força Aérea Independente na França. Retornando como Chefe do Estado-Maior da Aeronáutica sob o comando de Winston Churchill em 1919, Trenchard passou a década seguinte garantindo o futuro da Força Aérea Real (FAR). Foi Comissário da Polícia Metropolitana na década de 1930 e defensor da FAR nos últimos anos. Trenchard é reconhecido hoje como um dos primeiros defensores do bombardeio estratégico.

Início da vida editar

Hugh Montague Trenchard nasceu na Haines Hill, em Taunton, Inglaterra, em 3 de fevereiro de 1873. Era o terceiro filho e segundo menino de Henry Montague Trenchard com sua esposa Georgina Louisa Catherine Tower. Seu pai foi capitão do King's Own Yorkshire Light Infantry[1] e sua mãe era filha do capitão da Marinha Real John McDowall Skene.[2] Embora na década de 1870 os Trenchards estavam vivendo de forma banal, seus antepassados tinham desempenhado papéis notáveis na história inglesa. A família alegou descendência de Sir Thomas Trenchard, Alto Xerife de Dorset, no século XVI e Sir John Trenchard, o Secretário de Estado de Guilherme III.[3]

Quando Hugh Trenchard tinha dois anos, a família mudou-se para Courtlands, uma mansão menos de 4 quilômetros do centro de Taunton. O cenário campestre fez com que pudesse desfrutar de uma vida ao ar livre, incluindo passar o tempo caçando coelhos e outros pequenos animais com o rifle que foi-lhe dado em seu oitavo aniversário.[4] Foi durante a infância que Trenchard e seus irmãos foram educados em casa por um tutor residente, a quem ele não respeitava.[5] Infelizmente, para sua educação, o tutor não era nem suficientemente rigoroso nem habilidoso o suficiente para superar as tentativas perversas das crianças em evitar o recebimento de instrução. Como consequência, Trenchard não se destacou academicamente;[4] no entanto, o seu entusiasmo para os jogos e passeios a cavalo era evidente.[2]

Aos 10 anos, foi enviado para estudar na Allens Preparatory School, perto de Botley, em Hampshire. Embora ele tivesse sucesso em aritmética, tinha dificuldades com o resto de seu currículo. No entanto, seus pais não estavam muito preocupados com suas dificuldades de aprendizagem, acreditando que isso não seria impedimento para que ele seguisse uma carreira militar. Georgina Trenchard queria que o filho seguisse a profissão de seu pai e entrasse na Marinha Real. Em 1884, Trenchard foi transferido para Dover, onde estudou em Hammond's, um colégio de cursos para futuros ingressantes da HMS Britannia. Ele foi reprovado na admissão da Marinha e, aos 13 anos, foi enviado para o cursinho do reverendo Albert Pritchard, Hill Lands, em Wargrave, Berkshire. Hill Lands preparava seus alunos para comissões do Exército e, como antes, Trenchard não se dedicou aos estudos, preferindo esportes (rugby em particular) e pegadinhas.[6][7]

Em 1889, quando Hugh Trenchard tinha 16 anos, seu pai, que havia se tornado um advogado, declarou falência. Depois de inicialmente ser retirado de Hill Lands,[5] o jovem só foi capaz de retornar graças à caridade de seus parentes.[2] Posteriormente, foi reprovado duas vezes nos exames de Woolwich e foi então relegado a se candidatar à Milícia, que tinha padrões de admissão mais baixos. Mesmo os exames da Milícia foram difícil para Trenchard e ele falhou em 1891 e 1892. Durante este tempo, passou por um período de treinamento como um subalterno de estágio com a Forfar and Kincardine Artillery. Após seu retorno à casa de Pritchard, conseguiu aprovação em março de 1893. Aos 20 anos, foi anunciado como segunda-tenente do Segundo Batalhão dos Reais Fuzileiros Escoceses e enviado para a Índia.[8]

Início da carreira militar editar

Índia editar

Trenchard chegou à Índia no final de 1893, juntando-se o seu regimento em Sialkot, em Punjab. Não muito tempo depois de sua chegada, foi chamado para fazer um discurso em um jantar no refeitório. Era prática comum para o subalterno mais jovem fazer tal discurso e esperava-se que ele cobrisse vários destaques da história dos Fuzileiros Reais Escoceses. Em vez disso, ele simplesmente disse: "Eu estou profundamente orgulhoso de pertencer a este grande regimento", seguido por "Eu espero que um dia eu viva para comandá-lo." Seu "discurso" foi recebido com vaias de risos incrédulos, embora alguns apreciassem sua coragem.[9]

Jovens oficiais estacionados na Índia na década de 1890 desfrutaram de muitas diversões sociais e esportivas e Trenchard fez pouco militarmente.[10] Embora cada regimento fosse obrigado a cumprir um período de serviço além de passo Khyber, na maior parte das vezes as condições de paz e prosperidade eram evidentes e ele foi capaz de participar de várias atividades esportivas. No início de 1894 ele ganhou o Campeonato de Rifle da Índia. Após seu sucesso no tiro, Trenchard decidiu estabelecer uma equipe de polo do batalhão. Sendo da infantaria, seu regimento não tinha histórico de jogar polo e havia muitos obstáculos a serem superados. No entanto, dentro de seis meses, a equipe de polo do batalhão estava competindo e se mantendo por conta próprio. Foi durante uma partida de polo em 1896 que Trenchard encontrou Winston Churchill pela primeira vez, com quem entrou em confronto no campo de jogo.[11] Suas proezas esportivas salvaram sua reputação entre os colegas oficiais. Nos outros aspectos ele não se enquadrava; carecendo de traquejo social e escolhendo conversar pouco, ele foi apelidado de "o camelo", pois como o animal ele não bebia nem falava.[2][12]

Foi durante esse período de sua vida na Índia que começou a ler. Sua primeira escolha foram as biografias, especialmente de heróis britânicos, e ele manteve as longas horas que passava lendo discretamente, mas ao fazê-lo conseguiu fornecer a si mesmo uma educação onde os cursistas de serviço haviam falhado.[13] No entanto, em termos militares, Trenchard estava insatisfeito. Ele não viu nenhuma ação durante sua estada na Índia, perdendo a vez de seu regimento na fronteira, pois foi enviado à Inglaterra em licença médica para uma operação de hérnia.[12]

Com a eclosão da Segunda Guerra dos Bôeres, em outubro de 1899, Trenchard aplicou várias vezes para voltar ao seu antigo batalhão que tinha sido enviado para o Cabo, como parte do corpo expedicionário. Seus pedidos foram rejeitados por seu coronel, e quando o vice-rei Lord Curzon, que estava preocupado com a fuga de líderes para a África do Sul, proibiu a expedição de quaisquer outros oficiais, as perspectivas de Trenchard para ver ação pareciam sombrias. No entanto, um ou dois anos antes, havia sido prometido a Trenchard a ajuda ou conselhos de Sir Edmond Elles, como um gesto de agradecimento depois de resgatar do desastre uma competição de tiro com rifle mal planejada. Em 1900, Elles foi Secretário Militar de Lord Curzon e Trenchard (recentemente promovido a capitão) enviou um sinal de prioridade ao Secretário Militar solicitando que lhe fosse permitido voltar a sua unidade no exterior. Esta medida ousada funcionou e ele recebeu ordens para a África do Sul várias semanas depois.[14]

África do Sul editar

Ao chegar à África do Sul, Trenchard voltou aos Reais Fuzileiros Escoceses e, em julho de 1900, recebeu ordem de formar e treinar uma companhia montada dentro do 2º Batalhão.[15] Os Bôeres eram cavaleiros talentosos e as táticas da época colocavam uma grande pressão sobre a cavalaria britânica. Assim, os britânicos procuraram levantar as unidades de infantaria montadas e as experiências de Trenchard com o jogo de polo o levou a ser escolhido para criar uma unidade montada para o serviço a oeste de Joanesburgo. Parte da empresa recém-formada consistia em um grupo de cavaleiros australianos voluntários que, até então subempregados, eram notados por beberem excessivamente, jogar e fazer deboche.[16]

A companhia de Trenchard ficou sob o comando da 6ª Brigada (Fuzileiros), que estava sediada em Krugersdorp. Durante setembro e início de outubro de 1900, seus pilotos estiveram envolvidos em várias conflitos na paisagem circundante. Em 5 de outubro a 6ª Brigada, incluindo Trenchard, partiu para Krugersdorp com a intenção de atrair os Bôeres para a batalha na planície onde eles pudessem ser derrotados. No entanto, antes que a brigada pudesse chegar à planície, teve que passar por um terreno ondulado que favoreceu as táticas guerrilha dos Bôeres.[17]

A brigada viajou à noite e, na madrugada de 9 de outubro, o Ayrshire Yeomanry, que estava na vanguarda, perturbou um acampamento bôer. Eles fugiram a cavalo e a companhia de Trenchard os perseguiu por 16 quilômetros. Encontrando-se incapazes de se livrar da perseguição de Trenchard, eles os levaram a uma armadilha. Subiram uma ladeira íngreme e desapareceram além do vale. Quando Trenchard fez o cume viu a fazenda Dwarsvlei com fumaça saindo da chaminé. Pareceu-lhe que os bôeres pensaram que tinham fugido e estavam tomando café da manhã desprevenidos. Ele colocou suas tropas nas alturas ao redor da casa e depois de meia hora de observação conduziu uma patrulha de quatro homens em direção à fazenda. O restante da companhia deveria se aproximar ao seu sinal. No entanto, quando Trenchard e sua patrulha alcançaram o fundo do vale e saíram da cobertura, os bôeres abriram fogo de cerca de uma dúzia de pontos e as balas passaram zunindo por eles. Ele avançou alcançando o muro de proteção da casa da fazenda. Enquanto se dirigia para a porta, Trenchard foi atingido por uma bala no peito. Os australianos, vendo a queda de seu capitão, desceram das alturas e contra-atacaram os inimigos de perto e em torno da fazenda. Muitos dos bôeres foram mortos ou feridos, alguns fugiram e vários foram feitos prisioneiros. Gravemente ferido, o capitão foi evacuado por motivos médicos para Krugersdorp.[18][19]

Tratamento médico e convalescença editar

Após Trenchard ser levado ao hospital em Krugersdorp, ele escapou da semi-consciência para a inconsciência. Os cirurgiões acreditavam que ele iria morrer quando a bala havia perfurado seu pulmão esquerdo e eles tinham removido seis litros e meio de sangue de sua cavidade pleural através de um tubo. No terceiro dia, ele recuperou a consciência, mas passou a maior parte do dia dormindo. Após três semanas, Trenchard tinha mostrado alguma melhora e foi transferido para Joanesburgo, onde fez mais progressos. No entanto, quando ele tentou levantar-se da cama, descobriu que ele era incapaz de colocar o peso em seus pés, o levando a suspeitar que ele estava parcialmente paralisado. Ele estava próximo de se mover para Maraisburg para convalescença e lá confirmou que ele estava sofrendo de uma paralisia parcial abaixo da cintura. Os médicos supuseram que depois de passar por seu pulmão, a bala tinha danificado sua coluna vertebral.[20]

Em dezembro de 1900, Trenchard voltou para a Inglaterra, chegando de navio-hospital em Southampton.[21] Ele mancou com a ajuda de varas para baixo da prancha onde seus pais estavam preocupados em reconhece-lo. Como soldado com deficiência sem meios financeiros independentes, estava agora em seu ponto mais baixo. Ele passou a próxima quinzena numa casa de repouso para oficiais com deficiência em Mayfair, que foi criado pela Cruz Vermelha. Seu caso chamou a atenção de Lady Dudley, por cujos esforços filantrópicos a casa de repouso operava. Através de sua generosidade, ela lhe arranjou uma consulta com um especialista que disse que ele precisava passar vários meses na Suíça, onde era provável que o ar fosse benéfico ao seu pulmão. Ele e sua família não poderiam arcar com a despesa e Trenchard tinha vergonha de explicar sua situação. No entanto, sem fazer nenhuma pergunta, Lady Dudley lhe apresentou a um cheque para cobrir os custos.[22]

No domingo, 30 de dezembro, ele chegou em São Moritz para começar a sua convalescença. O tédio o fez andar de bobsleigh uma vez que não exigia muito uso das pernas. Inicialmente ele tinha tendência a abandonar a corrida e acabar na neve, mas depois de alguns dias de treino normalmente conseguiu se manter na pista. Foi durante uma forte queda da Cresta Run que sua espinha estava de alguma forma reajustada, permitindo-lhe caminhar livremente imediatamente após recobrar a consciência. Cerca de uma semana depois, Trenchard ganhou o St. Moritz Tobogganing Club's Freshman e a Novices' Cups de 1901, um triunfo notável para um homem que era incapaz de andar sem ajuda apenas alguns dias antes.[23][24]

Ao voltar à Inglaterra, Trenchard visitou Lady Dudley para agradecê-la[25] e, em seguida, começou a planejar seu retorno à África do Sul. Seu pulmão não estava totalmente curado, causando-lhe dor e deixando-lhe sem fôlego. Além disso, o Departamento de Guerra estava cético sobre sua reivindicação em estar totalmente em forma e não estavam dispostos a permitir que ele abrisse mão de seus restantes nove meses de licença médica. Trenchard, em seguida, levou vários meses de treinamento de tênis, a fim de fortalecer o pulmão remanescente. No início do verão de 1901, ele entrou em duas competições de tênis, atingindo as meias-finais em ambas as vezes e ganhando cobertura favorável da imprensa. Ele, então, enviou os recortes de jornais para os médicos do Departamento de Guerra, argumentando que essa habilidade no esporte provavam que estava apto ao serviço ativo. Sem esperar por uma resposta, embarcou em um navio de tropas em maio 1901, se passando por voluntário a um segundo turno de serviço.[26]

Retorno à África editar

De volta à África do Sul editar

Em seu retorno à África do Sul, fez uma viagem para Pretória, chegando lá no final de julho de 1901. Foi designado para uma companhia da 12ª Infantaria Montada onde seus deveres eram o patrulhamento necessário onde passava longos dias na sela. Sua ferida ainda causava-lhe dor considerável e as cicatrizes de entrada e saída sangravam com frequência.[27]

No final do ano, Trenchard foi convocado para ver Herbert Kitchener, que era até então o Comandante-em-Chefe. Foi encarregado de reorganizar a desmoralizada montada da companhia de infantaria, o que foi concluído em menos de um mês. Kitchener, em seguida, lhe enviou para De Aar, na Colônia do Cabo, para acelerar a formação de um novo corpo da infantaria montada. O Comandante-em-Chefe o convocou pela terceira vez em outubro de 1901, desta vez enviando-o em uma missão para capturar o governo Boer, que estava escondido. Kitchener tinha recebido a informações sobre sua localização e esperava prejudicar o moral dos comandos bôeres em geral, enviando um pequeno grupo de homens para capturar sua liderança política. Trenchard estava acompanhado por uma coluna dos chamados bôeres leais, cujos motivos ele desconfiava. Junto com ele havia vários sargentos britânicos e nove guias mestiços. Depois de cavalgar durante a noite, o grupo de Trenchard foi emboscado na manhã seguinte. Ele e seus homens se protegeram e lutaram. Depois que a coluna de Trenchard sofreu baixas, o grupo de emboscada retirou-se. Embora esta última missão falhou, ele foi elogiado por seus esforços com uma Menção nos Despachos.[28]

Trenchard passou o resto de 1901 sobre os deveres patrulhando, e no início de 1902, foi nomeado comandante no exercício da 23º Regimento de Infantaria Montada. Durante os últimos meses da guerra, apenas uma vez conseguiu levar seu regimento em ação. Em resposta ao roubo de gado Bôer, invasores zulus cruzaram a fronteira para o Transvaal e o 23º Regimento de Infantaria Montada entrou em ação.[29] Após termos de paz serem estabelecida em maio de 1902, estava envolvido na supervisão do desarmamento dos bôeres e depois se retirou. Em julho, a 23º Infantaria Montada foi chamada a Middleburg, 643 quilômetros ao sul e após a caminhada Trenchard ocupou-se com pólo e reuniões de turfe.[30] Trenchard foi promovido a patente de major em agosto de 1902.[31]

Nigéria editar

Após o fim da Guerra dos Bôeres, Trenchard decidiu solicitar serviço na Força da Fronteira Oeste Africana e foi-lhe concedido o cargo de Vice-Comandante do Regimento Sul da Nigéria, com a promessa de que ele teria o direito de conduzir todas as expedições regimentais. Ao chegar à Nigéria em dezembro de 1903, ele inicialmente teve alguma dificuldade em conseguir que seu comandante lhe permitisse liderar a próxima expedição, e apenas substituiu seu superior passando por cima de sua liderança.[32]

Uma vez estabelecido, passou os seis anos seguintes em várias expedições ao interior patrulhando, pesquisando e mapeando uma área de 10 mil milhas quadradas,[12] que mais tarde veio a ser conhecida como Biafra.[33] Nos confrontos ocasionais com membros dos ibos, ganhou vitórias decisivas. As muitas tribos que se renderam tiveram trabalhos como construtores de estradas e, assim, começaram a desenvolver o país como parte do Império Britânico.[34] Do verão de 1904 ao final do verão de 1905, Trenchard agia como Comandante do Regimento Sul da Nigéria.[35] Ele foi nomeado à Ordem de Serviços Distintos em 1906[36] e foi o comandante, com a patente de tenente-coronel temporário a partir de 1908 em diante.[37]

Inglaterra e Irlanda editar

No início de 1910, Trenchard ficou seriamente doente e depois de vários meses, voltou para casa, mais uma vez, desta vez com um abscesso hepático. De volta à Inglaterra, ele não se recuperou rapidamente e provavelmente prolongou sua convalescença por esforço excessivo. No entanto, até o final do verão ele estava bem o suficiente para levar seus pais em férias para a região Ocidental da Inglaterra.[38]

Em outubro de 1910, ele foi enviado para Londonderry onde o Segundo Batalhão dos Fuzileiros Reais Escoceses estava estacionado. Trenchard foi reduzido de tenente-coronel temporário para major e se tornou comandante de companhia. Como antes, o major ocupou-se com o jogo de polo e começou a caçar. Achando a vida regimental em tempos de paz enfadonha, procurou expandir sua área de responsabilidade tentando reorganizar os procedimentos administrativos de seus colegas oficiais, dos quais eles se ressentiam.[39] Ele também entrou em confronto com o coronel Stuart, seu comandante, que lhe disse que a cidade era pequena demais para os dois,[40] e em fevereiro de 1912 recorreu a um pedido de emprego em várias forças de defesa coloniais, sem sucesso.[41][42]

Escola de voo editar

 
O pessoal da Central Flying School em Upavon em janeiro de 1913. Trenchard está na linha da frente, mostrado o terceiro à direita.

Durante seu tempo na Irlanda, Trenchard recebeu uma carta do Capitão Eustace Loraine, instando-o a aprender aviação. Trenchard e Loraine tinham sido amigos na Nigéria, e em seu retorno à Inglaterra, Loraine tinha aprendido a voar. Depois de algum esforço, ele convenceu seu comandante a conceder-lhe três meses de licença remunerada para que pudesse treinar como piloto.[34] Chegou a Londres em 6 de julho de 1912, apenas descobrindo que o Capitão Loraine tinha sido morto em um acidente de voo no dia anterior. Aos 39 anos, Trenchard tinha apenas 40 anos de idade para estudantes pilotos militares da Central Flying School e, portanto, não adiou seu plano de se tornar um aviador.[43]

Quando chegou à escola de voo de Thomas Sopwith em Brooklands, disse a ele que só tinha 10 dias para obter o seu certificado de aviador.[44] Ele conseguiu seguir sozinho em 31 de julho, ganhando o seu certificado de aviador (nº 270) pela Royal Aero Club em um biplano Henry Farman.[45] O curso tinha custado 75 libras, envolveu duas magras semanas e meia de matrícula e um total de 64 minutos no ar.[2] Embora Copland Perry, seu instrutor,[46] observou que ensiná-lo a voar "não foi uma coisa fácil", o próprio Trenchard tinha sido "um modelo de aluno."[44] Suas dificuldades foram, em alguma medida, devido à sua cegueira parcial em um olho, um fato que ele manteve em segredo.[47]

Em setembro de 1912, Trenchard atuou como observador aéreo durante as Manobras do Exército. Suas experiências e ações desenvolveram a compreensão da utilidade militar do voo.[48] Ainda no mês de setembro, foi nomeado Assistente Comandante[31] e promovido a tenente-coronel temporário. Seu caminho cruzou mais uma vez com Winston Churchill, que até então era o Primeiro Lorde do Almirantado, e aprendeu a voar em Eastchurch e Upavon.[49] Trenchard criou uma opinião claramente desfavorável a respeito da habilidade de Churchill como piloto.[50]

Primeira Guerra Mundial editar

Oficial Comandante da Asa Militar editar

Com a eclosão da Primeira Guerra Mundial, Trenchard foi nomeado comandante da ala militar do Real Corpo Aéreo (RCA), substituindo o tenente-coronel Sykes. Esta nomeação o colocou a cargo da instituição na Grã-Bretanha, que mantinha um terço da força total da Corps. Sua sede ficava em Farnborough e, desapontado com os remanescentes na Inglaterra, solicitou o retorno ao seu antigo regimento na França. No entanto, o chefe do RCA, o General Sir David Henderson, recusou-se a liberá-lo.[51] Suas novas funções incluíam fornecer substitutos e formar novos esquadrões para servir no continente. Trenchard inicialmente pôs-se a meta de 12 esquadrões. No entanto, Sefton Brancker, Diretor Assistente de Aeronáutica Militar, sugeriu que este deveria ser aumentado para 30 e Lord Kitchener depois definiu a meta para 60.[52] Para iniciar a tarefa de criar estes esquadrões, Trenchard comandou sua velha escola de formação civil em Brooklands e depois usou suas aeronaves e equipamentos como um ponto de partida para a criação de novas escolas de formação em outros lugares.[53]

No início de outubro de 1914, Kitchener o encarregou de fornecer imediatamente um esquadrão de batalha digno. O esquadrão seria usado para apoiar as forças terrestres e navais que buscavam impedir as manobras de flanco alemãs durante a "corrida para o mar". Em 7 de outubro, apenas 36 horas depois, o esquadrão Nº 6 voou para a Bélgica, o primeiro de muitos esquadrões adicionais a serem prestados.[54]

Mais tarde, ainda em outubro, ocorreu um planejamento detalhado para uma grande reorganização da estrutura de comando da Flying Corps. Henderson ofereceu o comando a Trenchard da futura Primeira Asa. Ele aceitou a oferta alegando que não seria subordinado a Sykes, de quem desconfiava.[55] No mês seguinte, o braço militar foi abolido e suas unidades com base na Grã-Bretanha foram reagrupadas como a Asa Administrativa. O comando da Ala Administrativa foi dada ao tenente-coronel Edward Ashmore.[56]

Comandante da Primeira Asa editar

Trenchard assumiu o comando da Primeira Asa em novembro de 1914, estabelendo sua sede em Merville. Em sua chegada, descobriu que Sykes deveria substituir Henderson como Comandante do Real Corpo Aéreo no campo, fazendo com que ele fosse seu superior imediato. Trenchard gerou alguma animosidade em Sykes e sua relação de trabalho foi problemática. Ele apelou a Kitchener, até então Secretário de Estado para Guerra, ameaçando renunciar.[57] Seu desconforto foi aliviado quando em dezembro de 1914 Kitchener ordenou que Henderson retomasse o comando do Real Corpo Aéreo, no campo.[58] A Primeira Asa de Trenchard consistia nos Esquadrões Nº Dois e Três[59] e voou em apoio ao IV Corpo e o Corpo Indiano.[60] Depois que o Primeiro Exército sob o general Douglas Haig passou a existir em dezembro, a Primeira Asa deu apoio ao Primeiro Exército.[61]

No início de janeiro de 1915, Haig convocou Trenchard para explicar o que poderia ser alcançado na guerra aérea. Durante a reunião, Haig lhe confidenciou os planos do Primeiro Exército para um ataque em março em Merville. / Neuve-Chapelle. Após reconhecimento fotográfico aéreo terem sido recolhidos, os planos aliados foram retrabalhados em fevereiro. Durante a Batalha de Neuve Chapelle em março, o RCA, e especialmente a Primeiro Asa, apoiou a ofensiva terrestre. Esta foi a primeira vez que os aviões foram usados como bombardeiros com explosivos amarrados em asas e fuselagem em vez de serem lançados com a mão como tinha acontecido no início da guerra.[62] No entanto, o bombardeio do ar teve pouco efeito e a artilharia desconsiderou as informações fornecidas por pilotos do RCA.[63] Antes das ofensivas de Haig em Ypres e Aubers em abril e maio, as equipes de voou de Trenchard fizeram missões de reconhecimento sobre as linhas alemãs. Apesar das informações detalhadas fornecidas e da melhoria da cooperação aprimorada entre ar-artilharia durante as batalhas, as ofensivas foram inconclusivas. No final deste envolvimento, Henderson ofereceu a Trenchard o cargo de seu chefe de gabinete. Ele recusou a oferta, citando a sua inadequação para o cargo,[64] embora sua ambição ao comando possa ter sido o real motivo.[65] Em todo caso, isso não impediu a sua promoção a coronel, em junho de 1915.[31]

Comandante do Real Corpo Aéreo editar

 
Trenchard na sede geral da Flying Corps em maio de 1917.

No retorno de Henderson ao Ministério da Guerra, no verão de 1915,[66] Trenchard foi promovido a brigadeiro-general e nomeado Comandante do RCA na França. Trenchard deveria servir como chefe do RCA no campo até o início de 1918. No final de 1915, quando Haig foi nomeado comandante da Força Expedicionária Britânica, eles restabeleceram a parceria, desta vez a um nível superior.[67] Em março do ano seguinte, com a expansão do RCA, Trenchard foi promovido a major-general.[31]

Seu tempo no comando foi caracterizado por três prioridades. Primeiro foi sua ênfase no apoio e coordenação com as forças terrestres. Este apoio começou com reconhecimento e artilharia coordenada e posteriormente abrangeu bombardeio tático de baixo nível das forças terrestres inimigas. Enquanto Trenchard não se opunha ao bombardeio estratégico da Alemanha, em princípio, ele rejeitou movimentos para desviar suas forças para missões de bombardeio de longo alcance, já que acreditava que o papel estratégico era menos importante e seu recurso fosse muito limitado. Em segundo lugar, ele enfatizou a importância do moral, não apenas dos seus próprios aviadores, mas, de forma mais geral, do efeito prejudicial que a presença de uma aeronave tinha sobre o moral das tropas terrestres inimigas. Finalmente, Trenchard tinha uma crença inabalável na importância da ação ofensiva. Embora essa crença fosse fortemente sustentada por altos comandantes britânicos, a postura ofensiva do RCA resultou na perda de muitos homens e máquinas e alguns duvidaram de sua eficácia.[68]

Após os ataques das aeronaves da Gotha em Londres no verão de 1917, o Governo considerou a criação de uma força aérea, mesclando o RCA e o Real Serviço Aeronaval. Trenchard se opôs a este movimento acreditando que iria diluir o apoio aéreo exigido pelas forças terrestres na França. Em outubro, percebeu que a criação de uma força aérea era inevitável e, vendo que era o candidato óbvio para se tornar o novo Chefe do Estado-Maior da Aeronáutica, tentou trazer um regime no qual ele iria manter o controle das unidades voadoras na Frente Ocidental. Neste sentido Trenchard não teve sucesso e foi sucedido na França pelo major-general John Salmond.[69]

Chefe do Estado-Maior da Aeronáutica (1ª nomeação) editar

 
Trenchard na RAF vestindo seu traje

Depois que o projeto de lei da Força Aérea recebeu Consentimento Real em 29 de novembro de 1917, seguiu-se um período de manobras políticas e especulações sobre quem ocuparia os novos cargos de Ministro da Aeronáutica, Chefe da Aeronáutica e outros alto-cargos dentro do Ministério do Ar, que estava prestes a ser criado. Trenchard foi convocado de volta da França, atravessando o Canal da Mancha em um contratorpedeiro na manhã de 16 de dezembro. Por volta das 15hs, conheceu o empresário jornalístico Lorde Rothermere que recentemente tinha sido nomeado Ministro do Ar por David Lloyd George. Rothermere lhe ofereceu o cargo de Chefe do Estado-Maior da Aeronáutica e antes que Trenchard pudesse responder, Rothermere explicou que o seu apoio seria útil a ele que estava prestes a lançar uma campanha na imprensa contra Sir Douglas Haig e Sir William Robertson, o Chefe General do Estado Imperial Maior. Trenchard recusou o trabalho, sendo pessoalmente leal a Haig e antipático à intriga política. Rothermere e seu irmão Lorde Northcliffe, que também estava presente, então, passou mais de 12 horas amargamente debatendo com ele. Os irmãos salientaram que, se ele se recusasse, usariam o fato para atacar Haig na falsa premissa de que ele havia se recusado a liberá-lo. Trenchard defendeu a política de ataques constantes de Haig à Frente Ocidental, argumentando que tinha sido preferível ficar na defensiva, e ele próprio também manteve uma postura ofensiva durante a guerra que, como a infantaria, resultou em severas baixas para a Flying Corps. No final, os irmãos lhe convenceram e ele aceitou o cargo com a condição de que poderia consultar Haig primeiro. Após o encontro com Haig, Trenchard escreveu a Rothermere, aceitando o cargo.[70]

No Ano Novo, Trenchard foi nomeado Cavaleiro Comandante da Ordem do Banho e Chefe do Estado-Maior da Aeronáutica[31] sobre o recém-formado Conselho do Ar. Trenchard começou a trabalhar em 18 de janeiro.[71] Durante seu primeiro mês no Ministério da Aeronáutica, entrou em confronto com Rothermere por vários assuntos. Primeiro, a tendência de Rothermere de desconsiderar seus conselheiros profissionais em favor de especialistas externos o irritou. Em segundo lugar, insistiu que Trenchard reivindicasse o maior número possível de homens para a recém-formada Força Aérea Real (FAR), mesmo que pudessem ser melhor empregados em outras forças. Em terceiro, ambos discordaram sobre os nomeados para cargos seniores na FAR. Finalmente e mais importante, discordaram sobre o uso futuro adequado do poder aéreo, que Trenchard considerou vital para evitar uma repetição do impasse estratégico que ocorreu ao longo da Frente Ocidental.[72] Também durante este período, resistiu à pressão de vários barões da imprensa para apoiar um "esquema de guerra aérea", que teria levado à retirada dos exércitos britânicos da França e a uma tentativa de derrotar a Alemanha confiada à FAR.[73] Apesar dos argumentos e suas diferenças com Rothermere, Trenchard foi capaz de colocar em prática o planejamento para a fusão do Real Corpo Aéreo e do Real Serviço Aeronaval. No entanto, com o passar das semanas, eles se distanciaram cada vez mais pessoalmente, e um ponto baixo foi alcançado em meados de março, quando Trenchard descobriu que Rothermere havia prometido à Marinha 4 mil aeronaves para tarefas anti-submarinas. Trenchard concedeu a mais alta prioridade às operações aéreas na Frente Ocidental e havia menos de 400 aeronaves de reserva na Grã-Bretanha. Em 18 de março, ambos trocaram cartas, Trenchard expressando sua insatisfação e Rothermere secamente respondendo. No dia seguinte, enviou a Rothermere uma carta de demissão e, apesar de Rothermere lhe pedir para que ficasse, Trenchard só concordou em adiar a data até depois de 1° de abril, quando a Força Aérea Real viria oficialmente a existir.[74][75]

Depois que os alemães invadiram o Quinto Exército britânico, em 21 de março de 1918, ele ordenou que todas as reservas disponíveis de tripulação, motores e aeronaves fossem rapidamente transportados para a França. Relatórios chegaram a ele em 26 de março de que as concentrações de máquinas da Flying Corps estavam parando o avanço dos alemães. Em 5 de abril, Trenchard viajou para a França, inspecionando esquadrões e atualizando sua compreensão da aeronáutica. Em seu retorno, informou a Lloyd George e vários outros ministros sobre a atividade da aeronáutica e da situação geral.[76]

Em 10 de abril, Rothermere o informou que o Gabinete de Guerra tinha aceito o seu pedido de demissão e fora-lhe oferecido seu antigo cargo na França. Ele recusou a oferta, dizendo que substituir Salmond no auge da batalha seria "condenável". Três dias depois, o major-general Frederick Sykes o substituiu como Chefe do Estado-Maior da Aeronáutica. Na segunda-feira seguinte, Trenchard foi convocado para o Palácio de Buckingham, onde o rei Jorge ouviu o relato dos acontecimentos que o levaram a renunciar. Trenchard, então, escreveu ao primeiro-ministro indicando os fatos de sua situação e apontar que, no decorrer do caso, Rothermere também havia declarado sua intenção de renunciar. A carta de Trenchard circulou entre o Gabinete, com uma resposta vingativa escrita por Rothermere. Ao mesmo tempo, a questão da competência geral de Rothermere como Ministro do Ar foi levado ao conhecimento de Lloyd George. Rothermere, percebendo a sua situação, apresentou a demissão, que foi tornada pública em 25 de abril de 1918.[77]

Deveres intermediários editar

Nas semanas que se seguiram a sua demissão, Trenchard estava sem papel e manteve um perfil discreto, evitando a imprensa e não fazendo comentários públicos. O novo Ministro do Ar, Sir William Weir, sob pressão para encontrar uma posição para Trenchard, ofereceu-lhe o comando da Força Aérea Independente ainda a ser formada, que era para conduzir operações de bombardeio de longo alcance contra a Alemanha. Em vez disso, requeira o estatuto de igualdade com Sykes, defendendo uma reorganização da FAR, que teria visto a si mesmo nomeado comandante de operações de combate da organização enquanto Sykes teria sido deixado para tratar de assuntos administrativos. Weir não aceitou sua proposta e em vez lhe deu várias opções.[78] Trenchard rejeitou a oferta de uma proposta de novo cargo que teria visto lhe dado comando com sede em Londres das operações de bombardeio realizadas a partir de Ochey, argumentando que a responsabilidade era de Newall sob a direção de Salmond. Ele também recusou o cargo de Grão-Coordenador da Política Aérea Britânica e Norte-Americanos e de Inspetor Geral da FAR no exterior. Weir, então, ofereceu-lhe o comando de todas as unidades da força aérea no Oriente Médio ou o cargo de Inspetor-Geral da FAR em casa, mas fortemente o encorajou a assumir o comando das forças independentes de bombardeio de longo alcance na França.[79]

Trenchard tinha muitas razões para não aceitar qualquer uma das mensagens que ele via como criadas artificialmente, de pouco valor ou falta de autoridade.[80] Em 8 de maio, estava sentado em um banco no Green Park e ouviu um oficial naval que dizia a outro: "Eu não sei por que o Governo deve agradar a um homem que atirou em sua mão, no auge da batalha. Se tivesse em meu caminho Trenchard eu teria atirado nele."[2] Após Trenchard ter andado em casa, ele escreveu a Weir aceitando o comando da ainda informe Força Aérea Independente.[81]

Comandante da Força Aérea Independente editar

Após um período do que foi denominado oficialmente de "dever especial" na França, Trenchard foi nomeado GOC da Força Aérea Independente em 15 de junho de 1918, com sua sede em Nancy.[82] A Força Aérea Independente continuou a tarefa da VIII Brigada de onde foi formada, realizando bombardeios estratégicos intensivos sobre centros industriais, aeroportos e ferrovias alemãs.[83] Inicialmente, o general francês Ferdinand Foch se recusou a reconhecer a Força Aérea Independente que causou algumas dificuldades logísticas. Os problemas foram resolvidos depois de uma reunião entre Trenchard e o General de Castelnau, que desconsiderou as preocupações sobre o estado da Força Aérea Independente e não bloqueou os suprimentos muito necessários. Trenchard também melhorou os laços entre a FAR e o Serviço Aéreo Americano, oferecendo aulas em técnicas avançadas de bombardeio de aviadores americanos.[84]

Em setembro de 1918, a Força de Trenchard indiretamente apoiou o Serviço Aéreo Americano durante a Batalha de Saint-Mihiel, bombardeando aeródromos, depósitos de suprimentos e linhas ferroviárias alemãs.[85] Sua estreita cooperação com os americanos e os franceses foi formalizada quando o seu comando foi redesignada a Inter-Aliada Força Aérea Independente no final de outubro de 1918 e colocado diretamente sob Foch, o comandante supremo.[86] Quando o armistício de novembro veio, Trenchard buscou e recebeu permissão de Foch para retornar seus esquadrões ao comando britânico. Ele foi sucedido como comandante da Força Aérea Independente por seu vice Brigadeiro-General Courtney.[87] Viajou para França em meados de novembro e retornou à Grã-Bretanha para tirar umas férias.[88]

Entre as guerras editar

Depois de dois meses em lista inativa da FAR,[89] Trenchard voltou aos deveres militares em meados de janeiro de 1919, quando Sir William Robertson, o comandante-em-chefe da Home Forces, pediu-lhe para cuidar de cerca de 5.000 soldados em um motim em Southampton. Colocando seu uniforme de general do Exército chegou na cidade com uma equipe de duas pessoas, seu funcionário e Maurice Baring, seu ajudante-de-campo.[90] Trenchard inicialmente tentou falar com os soldados da revolta mas foi vaiado e empurrado. Ele, então, organizou tropas armadas para serem enviadas à cidade e quando ameaçou força letal, os amotinados se renderam, trazendo matérias ao fim sem derramamento de sangue.[91]

Chefe do Estado-Maior da Aeronáutica (2ª nomeação) editar

Renomeação e doença editar

No início de 1919, Churchill foi nomeado Secretário de Estado da Guerra e Secretário de Estado do Ar. Enquanto Churchill estava preocupado com a implementação dos cortes de defesa pós-guerra e da desmobilização do Exército, o Chefe do Estado-Maior da Aeronáutica, Major-General Frederick Sykes, apresentou um documento com o que eram na época propostas irrealistas para uma grande força aérea no futuro.[92] Estando insatisfeito com Sykes, Churchill começou a considerar o restabelecimento de Trenchard, cujo desempenho recente em Southampton tinha mais uma vez o levado à favor de Churchill.[93]

Durante a primeira semana de fevereiro, foi convocado para Londres por telegrama oficial. No Ministério da Guerra, encontrou-se com Churchill, que lhe pediu para voltar como Chefe da Aeronáutica. Trenchard respondeu que não poderia assumir o cargo pois Sykes estava atualmente no posto. Depois de Churchill indicar que ele seria nomeado Controlador de Aviação Civil e lhe fazer Cavaleiro da Grande Cruz da Ordem do Império Britânico, Trenchard concordou em considerar a oferta. Churchill, não querendo deixar as coisas penduradas, perguntou a ele para lhe fornecer um documento com suas ideias sobre a reorganização do Ministério do Ar. Sua breve declaração por escrito dos fundamentos necessários reuniu-se com a aprovação de Churchill e ele insistiu que Trenchard assumisse o compromisso. Voltou para o Ministério do Ar, em meados de fevereiro e formalmente assumiu cargo de Chefe do Estado-Maior da Aeronáutica em 31 de março de 1919.[33][94]

Durante a maior parte de março, Trenchard foi incapaz de realizar seu trabalho visto que havia contraído gripe espanhola. Durante este período, ele escreveu a Katherine Boyle (nascida Salvin), a viúva de seu amigo e companheiro oficial de James Boyle, que ele conhecia de seu tempo na Irlanda. A pedido de Trenchard, a Sra. Boyle assumiu a tarefa de cuidar da sua saúde.[95] Uma vez que havia se recuperado, ele propôs casamento a Katherine Boyle, que recusou a oferta.[96] Permaneceu em contato com ela e, quando novamente propôs casamento, ela aceitou. Em 17 de julho de 1920, eles se casaram na Igreja de Santa Margarida, em Westminster.[97]

Constitutivo da FAR e da luta pela sobrevivência editar

 
Trenchard como Chefe da Aeronáutica em junho de 1919.

Durante o verão de 1919, Trenchard trabalhou em completar a desmobilização da FAR e estabelecê-la em uma base em tempos de paz. Esta era uma tarefa considerável como a organização foi orçado para encolher a partir de 280 esquadrões para cerca de 28.[98] Foi também nessa época que os novos postos de oficiais da FAR foram decididos, apesar de algumas oposições de membros do Conselho do Exército.[99] O próprio foi reclassificado de major-general para vice-marechal do ar e, em seguida, promovido a marechal do ar, alguns dias depois.[82]

No outono de 1919, os efeitos orçamentais da Regra Decenal de Lloyd George estavam lhe causando algumas dificuldades que procurar desenvolver as instituições da FAR. Ele teve que argumentar contra a visão de que o Exército e a Marinha deveriam fornecer todos os serviços de apoio e educação, deixando a FAR apenas para fornecer treinamento de voo. Trenchard viu essa ideia como uma precursora para a dissolução da organização e, apesar dos custos, queria que suas próprias instituições desenvolvessem arte de aviação e gerassem o espírito do ar.[100] Tendo convencido Churchill de seu caso,[101] Trenchard supervisionou a fundação da Royal Air Force College Cranwell, em Cranwell, como a primeira academia aérea militar do mundo. Mais tarde, em 1920, inaugurou o esquema Aircraft Apprentice Scheme que forneceu a FAR com equipe de terra especialista durante 70 anos. Em 1922, a RAF Staff College, em Andover, foi criada para fornecer treinamento específico de força aérea para oficiais de médio escalão da organização militar.[102]

Notas

  1. Raleigh 1922:p. 418
  2. a b c d e f Orange, Vincent (2006). «Trenchard, Hugh Montague». Oxford University Press (em inglês). Oxford Dictionary of National Biography. Consultado em 24 de junho de 2013 
  3. Boyle 1962:pp. 21–22
  4. a b Boyle 1962:pp. 19–20
  5. a b Havard 2000:p. 16
  6. Boyle 1962:pp. 23–26
  7. Lyall 1976:p. 176
  8. Boyle 1962:pp. 26–30
  9. Boyle 1962:pp. 31–33
  10. Jordan 2000:p. 69
  11. Boyle 1962:pp. 35–36
  12. a b c Lyall 1976:p. 177
  13. Boyle 1962:pp. 38–39
  14. Boyle 1962:pp. 46, 48
  15. Buchan 1925:p. 274
  16. Boyle 1962:pp. 50–51
  17. Boyle 1962:pp. 53, 55
  18. Boyle 1962:pp. 15, 16 e 55–58
  19. Shaw, John. «Dwarsvlei, a Highveld farm: Forgotten battlefield of the Anglo-Boer War». Military History Journal, South African Military History Society (em inglês). 11 (3/4). Consultado em 30 de janeiro de 2014 
  20. Boyle 1962:pp. 17, 58
  21. «Shipping records - December 1900» (em inglês). Anglo Boar War.com. Consultado em 30 de janeiro de 2014 
  22. Boyle 1962:pp. 58–59
  23. Boyle 1962:pp. 59–62
  24. Lyall 1976:p. 177
  25. Boyle 1962:p. 62
  26. Boyle 1962:pp. 63–64
  27. Boyle 1962:pp. 64–66
  28. Boyle 1962:pp. 66–69
  29. Boyle 1962:p. 69
  30. Boyle 1962:p. 70
  31. a b c d e Probert 1991:p. 100
  32. Boyle 1962:pp. 71–76
  33. a b Probert 1991:p. 1
  34. a b Wykeham 1971:p. 469
  35. Boyle 1962:p. 81
  36. The London Gazette: n°. 27950. p. 6312. 18 de setembro de 1906. Página visitada em 21 de março de 2014.
  37. The London Gazette: n°. 28165. p. 5812. 18 de setembro de 1906. Página visitada em 21 de março de 2014.
  38. Boyle 1962:p. 91
  39. Boyle 1962:pp. 92–94
  40. Allen 1972:p. 29
  41. Rayleigh 1922:p. 418
  42. Macmillan 1955:p. 148
  43. Boyle 1962:pp. 95–96
  44. a b Turner 1927:pp. 308–309
  45. «Journal 16 - Air leadership in War» (PDF) (em inglês). RAF Museum. 109 páginas. Consultado em 15 de abril de 2014 
  46. Baker 2003:p. 19
  47. Joubert de la Ferté 1955:p. 18
  48. Boyle 1962:pp. 103–104
  49. Boyle 1962:p. 107
  50. Manchester 1983:p. 363
  51. Ash 1998:pp. 51
  52. Boyle 1962:pp. 115–119
  53. Baker 2003:p. 46
  54. Boyle 1962:p. 121
  55. Boyle 1962:pp. 122–123
  56. «British Military Aviation in 1914» (em inglês). Royal Air Force Museum. Consultado em 29 de junho de 2014 
  57. Havard 2000:p 25
  58. Joubert de la Ferté 1955:p. 32
  59. Boyle 1962:pp. 124–126
  60. Ash 1998:p. 63
  61. Laffin 1964:p. 60
  62. Baker 2003:p. 62
  63. Boyle 1962:pp. 128–136
  64. Boyle 1962:pp. 137–139
  65. Havard 2000:p. 26
  66. Smith, Richard A (2008). «Henderson, Sir David». Oxford University Press (em inglês). Oxford Dictionary of National Biography. Consultado em 1 de julho de 2014 
  67. Lyall 1976:p. 179
  68. Jordan 2000:pp. 74–80
  69. Jordan 2000:pp. 80–82
  70. Boyle 1962:pp. 245–255
  71. Jordan 2000:p. 82
  72. Boyle 1962:pp. 260–262
  73. Joubert de la Ferté 1955:p. 61
  74. Boyle 1962:pp. 262–270
  75. Macmillan 1955:p. 153
  76. Boyle 1962:pp. 271–274
  77. Boyle 1962:pp. 276–281
  78. Jordan 2000:pp. 83–84
  79. Boyle 1962:pp. 282–287
  80. Jordan 2000:p. 84
  81. Boyle 1962:pp. 287–288
  82. a b Probert 1991:p. 101
  83. Taylor, J 1968:pp. 16–17
  84. Boyle 1962:pp. 290–299
  85. Boyle 1962:pp. 300–301
  86. Boyle 1962:pp. 313
  87. Richards, Denis (2008). «Courtney, Sir Christopher Lloyd». Oxford University Press (em inglês). Oxford Dictionary of National Biography. Consultado em 22 de julho de 2014 
  88. Boyle 1962:pp. 314–316
  89. Barrass, Malcolm (9 de outubro de 2007). «Marshal of the RAF The Viscount Trenchard of Wolfeton» (em inglês). Air of Authority – A History of RAF Organisation. Consultado em 23 de julho de 2014 
  90. Boyle 1962:p. 317
  91. Boyle 1962:pp. 320–324
  92. Ash 1998:pp. 175–177
  93. Boyle 1962:pp. 325–328
  94. Boyle 1962:pp. 328–331
  95. Lyall 1976:p. 184
  96. Boyle 1962:pp. 333–336
  97. Boyle 1962:p. 375
  98. Ross 2002:p. 16
  99. Boyle 1962:pp. 336–339
  100. Boyle 1962:pp. 340–344
  101. Pelling 1974:p. 260
  102. Probert 1991:p. 3

Referências editar

  • Jordan, David (2000). «The Battle for the Skies: Sir Hugh Trenchard as Commander of the Royal Flying Corps». In: Matthew Hughes e Matthew Seligmann. Leadership in Conflict 1914 - 1918 (em inglês). [S.l.]: Leo Cooper Ltd. p. 68-91. ISBN 0-85052-751-1 
  • Raleigh, Sir Walter Alexander; Jones, Henry Albert (1922). The war in the air; being the story of the part played in the Great War by the Royal Air Force (em inglês). [S.l.]: Oxford Clarendon Press. ISBN 1-901623-20-3 
  • Taylor, John; Moyes, P J R (1968). Pictorial History of the RAF (em inglês). Shepperton, Surrey, Inglaterra: Ian Allan Ltd. ISBN 0-7110-1005-6 
  • Ash, Eric (1998). Sir Frederick Sykes and the air revolution, 1912–1918. [S.l.]: Routledge. ISBN 0-7146-4382-3 
  • Baker, Anne (2003). From Biplane to Spitfire (em inglês). Barnsley: Pen and Sword Books. ISBN 0-85052-980-8 
  • Turner, Charles Cyril (1927). The Old Flying Days (em inglês). [S.l.]: Ayer Publishing. ISBN 0-405-03783-X 
  • Wykeham, Peter (2002). «Trenchard, Hugh Montague». In: Hew Strachan. Military Lives (em inglês). [S.l.]: Oxford University Press. p. 468-474. ISBN 0-19-860532-3 
  • Laffin, John (1964). Swifter Than Eagles - The biography of Marshal of the Royal Air Force Sir John Salmond (em inglês). Edimburgo e Londres: William Blackwood and Sons 
  • Lyall, Gavin (1976). «Marshal of the Royal Air Force the Viscount Trenchard». In: Marechal de Campo, Senhor Carver. The War Lords: Military Commanders of the Twentieth Century (em inglês). [S.l.]: Leo Cooper Ltd. p. 176-187. ISBN 978-1-84415-308-4 
  • Manchester, William (1983). The Last Lion (em inglês). Aylesbury, Bucks, Inglaterra: Sphere Books. ISBN 0-7221-5728-2 
  • Joubert de la Ferté, Philip (1955). The Third Service (em inglês). Londres: Thames and Hudson 
  • Allen, Hubert Raymond ("Dizzy"), Wing Commander (1972). The Legacy Of Lord Trenchard (em inglês). Londres: Cassell. ISBN 0-304-93702-9 
  • Probert, Henry (1991). «Marshal of the Royal Air Force the Viscount Trenchard». High Commanders of the Royal Air Force (em inglês). Londres: Her Majesty's Stationery Office. p. 1-4 e 100-101. ISBN 0-11-772635-4 
  • Boyle, Andrew (1962). Trenchard Man of Vision (em inglês). Palácio de St. James, Londres: HarperCollins 
  • Havard, Cyril (2000). The Trenchard Touch (em inglês). Chichester: Countrywise Press. ISBN 1-902681-13-4 
  • Buchan, John (2005). The History of the Royal Scots Fusiliers (em inglês). [S.l.]: The Naval & Military Press. ISBN 1-84574-628-7 
  • Macmillan, Norman (1955). «Marshal of the Royal Air Force the Viscount Trenchard of Wolfeton». Great Airmen (em inglês). Londres: George Bell & Sons. p. 147-156 
  • Pelling, Henry (1974). Winston Churchill (em inglês). Londres: Macmillan. ISBN 0-333-12499-5 
  • Ross (Wing Commander), Anthony (2002). Through the Eyes of Blue (em inglês). [S.l.]: Airlife Publishing. ISBN 1-84037-345-8 

Ligações externas editar

 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Hugh Trenchard, 1.º Visconde Trenchard