Ruínas em Hvalsey.

Hvalsey ("Ilha da Baleia"; groelandês: Qaqortukulooq) está localizada perto de Qaqortoq, na Groelândia. É um dos locais das maiores e mais conservadas ruínas dos Nórdicos, na região conhecida como "Assentamento Oriental" (Eystribyggð).

HistóriaEditar

De acordo com o Livro dos Assentamentos Islandeses (Landnámabók), a fazenda foi estabelecida pelo tio de Érico, o Ruivo, Þorkell (Thorkell) Farserkur no final do século X.

A fazenda era conhecida como Þjóðhildarstaðir (Thjódhildsstead) no momento do relatório de Ivar Bardarson, cerca de 1360. No século XIV, pertencia aos Reis da Noruega:

"Næst Einarsfirði liggr Hvalseyjarfjörðr. Þar er kirkja, sem heitir Hvalseyjarfjarðarkirkja. Hún á allan fjörðinn ok svá allan Kambstaðafjörð, sem er næstr. Í þessum firði stendur bær mikill, sem konungi tilheyrir og heitir Þjóðhildarstaðir."

"Ao lado do estuário de Einar encontra-se o fiorde de Hvalsey. Há uma igreja ali chamada Igreja do fiorde de Hvalsey. Também se estende por todo o fiorde de Kambstad, que está ao lado do mesmo. Sobre este estuário fica uma grande fazenda, que pertence ao rei e é chamado Terra de Thjodhild."

A fazenda era um importante centro no sul da Groenlândia. O sítio, que tem as ruínas de dois grandes salões de pedra, teve mais 14 casas perto de uma igreja. O antigo salão, que tem 14 metros de comprimento e 4 metros de largura, está no meio das ruínas. O mais novo salão está bem preservado mede 8 metros por 5 metros.

IgrejaEditar

 
Ruínas da Igreja de Hvalsey.

A edificação da igreja, que foi erguida no início do século XII, pode ter sido construída por pedreiros escoceses e nórdicos, pois estruturas similares são encontradas na Noruega e Orkney. A igreja poderia ter sido mantida devido à propriedade real do sítio.[1]

A casa da igreja foi excepcionalmente bem construída a partir de pedras cuidadosamente escolhidas que em alguns casos pesam mais de cinco toneladas. Suas paredes, que são até 1,5 metros de espessura, medem 16 metros por 8 metros no lado de fora. Os frontões aumentam 5 metros a 6 metros do chão e podem ter aumentado 2 m mais alto quando foi construído pela primeira vez. As paredes laterais, que teriam sido maiores quando novas, agora ficam a 4 metros. O prédio foi rebocado com conchas de mexilhão moído e teriam sido branco quando foram usados e foi coberto com madeira e telhado de grama.

Um casamento de 1408 na igreja do sítio é o último evento documentado a ocorrer durante a colonização nórdica da Groenlândia. Dois anos depois, os recém-casados islandeses, o capitão do navio Þorsteinn Ólafsson e Sigríður Björnsdóttir, retornaram à Noruega, antes de embarcarem na Islândia e se instalarem na fazenda familiar da noiva em Akrar, no norte da Islândia, em 1413. Os detalhes foram registrados em cartas entre dignitários papais na Islândia e o Vaticano.

A evidência arqueológica mostra que nos últimos cem anos os últimos assentamentos nórdicos na Groenlândia lentamente desapareceram. Demorou-se até 1721 para que uma expedição mercantil-clerical conjunta liderada pelo missionário dinamarquês Hans Egede descobrisse que as colônias nórdicas no sul da Groenlândia tinham desaparecido.

Referências

  1. Ivar Bardarson (Ívar Bárðarson), Grænlandslýsing, escrito em cerca de 1360.