I.Q.

filme de 1994 dirigido por Fred Schepisi

I.Q (br: A Teoria do Amor; pt: O Génio do Amor) é um filme norte-americano de 1994, do gênero comédia romântica, dirigido por Fred Schepisi.

I.Q
O Génio do Amor[1] (PRT)
A Teoria do Amor[2] (BRA)
 Estados Unidos
1994 •  95 min 
Direção Fred Schepisi
Produção Fred Schepisi
Carol Baum
Scott Rudin
Neil A. Machlis
Roteiro Andy Breckman
Elenco Tim Robbins
Meg Ryan
Walter Matthau
Charles Durning
Género filme de comédia
filme romântico
Música Jerry Goldsmith
Cinematografia Ian Baker
Edição Jill Bilcock
Distribuição Paramount Pictures
Estreia Estados Unidos 25 de dezembro de 1994
Idioma inglês
alemão

As taglines do filme são Think love (Pense amor) e With Einstein as cupid what could possibly go wrong? (Com Einstein como cupido, o que poderia possivelmente dar errado?)

SinopseEditar

Albert Einstein, além de um genial físico, é o gênio casamenteiro. Com a ajuda de seus colegas cientistas, tenta fazer com que sua sobrinha Catherine Boyd, uma brilhante aluna da faculdade de Princeton, se apaixone pelo amável mecânico Ed Walters. Para isso, ele tentar caracterizar Ed como um cientista e, ao mesmo tempo, tentar convencer Catherine que a vida não é tudo sobre os números, mas sobre o coração também.

ElencoEditar

Alterações dramáticasEditar

Por razões dramáticas, I.Q. ficcionaliza a vida de certas pessoas reais. Albert Einstein não tinha uma sobrinha chamada Catherine Boyd. Kurt Gödel era famoso por ser tímido e recluso, ao contrário de sua contraparte fictícia neste filme. O filme dá a impressão de que Einstein e seus amigos têm toda a mesma idade, quando, na verdade, eram entre 17 e 30 anos mais jovens que Einstein. Louis Bamberger da vida real morreu em 1944, antes do período de ambientação do filme.

Os personagens do filme ouvem "Tutti-Fruitti", de Little Richard, que foi lançado em novembro de 1955, enquanto Albert Einstein morreu em abril daquele ano.

Enquanto alguns espectadores acreditam que o personagem de Robbins pode ser visto personificando Don Vito Corleone, interpretado por Marlon Brando, de The Godfather, que foi lançado em 1972, ele estava realmente personificando o personagem de Johnny Strabler (também interpretado por Marlon Brando), de The Wild One, um filme noir americano de 1953, cuja persona se tornou um ícone cultural da década de 1950.

Lançamento e recepçãoEditar

Q.I. estreou nos cinemas no dia de Natal. Arrecadou US$3.131.201 durante seu fim de semana de abertura (25/12 a 27), ocupando o 8.ª lugar nas vendas do fim de semana de abertura para o fim de semana.[3] Quando o filme terminou sua exibição nos cinemas, ele tinha feito US$26.381.221 no mercado interno.[4]

O filme recebeu críticas mistas da crítica, já que Q.I. detém uma avaliação de 42% no Rotten Tomatoes de 26 críticas.[5]

Listas de fim de anoEditar

Referências

  1. «O Génio do Amor». Portugal: SapoMag. Consultado em 5 de novembro de 2018 
  2. «A Teoria do Amor». Brasil: CinePlayers. Consultado em 5 de novembro de 2018 
  3. «Dumb' Laughs = a Smart Payoff : Box office: Jim Carrey vehicle pulls a 'Gump,' taking in $16.2 million on an otherwise slow film-going weekend.». The Los Angeles Times. Consultado em 31 de dezembro de 2010 
  4. «I.Q. (1994) - Box Office Mojo». Box Office Mojo. Consultado em 24 de maio de 2010 
  5. I.Q. (1994) (em inglês), consultado em 6 de julho de 2021 
  6. Elliott, David (25 de dezembro de 1994). «On the big screen, color it a satisfying time». The San Diego Union-Tribune 1, 2 ed. p. E=8 
  7. P. Means, Sean (1 de janeiro de 1995). «'Pulp and Circumstance' After the Rise of Quentin Tarantino, Hollywood Would Never Be the Same». The Salt Lake Tribune Final ed. p. E1 
  Este artigo sobre um filme estadunidense é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.