Abrir menu principal

Wikipédia β

A página está num processo de expansão ou reestruturação.
Esta página atravessa um processo de expansão ou reestruturação. A informação presente poderá mudar rapidamente, podendo conter erros que estão a ser corrigidos. Todos estão convidados a contribuir e a editar esta página. Caso esta não tenha sido editada durante vários dias, retire esta marcação.

Esta página foi editada pela última vez por Mcorrlo (D C) há 3 meses. (Recarregar)

Ibn Warraq é o pseudônimo de um autor anónimo crítico do Islã. Ele é o fundador do Institute for the Secularisation of Islamic Society (ISIS) e foi um pesquisador sênior no Center for Inquiry[1][2][3] com foco na crítica do Alcorão.[4] Warraq é o vice-presidente do World Encounter Institute.[5]

Índice

BiografiaEditar

Ibn Warraq nasceu em 1946, filho de muçulmanos, em Rajkot, Índia. Um ano mais tarde, mudou-se para o Paquistão, tendo crescido em Karachi, a capital. Com a idade de 10 anos, foi estudar para o Reino Unido.[6]

Estudou árabe e persa na Universidade de Edimburgo com os professores Montgomery Watt e L.P. Ewell-Sutton, respectivamente. Depois de uma licenciatura em Filosofia pela Universidade de Londres, Warraq ensinou durante cinco anos em escolas primárias em Londres, e depois na Universidade de Toulouse em S.W.France.

Warraq escreveu historiografias sobre os primeiros séculos do período islâmico, e escreveu e publicou obras que questionam as concepções tradicionais sobre esse período. O pseudônimo Ibn Warraq (que quer dizer "filho de um fabricante de papel") é usado devido a suas preocupações para a sua segurança pessoal. Warraq adotou o pseudônimo quando completou seu primeiro livro, "Why I am not a Muslim" (Porque não sou muçulmano) escrito em 1993 mas só publicado em 1995. Este livro, segundo o autor, foi um aviso ao Ocidente sobre os perigos de ceder às exigências irracionais dos muçulmanos que vivem no Ocidente.

Ibn Warraq editou outros vários livros de crítica corânica (o autor não foi ainda traduzido para português) , e sobre as origens do Islã:

  • The Origins of the Koran (As Origens do Alcorão -1998),
  • The Quest for the Historical Muhammad (A Procura do Muhammad Histórico - 2000),
  • What the Koran Really Says (O que o Alcorão Realmente Diz - 2002),
  • Leaving Islam: Apostates Speak Out (Deixando o Islão: Os Apóstatas Falam -2003.)
  • Defending the West: A Critique of Edward Said's Orientalism (Defendendo o Ocidente: Uma Crítica do Orientalismo de Edward Said - 2007)
  • Which Koran?: Variants, Manuscripts, and the Influence of Pre-Islamic Poetry (Qual Alcorão? Variantes, Manuscritos e a Influência da Poesia Pré-Islâmica - 2008)
  • Why the West Is Best: A Muslim Apostate's Defense of Liberal Democracy (2011)
  • Sir Walter Scott's Crusades & Other Fantasies (2013).

Ibn Warraq concluiu em 2007, o estudo crítico do pensamento de Edward Said, "Defendendo o Ocidente. Uma Crítica do Orientalismo de Edward Said", (2007), que Paul Berman, autor de Terror e Liberalismo, descreveu como "uma gloriosa obra de erudição, e vai contribuir poderosamente para modernizar a maneira como pensamos sobre a civilização ocidental e o resto do mundo. "

Qual Alcorão? (2011), foi seguido por uma defesa robusta da civilização ocidental, "Why the West is Best"(Porque o Ocidente è Melhor) , publicado em dezembro de 2011. Em "Cruzadas de Sir Walter Scott e Outras Fantasias" (2013), Ibn Warraq defendeu a legitimidade das Cruzadas como uma defesa dos cristãos perseguidos durante séculos pelos muçulmanos e sua ideologia da Jihad.[7]

Depois de se formar, Warraq foi um professor de escola primária em Londres por cinco anos e se mudou para a França com sua esposa em 1982, abrindo um restaurante indiano. Ele trabalhou como um mensageiro para um agente de viagens até ocorrer o caso Rushdie . Foi durante este tempo que ele percebeu que havia frequentes ataques críticos sobre o cristianismo e o judaísmo, mas nunca sobre os ensinamentos islâmicos, que, de acordo com Warraq, tentam controlar todos os aspectos da vida do indivíduo, "sem possibilidades de pensamento independente". Ele esperava que vários intelectuais no Ocidente defendessem valores como a liberdade de expressão e Rushdie, mas "em vez de defender Rushdie e seu direito à liberdade de expressão, eles o condenaram; foram culpar a vítima."[8] Por causa disto, Warraq começou a escrever para a "Free Inquiry Magazine", publicação americana secular humanista, sobre temas tais como "Por que eu não sou muçulmano."[9][10]

"A soberania no Islã," disse Warraq em uma entrevista de 2006, "reside em Deus, enquanto que, nos direitos humanos, na democracia, por exemplo, a soberania reside nas pessoas. E, os direitos humanos, a Declaração Universal dos Direitos Humanos, em várias ocasiões, colide com vários aspectos da lei islâmica, especialmente no tratamento das mulheres e de não-muçulmanos. " Além disso, Warraq expressou preocupações sobre liberdade de religião: "no Islã, não tem o direito de deixar sua religião. Você nasceu um muçulmano, e é isso. A apostasia, quer dizer, deixar sua religião no Islã, é punível com a morte."

CríticasEditar

Em 2007, Douglas Murray descreveu Ibn Warraq como "um grande erudito islâmico ... um dos grandes heróis do nosso tempo. Pessoalmente em perigo, mas sem cessar de escrever, Ibn Warraq lidera uma tendência. Como um número crescente de pessoas, ele se recusa a aceitar a ideia de que todas as culturas são iguais. Se Ibn Warraq vivesse no Paquistão ou na Arábia Saudita, ele não seria capaz de escrever, ou se o fizesse, ele não seria permitido viver. Seus livros são uma crítica das fontes do Alcorão: nos estados islâmicos isso é apostasia, são pessoas como ele, que compreendem por que os valores ocidentais não são apenas outra maneira de viver, mas a única maneira de viver - o único sistema na história da humanidade em que o indivíduo é genuínamente livre (nas palavras imortais de Thomas Jefferson) para "perseguir a felicidade".[11]

Daniel Pipes também descreveu Why I am not is Muslim (1995) como "bem pesquisado e brilhante."[12]. David Pryce-Jones disse que era "um exame escrupulosamente documentado da vida e do ensino do Profeta Muhammad, do Alcorão e suas fontes, e da cultura resultante".[13] Christopher Hitchens descreveu Porque não sou muçulmano como "meu livro favorito sobre o Islã".[14]

Ver tambémEditar

Referências

  1. Murray, Douglas (3 October 2007). «Don't be afraid to say it». The Spectator. Consultado em 17 de janeiro de 2012  Verifique data em: |data= (ajuda)
  2. Stephen Crittenden L. The Religion Report Ibn Warraq: Why I am not a Muslim - 10 October 2001
  3. Ronald A. Lindsey (30 de setembro de 2010). «A Bittersweet Farewell». No Faith Value Blog. Consultado em 30 de novembro de 2013 
  4. The spectator October 2007 IQ2 debates on the topic "We should not be reluctant to assert the superiority of Western values".
  5. «World Encounter Institute Mission Statement». Consultado em 30 de novembro de 2013 
  6. Warraq, Ibn (Data não indicada). «On becoming English (Tornando-me inglês) - em inglês». Ibn Warraq, site pessoal do autor  Verifique data em: |data= (ajuda)
  7. Warraq, Ibn (Data não indicada). «Bio-Data (biografia de Ibn Warraq)». Ibn Warraq  Verifique data em: |data= (ajuda)
  8. «Freedom Of Expression And Religion: Salman Rushdie's Critics (Liberdade de Expressão e Religião: Críticos de S. Rushdie - em inglês)». Church And State. 2016 
  9. Smith, Lee (17 Agosto 2003). «Losing his religion -Apostate Ibn Warraq campaigns for the right not to be a Muslim (em inglês)». Boston. com (Arquivado em WayBackMachine) 
  10. Abraham, Priya (16 Junho 2007). «Dissident voices (Vozes dissidentes)». World Magazine 
  11. Douglas Murray, "I am not afraid to say the West’s values are better," The Spectator, 3 outubro 2007
  12. Daniel Pipes, "Why I Am Not a Muslim," Middle East Quarterly, Vol. III, Num. 1. Março 1996
  13. David Pryce-Jones "Enough Said," The New Criterion, janeiro 2008
  14. Christopher Hitchens, "Holy Writ," The Atlantic, 1 de abril de 2003.

Ligações externasEditar