Identidade Cristã

Identidade Cristã (em inglês: Christian Identity, ou também conhecido como Identity Christianity[1]) é um movimento racista, supremacista branco e fundamentalista cristão, cujo objetivo é estabelecer uma teocracia cristã nos Estados Unidos, haja vista considera o país a verdadeira Terra Prometida devido a sua crença na teoria do anglo-israelismo.

O grupo sustenta que os antigos israelitas são povos anglo-saxões, germânicos, nórdicos e afins e são os descendentes físicos de Abraão, Isaac e Jacó. Não é uma religião organizada, mas em vez disso, é composta de indivíduos, igrejas e algumas gangues de prisão [2] com uma teologia da supremacia branca,[3][4] que promove uma interpretação racial do cristianismo. As crenças da Identidade Cristã foram desenvolvidas e promovidas por dois autores que consideraram os europeus como sendo o "povo escolhido" e os judeus foram considerados como os descendentes amaldiçoados de Caim. Muitos destas ideias foram mais tarde adotadas por seitas de supremacia branca e gangues.

A Identidade Cristã sustenta que todos os não-brancos (pessoas que não são de descendência totalmente europeia) serão exterminados ou escravizados para servirem à raça branca no novo Reino dos Céus na Terra sob o reino de Jesus Cristo. Sua doutrina diz que apenas as pessoas "Adamic" (brancas) podem alcançar a salvação e o paraíso.

Referências

  1. «Extremism in America – Christian Identity». Consultado em 1 de novembro de 2015. Arquivado do original em 10 de fevereiro de 2017 
  2. «Bigotry Behind Bars: Racist Groups In U.S. Prisons». Consultado em 1 de novembro de 2015. Arquivado do original em 29 de julho de 2015 
  3. Eck, Diane (2001). A New Religious America: How a "Christian Country" Has Become the World's Most Religiously Diverse Nation. New York: HarperCollins Publishers. p. 347 
  4. Buck, Christopher (2009). Religious Myths and Visions of America: How Minority Faiths Redefined America's World Role. [S.l.]: Praeger. pp. 107, 108, 213. ISBN 978-0-313-35959-0