Adventismo

movimento religioso cristão do século 19
(Redirecionado de Igreja Adventista)
Nota: "Adventista", também é comumente usado como uma forma breve para Adventista do Sétimo Dia.

O adventismo é um movimento religioso cristão protestante iniciado no século XIX, dentro do contexto do Segundo Grande Reavivamento dos Estados Unidos, que salienta a crença na iminente segunda vinda de Jesus à Terra. [1]

Os adventistas se distinguem pela ênfase na crença de que o retorno de Cristo à terra é iminente.

O movimento começou com William Miller, fazendeiro, membro da Igreja Batista, cujos seguidores ficaram conhecidos como Mileritas. O adventismo surgiu após a interpretação bíblica de William Miller, de que Jesus voltaria na década de 1840, mais precisamente no ano de 1843 do calendário judaico, que equivalia, naquele ano a março/abril de 1843 a março/abril de 1844. Miller chegou a esta conclusão interpretando a profecia de Daniel 8:14: “Até duas mil e trezentas tardes e manhãs; e o santuário será purificado" entendendo que no final do cômputo ocorreria a volta literal de Jesus. Isso porque ele e teólogos de sua época, enxergavam a Terra como o santuário, ao comparar Jesus como o cordeiro que sai de sua casa no Céu para morrer no santuário da Terra. Sendo a volta de Jesus e a purificação da Terra com fogo o cumprimento desta profecia. [1]

Os adventistas não eram, até então, um título de uma denominação religiosa, mas grupos de várias denominações como: Batistas, Metodistas, Conexão Cristã, etc. que professavam, naquele tempo, a proximidade da volta de Jesus, unindo-se ao pregador William Miller.

A família de igrejas adventistas são consideradas como protestantes conservadoras.[2] Hoje, a maior igreja dentro do movimento é a Igreja Adventista do Sétimo Dia. Embora tenham muito em comum, como uma hermenêutica voltada à escatologia, a teologia delas diferem em vários aspectos como o estado inconsciente dos mortos, ao castigo no fim dos tempos dos ímpios, natureza da imortalidade, regulações dietárias, guarda do sábado, a ressurreição dos ímpios e a divergência do santuário de Daniel 8, se ele se refere ao que está no céu ou ao santuário da Terra.[3]

Origens editar

A fundação do adventismo está associada a um período de efervescência religiosa nos Estados Unidos no final do século XVIII e primeira metade do século XIX, no nordeste dos Estados Unidos. Deste modo, o surgimento das sociedades bíblicas, o não conformismo com o sistema religioso estabelecido, reuniões de reavivamento (revivals), o estilo evangelístico e proselitista de religião permitiram o surgimento do movimento baseado na interpretação das profecias do Livro de Daniel 8 e 9 por Guilherme Miller, membro da Igreja Batista, e outros líderes religiosos estabelecendo o fim do mundo e o retorno de Jesus Cristo para 1843 e depois para 1844.

Pessoas de várias denominações religiosas aderiram a este movimento religioso, embora o mesmo não tivesse uma organização eclesiástica formal, e tivesse pessoas das mais diferentes vertentes protestantes. Após o que ficou conhecido como O Grande Desapontamento, o grupo se dispersou em outros menores. Alguns destes grupos permaneceram marcando datas posteriores para o retorno de Cristo. Outros não demonstraram interesse algum por religião instituída. Alguns voltaram para suas denominações de origem e se desculparam com os líderes, que em muitos casos, os haviam expulsado um pouco antes.[4][5][6]

Aqueles que mantiveram a data de 22 de outubro, muitos sustentaram que Jesus havia vindo não literalmente, mas "espiritualmente", e, consequentemente, eram conhecidos como "espiritualizadores". Uma pequena minoria acreditava que algo concreto de fato havia acontecido em 22 de outubro, mas que esse evento havia sido mal interpretado. Essa crença mais tarde emergiu e se cristalizou com a Igreja Adventista do Sétimo Dia, o maior grupo remanescente até hoje.[2]

 
O desenvolvimento de ramos do Adventismo no século XIX.

Conferência de Albany (1845) editar

A Conferência de Albany em 1845, com a participação de 61 delegados, foi convocada para tentar determinar o curso e significado futuro do movimento Millerita. Após essa reunião, os "Milleritas" passaram a ser conhecidos como "Adventistas" ou "Adventistas do Segundo Advento". No entanto, os delegados discordaram sobre vários pontos teológicos. Quatro grupos emergiram da conferência: Os Adventistas Evangélicos, a União da Vida e Advento, a Igreja Cristã Adventista e a Igreja Adventista do Sétimo Dia.

O maior grupo foi organizado como a Associação Milenar Americana, uma parte da qual mais tarde ficou conhecida como a Igreja Adventista Evangélica.[2] Únicos entre os Adventistas, eles acreditavam em um inferno eterno e na consciência após a morte. Eles declinaram em número, e em 1916 seu nome não apareceu no Censo de Corpos Religiosos dos Estados Unidos. Eles diminuíram para quase inexistência hoje. Sua principal publicação era o Advent Herald,[7] do qual Sylvester Bliss foi editor até sua morte em 1863. Posteriormente, foi chamado de Messiah's Herald.

A União da Vida e Advento foi fundada por George Storrs em 1863. Ele havia estabelecido The Bible Examiner em 1842. Ela se fundiu com a Igreja Cristã Adventista em 1964.

A Igreja Cristã Adventista foi oficialmente formada em 1861 e cresceu rapidamente no início. Declinaram um pouco durante o século XX. Os Adventistas Cristãos publicam as quatro revistas The Advent Christian Witness, Advent Christian News, Advent Christian Missions e Maranatha. Eles também operam uma faculdade de artes liberais em Aurora, Illinois; e uma faculdade bíblica de um ano em Lenox, Massachusetts, chamada Berkshire Institute for Christian Studies.[8] A Igreja Cristã Adventista Primitiva mais tarde se separou de algumas congregações na Virgínia Ocidental.

A Igreja Adventista do Sétimo Dia foi oficialmente formada em 1863. Ela acredita na santidade do sábado, o sétimo dia, como um dia santo para adoração. Ela publica o Adventist Review, que evoluiu de várias publicações iniciais da igreja. Publicações para jovens incluem KidsView, Guide e Insight. Ela cresceu para se tornar uma grande denominação mundial e possui uma significativa rede de instituições médicas e educacionais.

Miller não se juntou a nenhum dos movimentos e passou os últimos anos de sua vida trabalhando pela unidade, antes de morrer em 1849.

Doutrina editar

Apoiando-se em textos bíblicos, esse grupo de pessoas defende que o retorno glorioso de Jesus Cristo que se dará de maneira iminente. Sua atuação missionária tem por base a ordem de Cristo dada no mesmo evangelho no Mateus 28:19: "Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; ensinando-os a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos."

Há diversos grupos adventistas e com consequentes variações em certos pontos doutrinários peculiares. Muitos creem no estado de sono entre a morte e a ressurreição, outros incluem a guarda do sábado, regulação dietária, juízo investigativo, aniquilação dos pecadores e outras doutrinas baseadas em uma hermenêutica ora historicista, ora alegórica, da Bíblia.[9][10]

Classificação de grupos editar

Depois da Conferência de Albany em 1845, onde 61 delegados compareceram, foi organizada a Associação Milenial Americana (American Millennial Association). Todavia não foi possível uma concordância doutrinária e nos subsequentes anos foram formando denominações dissidentes da Associação Milenial Americana. Em sumário, esses grupos consistem dos seguintes movimentos:

Adventistas dominicais editar

  • Igreja Evangélica Adventista (Evangelical Adventist Church) - organizada em 1859[11], é a instituição herdeira da Associação Milenial Americana. Acredita na consciência da alma após a morte e que os justos ressucitarão primeiro, depois haverá um julgamento dos ímpios e a condenação desses no fogo eterno. Virtualmente extiguiu-se nos Estados Unidos depois de 1916.
  • Igreja Cristã do Advento (Advent Christian Church) - acredita na imortalidade condicional da alma e na aniquilação dos ímpios.
  • União do Advento e Vida (Life and Advent Union) - fundada por George Storrs em 1863, uniu-se com a Igreja Cristã do Advento em 1964.

Adventistas sabatistas ( igrejas ) editar

Estudantes da Bíblia [12][13] editar

 Ver artigo principal: Estudantes da Bíblia
  • Crentes do Novo Pacto (1909)
  • Testemunhas de Jeová (Associação Internacional dos Estudantes da Bíblia (ISBA - em inglês) antes de 1931)
  • Estudantes da Bíblia Associados (1917)
  • Instituto Bíblico Bereano (1917)
  • Sociedade do Anjo de Jeová de Bíblias e Tratados (1917)
  • Instituto Bíblico Pastoral (1918)
  • Movimento Missionário da Casa do Leigo (1918)
  • Associação dos Estudantes da Bíblia Intransigentes (1918)
  • Associação Cristã do Milénio (1928)
  • Associação dos Estudantes da Bíblia da Aurora (1932)
  • Associação dos Estudantes da Bíblia da Epifania
  • Igreja Milenial
  • Igreja do Reino de Deus

No início de seu desenvolvimento, o movimento dos Estudantes da Bíblia fundado por Charles Taze Russell tinha conexões estreitas com o movimento Millerita e defensores da fé Adventista, incluindo George Storrs e Joseph Seiss. Embora tanto os Testemunhas de Jeová quanto os Estudantes da Bíblia não se identifiquem como parte do movimento Adventista Millerita (ou de outras denominações, em geral), alguns teólogos categorizam esses grupos e seitas relacionadas como Adventistas Milleritas devido aos seus ensinamentos sobre a iminente Segunda Vinda e ao uso de datas específicas. Os vários grupos independentes de Estudantes da Bíblia atualmente têm uma membresia cumulativa de cerca de 20.000 pessoas em todo o mundo.[carece de fontes?] De acordo com a Sociedade Torre de Vigia, havia cerca de 8.7 milhões de Testemunhas de Jeová em todo o mundo em 2023.[14]

Outros [15] editar

Referências

  1. a b Morgan, Douglas. Adventism and the American Republic: The Public Involvement of a Major Apocalyptic Movement. University of Tennessee Press, 2001
  2. a b c "Adventist and Sabbatarian (Hebraic) Churches" section (p. 256–276) in Frank S. Mead, Samuel S. Hill and Craig D. Atwood, Handbook of Denominations in the United States, 12th edn. Nashville: Abingdon Press
  3. Tarling, Lowell R. (1981). "The Churches of God". The Edges of Seventh-day Adventism: A Study of Separatist Groups Emerging from the Seventh-day Adventist Church (1844–1980). Barragga Bay, Bermagui South, NSW: Galilee Publications.
  4. Maxwell, Mervyn - História do Adventismo, CPB
  5. Maxwell, Mervyn - Magnificent Disappointment : What Really Happened in 1844...and Its Meaning for Today, Adventist Book Center New Jersey
  6. Douglass, Herbert E. - A Mensageira do Senhor, CPB
  7. «Partial archives». Adventistarchives.org. Consultado em 26 de junho de 2013. Cópia arquivada em 5 de setembro de 2009 
  8. «Berkshire Institute for Christian Studies» 
  9. LaRondelle, Hans K. "The Historicist Method in Adventist Interpretation." Spes Christiana 21 (2010): 79-89.
  10. Arasola, Kai J. "The end of historicism. Millerite hermeneutic of time prophecies in the Old Testament." (1993): 0199-0199.
  11. Floyd Greenleaf, Richard W. Schwarz (2009). Portadores de Luz - História da Igreja Adventista do Sétimo Dia. [S.l.: s.n.] ISBN 9788589504157 
  12. Penton, James M. Apocalypse Delayed. Toronto, 1985
  13. White, Timothy White. A People for His Name: A History of Jehovah’s Witnesses and an Evaluation, Vintage Press, New York 1968
  14. «2023 Grand Totals». Watchtower Bible and Tract Society. 2023. Consultado em 24 de maio de 2024 
  15. MELTON, J. Gordon. Encyclopedia of American Religions.Thomson Gale: 7th edition, 2002
 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Adventismo

Bibliografia editar

  • Dick, Everett N. William Miller and the Advent Crisis, Berrien Springs: Andrews University Press, 1994.
  • Doan, Ruth Alden. The Miller Heresy, Millennialism, and American Culture, Philadelphia, PA: Temple University Press, 1987.
  • Frank S. Mead, Samuel S. Hill and Craig D. Atwood. "Adventist and Sabbatarian (Hebraic) Churches" section (p. 256–276) in Handbook of Denominations in the United States, 12th edn. Nashville: Abingdon Press
  • Melton, J.G. The Enciclopaedia of American Religions. California, 1996.