Igreja Ortodoxa Ucraniana (Patriarcado de Quieve)

O Patriarcado de Quieve (Kiev) é uma antiga parte da Igreja Ortodoxa Ucraniana secessionada da Igreja Ortodoxa Russa e não reconhecida por nenhuma jurisdição canônica da Igreja Ortodoxa. Desde 22 de outubro de 1995, seu primaz é Filareto I. Conta com 21 dioceses, 14 monastérios, 4 seminários e 1977 paróquias. Sua sé patriarcal está na Catedral de São Vladimir de Quieve, no centro de Quieve, antes sé do Metropolita de Quieve, primaz da Igreja Ortodoxa Ucraniana canônica. Em 1997, o Patriarcado de Moscou excomungou e laicizou todos os bispos, presbíteros e diáconos que compõem o autodenominando Patriarcado de Quieve. O Patriarcado Ecumênico condenou a atitude cismática.

Igreja Ortodoxa Ucraniana (Patriarcado de Quieve)
Ukrainian Orthodox Church emblem.png
O brasão.
Fundador Santo André (tradicional), São Vladimir, o Grande (de fato), Filareto de Quieve (instituição atual)
Independência 1685 (autonomia), 1921 (exarcado), 1992 (cisma), 2018 (Concílio de unificação), 2019 (restauração).
Reconhecimento Nenhum (declaração unilateral de autocefalia)
Primaz Patriarca Filareto de Quieve
Sede Primaz Quieve, Ucrânia
Território Ucrânia
Posses Rússia, Moldávia, Grécia, América do Norte, Austrália
Língua Língua eslava litúrgica, ucraniano
Adeptos 14,9% da população ucraniana[1]
Site www.cerkva.info


Catedral de São Vladimir, em Quieve

HistóriaEditar

A igreja se originou em 1992 como resultado de um cisma com a Igreja Ortodoxa Ucraniana, assim que seu locum, o Metropolita Filareto, decidiu converter sua Sé em uma igreja autocéfala. Por uma série de motivos, incluindo suas opiniões impopulares a respeito do monasticismo, a maioria dos bispos ucranianos não o apoiou, forçando-o a abdicar de sua posição e migrar para a Igreja Ortodoxa Autônoma Ucraniana, com o apoio do então presidente da Ucrânia Leonid Kravtchuk e de grupos como o UNA-UNSO, que em 2014 se uniria ao Pravyy Sektor.[2] A União entre o clero da Igreja Autônoma e os seguidores de Filareto, no entanto, se mostrou extremamente frágil, resultando que, após a morte do Patriarca Mistislau em 1993, a união se rompesse e o clero de Filareto formasse o Patriarcado de Quieve, cujo primaz foi o Patriarca Vladimir (Romaniuk) até a morte deste e a assunção de Filareto em 1995.

Discussão de canonicidadeEditar

Em 1997, a Igreja Ortodoxa Russa aplicou a sanção de excomunhão e laicização a todos os clérigos sob o Patriarcado de Quieve, resultando na sanção de que estes não celebram em nome da Igreja, não possuindo validade canônica, tampouco sucessão apostólica.

Em 27 de maio de 2004, o Santo Sínodo do Patriarcado Ecumênico de Constantinopla, incluindo seu primaz o Patriarca Bartolomeu, condenou a atitude cismática do Patriarcado de Quieve, em reação a notícias falsas de que Constantinopla teria concedido autonomia a Quieve, decretando que os dirigentes desta jurisdição estariam manipulando informações para se aproveitar da boa vontade dos fiéis ucranianos.[3]

Em 18 de março de 2015, o sínodo da Igreja Ortodoxa Polonesa tomou a decisão de fechar o Mosteiro de Santos Cirilo e Metódio, em Ujkowice, Przemyśl, por comungar clérigos do Patriarcado de Quieve.[4][5]

No encontro do Metropolita Metrófano de Lugansk e Alchevsk, chefe de relações eclesiais exteriores da Igreja Ortodoxa Ucraniana, com a delegação do Conselho Mundial de Igrejas, que teve lugar em 18 de março de 2015 no Mosteiro de Kiev-Petchersk, o Metropolita Genádio de Sásima e Capadócia Segunda, disse que a Igreja não chama o Patriarcado de Quieve de patriarcado, mas de cismáticos, pois não os reconhece.[6]

Em 11 de outubro de 2018 o Patriarcado Ecumênico de Constantinopla suspendeu a excomunhão que afligia a Igreja Ortodoxa Autocéfala Ucraniana e a Igreja Ortodoxa Ucraniana do Patriarcado de Quieve.[7][8]  Mais tarde foi esclarecido em 2 de novembro que o Patriarcado Ecumênico não reconhecia nem a Igreja Ortodoxa Autocéfala Ucraniana nem a Igreja Ortodoxa Ucraniana do Patriarcado de Quieve como legítimas e que seus respectivos líderes não eram reconhecidos como primazes de suas igrejas.[9][10]

Em 15 de dezembro de 2018, no Conselho de Unificação, a Igreja Ortodoxa Ucraniana do Patriarcado de Quieve e a Igreja Ortodoxa Autocéfala Ucraniana, junto com dois metropolitas da Igreja Ortodoxa Ucraniana do Patriarcado de Moscou, unificaram-se na Igreja Ortodoxa da Ucrânia.[11][12][13][14]

Após o concílio, Filareto Denisenko tornou-se o "patriarca honorário" da Igreja Ortodoxa da Ucrânia e servirá na Catedral de São Volodymyr[15][16][17][18]. Em 16 de dezembro de 2018, Filareto celebrou a Divina Liturgia em que ele usou o koukoulion (paramento dos patriarcas)[19]. Filareto declarou em sua homília, que ele ainda era patriarca: "O Patriarca permanece para a vida e, juntamente com o Primaz, governa a Igreja Ortodoxa Ucraniana"[20]. Após a Divina Liturgia, ele foi aclamado pelos hierarcas da igreja como "grande vladyka e pai Filareto, o mais sagrado patriarca de Quieve e toda a Ucrânia-Rus e arquimandrita sagrada da Santa Dormição da Lavra de Quieve-Pechersk".

Em 6 de janeiro de 2019, foi declarada a independência de Quieve em relação a Igreja Ortodoxa Russa após o Patriarca Ecumênico de Constantinopla assinar um Tomos (Decreto) concedendo autocefalia a Igreja Ortodoxa da Ucrânia.[7][21][22][23]

Status atualEditar

Em 20 de junho de 2019, Filareto Denisenko, o “Patriarca” de longa data do Patriarcado de Quieve e “Patriarca Honorário” da Igreja Ortodoxa da Ucrânia, realizou um Conselho Local da Igreja Ortodoxa Ucraniana do Patriarcado de Quieve na Catedral de São Vladimir em Quieve.

Filareto foi apoiado e acompanhado por três outros hierarcas que se juntaram à Igreja Ortodoxa da Ucrânia oriundos do Patriarcado de Quieve, todos de dioceses fora da Ucrânia. Os bispos foram acompanhados por vários clérigos, mais de 200 delegados e cerca de 50 convidados[24].

Os participantes do Conselho Local redigiram uma Resolução de 10 pontos, que foi publicada pelo site ucraniano Strana.ua. Em particular, o Conselho rejeita a extinção do Patriarcado de Quieve, o que, eles argumentam, portanto, invalida o “conselho de unificação” realizado em 15 de dezembro de 2018, e eles rejeitam os Tomos concedidos por Constantinopla à Igreja Ortodoxa da Ucrânia em 6 de janeiro de 2019[25].

A resolução foi aprovada por unanimidade pelo Conselho, bem como um discurso ao Presidente Vladimir Zelensky.

Finalmente, Filareto declarou que não há necessidade de se preocupar se o Patriarcado de Quieve não for reconhecido. “Não precisamos que a igreja seja reconhecida, mas que seja santa e apostólica”, disse ele.[26]

Insatisfeito com a autocefalia parcial concedida por Constantinopla[23], Filareto deixou a Igreja Ortodoxa da Ucrânia para reviver o Patriarcado de Quieve. Desde então, ele tem consagrado ativamente novos bispos para seu grupo, enquanto o Sínodo da Igreja Ortodoxa da Ucrânia continuou a insistir que ele ainda era um membro de seu grupo.

No entanto, em 4 de fevereiro de 2020, a Igreja Ortodoxa da Ucrânia finalmente decidiu removê-lo como membro do Sínodo e enviá-lo para a aposentadoria.[27]

Em 17 de dezembro de 2020, Filareto e outros consagraram seu 12º hierarca, Mikhail Kovalyuk de Kherson, ex-membro da Igreja ortodoxa da Ucrânia. Kovalyuk foi eleito ao episcopado em 12 de dezembro de 2020, quando um Conselho do Patriarcado de Quieve também criou a diocese que ele agora lidera.[28]

Referências

  1. «Віруючим якої церкви, конфесії Ви себе вважаєте?» [A qual grupo religioso você pertence?] (em ucraniano). Centro Razumkov. 2006. Consultado em 24 de outubro de 2016. Arquivado do original em 8 de abril de 2014 
  2. «Russia launches criminal case against Ukraine's Tiahnybok». Interfax-Ukraine. Consultado em 30 de outubro de 2014  (em inglês)
  3. "Πατριαρχικόν Γράμμα πρός τόν Μακ. Πατριάρχην Μόσχας καί πάσης Ρωσσίας κύριον Ἀλέξιον διά τά ἐν Οὐκρανίᾳ ἐκκλησιαστικά πράγματα (27/05/2004)." - Decisão sinodal do Patriarcado Ecumênico (em grego)
  4. Comunicado da Metrópole de Varsóvia e de Toda a Polônia, 18/3/2015 (em polonês)
  5. В Польше из-за сослужения с киевскими раскольниками закрыли монастырь св. Кирилла и Мефодия (em russo)
  6. Митрополит Константинопольской Церкви: Мы не называем их «киевским патриархатом». Они раскольники (em russo)
  7. a b https://brasil.elpais.com/brasil/2019/01/05/internacional/1546690286_845318.html (em português)
  8. «Οικουμενικό Πατριαρχείο» (em grego). Consultado em 20 de dezembro de 2020 
  9. «Константинополь: "Надеемся, Москва обратится к разуму". Подробности беседы». BBC News Русская служба (em russo). 2 de novembro de 2018. Consultado em 20 de dezembro de 2020 
  10. «BBC interview with Archbishop Job of Telmessos on the Ukrainian question». Orthodoxie.com (em inglês). 6 de novembro de 2018. Consultado em 20 de dezembro de 2020 
  11. «Православна церква України буде автокефальною - статут (повний текст документу)». РБК-Украина (em russo). Consultado em 20 de dezembro de 2020 
  12. «СМИ обнародовали проект устава ПЦУ, принятый на «объединительном Соборе»». spzh.news (em russo). Consultado em 20 de dezembro de 2020 
  13. «Порошенко: Ми недооцінили вплив РПЦ на дочірні структури». Українська правда (em ucraniano). Consultado em 20 de dezembro de 2020 
  14. «В Киеве создана независимая православная церковь. Ее главой избран 39-летний митрополит Епифаний». BBC News Русская служба (em russo). Consultado em 20 de dezembro de 2020 
  15. «Филарет стал почетным патриархом Православной церкви Украины». РБК-Украина (em russo). Consultado em 20 de dezembro de 2020 
  16. «Ексклюзивне інтерв'ю митрополита Епіфанія на телеканалі "Прямий" - 29.12.18 Прямий». prm.ua (em ucraniano). Consultado em 20 de dezembro de 2020 
  17. «Ексклюзивне інтерв'ю з митрополитом Київським і всієї України Епіфанієм - YouTube». www.youtube.com. Consultado em 20 de dezembro de 2020 
  18. «Томос, Епіфаній - Про процедуру надання Томосу, Софію Київську та переходи до Православної церкви України - Епіфаній у ексклюзивному інтерв'ю "Прямому"». prm.ua (em ucraniano). Consultado em 20 de dezembro de 2020 
  19. «Η εκλογή, ο επίτιμος Πατριάρχης και τα νομοσχέδια». ROMFEA (em grego). Consultado em 20 de dezembro de 2020 
  20. «Filaret: I will be at heads of OCU together with Epiphany». spzh.news (em inglês). Consultado em 20 de dezembro de 2020 
  21. «Patriarch Bartholomew formally grants tomos of autocephaly to Ukrainian schismatic church». OrthoChristian.Com. Consultado em 20 de dezembro de 2020 
  22. «Patriarchate of Constantinople publishes full text of Ukrainian tomos». OrthoChristian.Com. Consultado em 20 de dezembro de 2020 
  23. a b «The Tomos for Ukraine: What's Typical and What's Specific. Vladimir Burega». OrthoChristian.Com. Consultado em 20 de dezembro de 2020 
  24. «Philaret's Kiev Patriarchate Local Council underway with support of 3 other bishops, OCU hosting rival forum». OrthoChristian.Com. Consultado em 20 de dezembro de 2020 
  25. «В Киеве на поместном соборе восстановили Киевский патриархат. Как это было». strana.ua (em russo). Consultado em 20 de dezembro de 2020 
  26. «Results of Philaret's council: unification council and tomos rejected, KP is restored, 2 new bishops elected, claims jurisdiction over monastery where Epiphany Dumenko serves». OrthoChristian.Com. Consultado em 20 de dezembro de 2020 
  27. «Schismatic Synod retires "Patriarch" Philaret, forbids him to ordain, continues to consider him member of their group». OrthoChristian.Com. Consultado em 20 de dezembro de 2020 
  28. «OCU continues to lose clergy to Philaret Denisenko, who has growing sympathy of OCU bishops». OrthoChristian.Com. Consultado em 20 de dezembro de 2020 

Ver tambémEditar