Abrir menu principal

Igreja Presbiteriana Viva

Denominação religiosa

A Igreja Presbiteriana Viva é uma igreja cristã protestante restauracionista, trinitariana, não-sabatista, continuísta, sido criada em 1993, em Volta Redonda, no Rio de Janeiro,[6][7]. A Igreja Presbiteriana Viva adota o governo episcopal, ou seja, tem no Bispo a autoridade máxima exercida dentro da igreja, reconhecendo que o título de Apóstolo restringiu-se apenas a era apóstolica, com o objetivo de formar e edificar a Igreja primitiva. A igreja tem como visão que todo o mundo seja discipulado, gerando em cada cristão o compromisso de ser um discípulo de Jesus. Tendo como missão Salvar, Consolidar, Edificar, Treinar e Enviar pessoas para o Reino de Deus. Se estendendo esse cuidado e pastoreio através de reuniões nos lares, que chamamos de células (pequenos grupos de comunhão e estudo bíblico). Contando hoje com mais de 130 congregações espalhadas por todo o Brasil e também em toda a América do Sul, Península Ibérica, Níger e Estados Unidos[5].

Igreja Presbiteriana Viva
{{{imagealttext}}}
Classificação Protestante
Orientação Episcopal Pentecostal
Líder Bispo José Elias[1]
Área geográfica Brasil, Argentina, Níger, Equador, Bolívia, Portugal, Espanha[2] e nos Estados Unidos[3][4]
Origem 1993 (26 anos)
Volta Redonda, Rio de Janeiro
Congregações 130[5]
Site oficial chamaviva.com.br/new/

Índice

HistóriaEditar

A Igreja Presbiteriana Viva nasceu no dia 05 de dezembro de 1993. Alguns irmãos se reuniram pela primeira vez no Colégio Themis (VR) com o firme propósito de ser mais uma agência de salvação. Os irmãos (Márcio Bueno, Daniel Vicente, Hélia e sua filha Gabriela; Nilson Júnior, Lília e seu filho Tiago; Cláudio, Cely e o filho Cláudio Júnior e a irmã Maria Aparecida Gaudêncio), desejosos de servir a Deus com integridade e liberdade no Espírito Santo deram início a esta História. Pedimos filiação à amada Igreja Presbiteriana Independente do Brasil que nos acolheu na pessoa do Pr. Nicodemo Boldori e seu Conselho. Por sete anos estivemos ligados em amor e fidelidade.

No ano 2000 Deus direcionou a Igreja para formar Administração própria. Deixamo-los debaixo da bênção da nossa liderança e iniciamos a Igreja Presbiteriana Viva em julho de 2000. Atualmente, para glória do Senhor Jesus Cristo temos mais de 130 Igrejas, no Brasil e fora dele, dezenas de pastores, missionários, presbíteros e diáconos. Deus nos deu privilégios e responsabilidades, têm sido fiel todos estes anos e hoje somos milhares de membros e Deus tem promessa de mais. Sentimo-nos responsáveis pelos perdidos, pelos desviados e pelos vocacionados por Deus para Sua obra.

A IPV tem o desejo de ser “Viva”, por isso se envolveu com Missões, com Evangelismo, com oração, com Ensino, com obra social, mas a essência de tudo é Adorar a Deus. Amar Deus sobre tudo e ao ser humano criado por Ele.

Esta é uma Igreja muito especial, um povo que ama, que trabalha muito, que tem um coração aberto para dar, por isso, tantos milagres. Toda glória seja ao Senhor Jesus Cristo, mas são dignos de honra os que ouviram a voz de Deus para iniciar esta obra e todos os que vieram para somar e realizar o sonho de Deus:Uma Igreja Viva.

Deus tem uma direção para nós como IPV. Precisamos compreender qual é esse chamado e trabalhar para que o Senhor cumpra tudo o que Ele prometeu para nós. Precisamos trabalhar em unidade, com um único propósito, uma única direção (Mateus 12:25). Abaixo segue, para nossa orientação, uma compilação de tudo aquilo que Deus tem colocado no coração do Bispo José Elias.

DoutrinaEditar

As crenças da igreja pode ser dividida em 14 tópicos:

1. Em um único Deus, eternamente subsistente em três Pessoas: Pai, Filho e Espírito Santo. (Dt. 6.4; Mt. 28.19; Mc. 12.29)

2. Na inspiração Divina das Sagradas Escrituras, a qual é inerrante nas línguas originais e infalível única regra de fé normativa para vida e caráter cristão. (II Tm. 3.14 -17)

3. Na natureza pecaminosa de todos os homens, que os destitui da glória de Deus e que somente o arrependimento e a fé na obra expiatória e redentora de Jesus Cristo o pode restaurar e levá-lo de volta a comunhão com Deus. (Rm. 3.23; At. 3.19)

4. No nascimento virginal de Jesus Cristo, em sua morte vicária e expiatória, em sua ressurreição corporal e em sua ascensão aos céus em corpo glorificado. (Is. 7.14; Rm. 8.34; At. 1.9)

5. Na necessidade absoluta do novo nascimento pela fé em Cristo e pelo poder atuante do Espírito Santo e da Palavra de Deus, tornando o homem digno do Reino dos Céus. (Rm. 3.23; At. 3.19)

6. No perdão dos pecados, na salvação presente e perfeita e na eterna justificação da alma recebidos gratuitamente de Deus pela fé no sacrifício efetuado por Jesus em nosso favor. (At. 10.43; Rm. 10. 13; 3.24-26; Hb. 7.25; 5.9)

7. No batismo bíblico em suas três formas de aplicação, imersão, aspersão e afusão, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, conforme ensinou Jesus Cristo e em uma só vez, sendo comumente por nós praticado o batismo por imersão. (Mt. 28.19; Jo. 3.23; Rm. 6.1; Cl. 2.12)

8. Na necessidade e na possibilidade que temos de viver uma vida santa mediante a obra expiatória e redentora de Jesus no calvário, através do poder regenerador, inspirador e santificador do Espírito Santo, e nos capacita a viver como fiéis testemunhas do poder de Cristo. (Hb. 12.14; 9. 14; I Pe. 1.15,16)

9. No batismo com Espírito Santo que nos é dado por intermédio de Cristo, como evidência clara, conforme a Sua vontade, de que tal aconteceu: Línguas estranhas ou dons espirituais. (At. 1.5; 2.4; 10.44-46; 19.6)

10. Na necessidade de permanecermos cheios do Espírito Santo, o que é reconhecido pelos frutos. (Ef. 5.18; Gl. 5.22: Mt. 7.20)

11. Na atualidade dos dons espirituais distribuídos pelo Espírito Santo à Igreja, para sua edificação, conforme a Sua soberana vontade, diferenciados em operações, ministérios e dons espirituais. (I Co. 12. 1-12; Rm. 12. 3-8; Ef. 4.11)

12. Na segunda vinda pré- milenial de Cristo, em duas fases distintas: Primeira – invisível ao mundo, para arrebatar Sua Igreja fiel na terra antes da grande tribulação, e, segundo – visível e corporal, para reinar sobre o mundo durante mil anos, com o Seu Israel. (I Ts. 4.16,17; I Co. 15.51-54; Ap. 20.4; Zc. 14.5; Jd. 14)

13. Que todos os cristão compareceremos ante o tribunal de Cristo, para recebermos a recompensa dos nossos feitos em favor da causa de Cristo na terra. (II Co. 5.10)

14. No juízo final que separará os fiéis e condenará os infiéis e na vida eterna de gozo e felicidade para os fiéis e de tristeza e tormento eterno para os infiéis. (Ap. 20. 11-15; Mt. 25.46).

Expansão mundialEditar

A igreja tem congregações em 13 estados brasileiros, no Níger, Equador, Argentina, Bolívia, Portugal, Espanha e nos Estados Unidos.Desenvolvendo um trabalho de implantação de igrejas em diferentes países, com o desejo de expandir o Reino de Deus. A igreja também tornou-se conhecida por ter igrejas atacadas durante revolta no Níger, porém relatou em 2015 que todos os seus membros no país estão seguros.[2][8][9][10][11][12] A IPV possui um seminário, o Seminário Teológico Kairós.[13]

Ver tambémEditar

Referências

Ligações ExternasEditar