Abrir menu principal
Lutherrose.svg
Suécia
Catedral de Lund
Luteranos 5.899.242
Sede Catedral de Upsália
Origem século XVI
Paróquias 1.467
Número de igrejas 3.379[1]
Bispos 13
Presidente Arcebispa Antje Jackelén
Catedrais 13

A Igreja da Suécia (em sueco: Svenska kyrkan) é uma igreja luterana,[2][3] que abandonou os dogmas da Igreja Católica Romana, ao aderir aos postulados da Reforma Protestante, por decisão na cidade de Vesteros no ano de 1527.[4] Foi ligada ao estado de 1536 a 2000.[5]

Até 1999 era uma igreja de estado (statskyrka), subordinada ao Governo da Suécia. Em 2000 passou a ser autónoma em relação ao estado, embora regulada pela Lei da Igreja da Suécia (SFS 1998:1591), pela qual tem de seguir a fé evangélica-luterana, ser democrática e abranger todo o território da Suécia.[6][7]

Em 2000, quando se separou do estado, tinha como membros 83% da população sueca. Em 2018, tem 57,7%.[8]

Atualmente tem 5,9 milhões de membros, fazendo parte da Federação Luterana Mundial.[9] Aceita a ordenação feminina desde 1958, e consequentemente há inúmeras mulheres-padres, algumas bispas, e desde 2013 uma arcebispa - Antje Jackelén. Dado o caráter controverso da questão, tem havido deserções internas de membros descontentes com esta opção.[10]

O arcebispo da Igreja da Suécia reside em Upsália, desde 1164.[11]

Índice

DiocesesEditar

A Suécia está dividida em 13 dioceses (stift), cada uma dirigida por um bispo. A Arquidiocese de Upsália é a sede da Igreja da Suécia, tendo o seu bispo o título de Arcebispo de Upsália.[12][13]

Dioceses Brasão e nome sueco Sede episcopal
Arquidiocese de Upsália   Uppsala ärkestift Upsália
Diocese de Lincopinga   Linköpings stift Lincopinga
Diocese de Escara   Skara stift Escara
Diocese de Estregnésia   Strängnäs stift Estregnésia
Diocese de Vesteros   Västerås stift Vesteros
Diocese de Vexiônia   Växjö stift Vexiônia
Diocese de Lunda   Lunds stift Lunda
Diocese de Gotemburgo   Göteborgs stift Gotemburgo
Diocese de Carlostádio   Karlstads stift Carlostádio
Diocese de Hernosândia   Härnösands stift Hernosândia
Diocese de Lula   Luleå stift Lula
Diocese de Vísbia   Visby stift Vísbia
Diocese de Estocolmo   Stockholms stift Estocolmo

HistóriaEditar

Pouco depois de tomar o poder em 1523, Gustavo Vasa dirigiu-se ao papa em Roma com um pedido de confirmação de Johannes Magnus como arcebispo da Suécia , no lugar de Gustavo Trolle, que havia sido formalmente deposto e exilado pelo Riksdag dos Estados.

Gustavo prometeu ser um filho obediente da Igreja, se o papa confirmasse as eleições de seus bispos. Mas o papa solicitou que o Trolle fosse reinstalado. O rei Gustavo protestou promovendo os reformadores suecos, os irmãos Olaus e Laurentius Petri, e Laurentius Andreae. O rei apoiou a impressão de textos de reforma, com os irmãos Petri como os principais instrutores dos textos. Em 1526, todas as gráficas católicas foram suprimidas, e dois terços dos dízimos da Igreja foram apropriados para o pagamento da dívida nacional. Uma violação final foi feita com as tradições da antiga religião no Riksdag chamado pelo rei em Vesteros em 1544.[14]

Outras mudanças da reforma incluíram a abolição de alguns rituais católicos. No entanto, as mudanças não foram tão drásticas quanto na Alemanha ; em muitas igrejas suecas ainda hoje existem artefatos da época católica, como cruzes , crucifixos e ícones. E muitos dias santos, baseados nos dias santos , não foram removidos do calendário até o final do século XVIII devido à forte resistência da população.

Após a morte de Gustavo Vasa, a Suécia foi governada por um rei com tendências católicas, João III , e outro abertamente católico, o filho de João, Sigismundo , que também era governante da Polônia católica, mas acabou sendo deposto do trono sueco por seu tio. Este último, que aderiu ao trono como Carlos IX, usou a igreja luterana como um instrumento em sua luta pelo poder contra seu sobrinho, mas sabe-se que teve tendências calvinistas.

Durante a era seguinte à Reforma Protestante , geralmente conhecida como o período da Ortodoxia Luterana , pequenos grupos de não-luteranos, especialmente holandeses calvinistas , a Igreja da Morávia e imigrantes valões do sul da Holanda , desempenharam um papel significativo no comércio e na indústria, e foram tolerado silenciosamente, desde que mantivessem um perfil baixo.

OrganizaçãoEditar

 
A Casa da Igreja (Kyrkans Hus) em Upsália, onde está instalada a Chancelaria da Igreja da Suécia. Ao fundo está a Catedral de Upsália

A Igreja da Suécia é dividida em treze dioceses , cada uma com um bispo e catedral. Um bispo é eleito por sacerdotes, diáconos e alguns leigos na diocese e é o presidente da catedral. Os membros sacerdotes e diáconos da catedral são eleitos pelos sacerdotes e diáconos da diocese e seus membros leigos pelo stiftsfullmäktige , um corpo eleito pelos membros da igreja. [15]

Uma diocese é dividida em "contratos" kontrakt (deaneries), cada um com um deão rural (em sueco: kontraktsprost), como o líder. Decanatos com uma catedral diocesana são chamados de domprosteri. Provedores titulares também podem ser nomeados, em sueco, chamado prost ou titulärprost. O reitor e ministro chefe de uma catedral é chamado domprost , "reitor da catedral" ou "reitor da catedral", e é um membro do capítulo da catedral como seu vice-presidente. [16]

No nível da paróquia , uma paróquia é chamada de församling. [15] Um termo mais arcaico para uma paróquia em sueco é o socken , usado tanto no registro quanto na administração da igreja. Após as reformas municipais em 1862, este último uso foi oficialmente substituído por församling , um termo que significa "congregação", originalmente e ainda usado para as congregações luteranas territoriais e não-territoriais nas cidades e também para outras congregações religiosas. Uma ou várias paróquias estão incluídas em algo chamado pastoral [15] com um ministro chefe ou vigário chamado kyrkoherde [16](literalmente "pastor da igreja") e às vezes outros sacerdotes assistentes chamados komminister ( ministro ). Em uma catedral, um ministro assistente é chamado domkyrkosyssloman.

Além das 13 dioceses, a Igreja da Suécia no Exterior ( sueca : Svenska kyrkan i utlandet - SKUT) mantém mais de 40 paróquias no exterior. Originalmente uma coleção de igrejas no exterior sob a direção de um comitê do Sínodo Geral , o SKUT foi reformado a partir de 1º de janeiro de 2012 com uma estrutura quase diocesana. Sob esta remodelação ganhou um Conselho de governo, cadeiras constituintes no Sínodo Geral da Igreja da Suécia (como as 13 dioceses do continente) e pela primeira vez diáconos em tempo integral para fornecer um programa de bem-estar social ao lado do trabalho dos sacerdotes e trabalhadores leigos. [17]: 20 No entanto, SKUT não tem seu próprio bispo, e é colocado sob a supervisão episcopal do Bispo de Vísbia.

 
Mapa das Dioceses Luteranas da Suécia
Diocese Cidade Catedral Fundado Bispo
Arquidiocese de Upsália Upsália Catedral de Upsália 1123 Arcebispo

Ragnar Persênio

Diocese de Lincopinga Lincopinga Catedral de Linköping século XII Martin Modéus
Diocese de Escara Escara Catedral de Escara 1014 Åke Bonnier
Diocese de Estregnésia Estregnésia Catedral de Estregnésia 1129 Johan Dalman
Diocese de Vesteros Vesteros Catedral de Vesteros século XII Mikael Mogren
Diocese de Växjö Vexiônia Catedral de Växjö 1165 Fredrik Modéus
Diocese de Lunda Lunda Catedral de Lunda 1048 Johan Tyrberg
Diocese de Gotemburgo Gotemburgo Catedral de Gotemburgo 1620 Susanne Rappmann
Diocese de Carlostádio Carlostádio Catedral de Karlstad 1581 Sören Dalevi
Diocese de Hernosândia Hernosândia Catedral de Hernosândia 1647 Eva Nordung Byström
Diocese de Lula Lula Catedral de Lula 1904 Åsa Nyström
Diocese de Vísbia Vísbia Catedral de Vísbia 1572 Rev. Thomas Petersson
Diocese de Estocolmo Estocolmo Catedral de Estocolmo 1942 Eva Brunne

A Igreja da Suécia está organizada, e é gerida de forma democrática.[18] Através de eleições eclesiásticas, os membros, com mais de 16 anos, elegem de quatro em quatro anos as Assembleias das Paróquias, as Assembleias das Dioceses e a Assembleia da Igreja da Suécia.[19][20]

Nível local – Paróquia (församling)Editar

Os membros locais de cada uma das 1364 paróquias [21] elegem uma Assembleia da Paróquia (Kyrkofullmäktige), que por sua vez designa um Conselho da Paróquia (Kyrkoråd). [22] Este Conselho de Paróquia elabora um orçamento, que depois é submetido à aprovação da Assembleia de Paróquia.

Nível regional – Diocese (stift)Editar

Os membros de cada uma das 13 dioceses elegem uma Assembleia da Diocese (Stiftsfullmäktige), com 81 representantes, que designa um Conselho da Diocese (Stiftsstyrelse), com o respetivo Bispo como presidente.

Nível nacional – Igreja nacional (rikskyrka)Editar

Os membros da Igreja da Suécia elegem uma Assembleia da Igreja da Suécia (Kyrkomötet), com 251 representantes, que designa um Conselho da Igreja da Suécia (Kyrkostyrelsen).[23] A Chancelaria da Igreja da Suécia (Kyrkokansliet) está localizada na cidade de Upsália.

Referências

  1. .https://www.svenskakyrkan.se/statistik
  2. Gunnar Samuelsson e Per-Olov Ahrén. «Igreja da Suécia» (em sueco). Enciclopédia Nacional Sueca. Consultado em 6 de janeiro de 2013 
  3. Miranda, Ulrika Junker; Anne Hallberg (2007). «Svenska kyrkan». Bonniers uppslagsbok (em sueco). Estocolmo: Albert Bonniers Förlag. p. 973. 1143 páginas. ISBN 91-0-011462-6 
  4. «Igreja da Suécia» (em sueco). Enciclopédia Nacional Sueca. Consultado em 6 de janeiro de 2013 
  5. «Sverige: Svenska kyrkan» (em norueguês). Grande Enciclopédia Norueguesa. Consultado em 6 de janeiro de 2013 
  6. Magnusson, Thomas; et al. (2004). «Svenska kyrkan». Vad varje svensk bör veta (em sueco). Estocolmo: Albert Bonniers Förlag e Publisher Produktion AB. p. 133. 654 páginas. ISBN 91-0-010680-1 
  7. «Lag (1998:1591) om Svenska kyrkan» (em sueco). Parlamento sueco (Sveriges Riksdag). Consultado em 13 de fevereiro de 2016 
  8. Church of Sweden: Svenska kyrkans medlemsutveckling år 1972–2018 Svenska kyrkan
  9. «Member Churches» (em sueco). The Lutheran World Federation. Consultado em 6 de janeiro de 2013. Arquivado do original em 4 de janeiro de 2011 
  10. Sören Wibeck. «Kvinnliga präster 1958 – ett omstritt beslut» (em sueco). Populär historia, 2/2008. Consultado em 21 de fevereiro de 2016 
  11. «Church of Sweden» (em inglês). Enciclopédia Britânica 
  12. «Church of Sweden» (em inglês). Enciclopédia Britânica 
  13. Miranda, Ulrika Junker; Anne Hallberg (2007). «Stift». Bonniers uppslagsbok (em sueco). Estocolmo: Albert Bonniers Förlag. p. 944. 1143 páginas. ISBN 91-0-011462-6 
  14. Fernandes, Raul Cesar Gouveia. «Crônica de D. Duardos (primeira parte) cód. BNL 12904: edição e estudo» 
  15. a b c «Kyrkoordningen». www.svenskakyrkan.se. Consultado em 17 de agosto de 2018 
  16. a b «Kyrkoordningen». www.svenskakyrkan.se. Consultado em 17 de agosto de 2018 
  17. Straarup, Jørgen (20 de novembro de 2015). «Svenska kyrkan efter millennieskiftet». Religionsvidenskabeligt Tidsskrift (62). 153 páginas. ISSN 1904-8181. doi:10.7146/rt.v0i62.22575 
  18. «Så styrs Svenska kyrkan» (em sueco). Svenska kyrkan 
  19. «Eleições eclesiásticas» (em sueco). Igreja da Suécia 
  20. Allan Hofgren (1990). «Svenska kyrkan». Svenska trossamfund (em sueco). Upsália: EFS-förlaget. 183 páginas. ISBN 91-7080-888-0 
  21. «Församlingar i alfabetisk ordning 2014-01-01» (PDF) (em sueco). Instituto Nacional de Estatística da Suécia. Consultado em 13 de dezembro de 2014 
  22. «Kyrkoråd» (em sueco). Enciclopédia Nacional Sueca 
  23. «Kyrkomötet» (em sueco). Enciclopédia Nacional Sueca 

Ligações externasEditar