Igreja de crentes

A igreja de crentes é uma doutrina teológica do cristianismo evangélico que ensina que alguém se torna um membro da Igreja por novo nascimento e profissão de fé. A adesão a essa doutrina é uma característica comum da definição de uma igreja evangélica.

HistóriaEditar

Esta doutrina tem sua origem na Reforma Radical dentro do anabatismo.[1] A Confissão de Schleitheim, publicado em 1527 pelos irmãos suíços, um grupo de anabatistas, incluindo Michael Sattler, em Schleitheim é uma publicação que difundiu esta doutrina.[2][3] Nesta confissão, o batismo do crente depois de uma profissão de fé é colocado como um fundamento teológico essencial.[4] Em 1644, a Confissão de Fé Batista de 1644 publicada pelas Igrejas Batistas fará o mesmo.[5] Em 1916, a Declaração de Verdades Fundamentais das Assembleias de Deus publicada pelas igrejas pentecostais também bem como as igrejas do movimento neo-carismático.[6][7] [8][9] Em 1967, a Conferência da Igreja de crentes (Believers' Church Conference) é estabelecida no Seminário Teológico Batista do Sul, em Louisville, nos Estados Unidos, e será realizada a cada 2 ou 3 anos em um instituto Bíblico evangélico diferente.[10][11]

A adesão à doutrina da Igreja de crentes é uma característica comum da definição de uma igreja evangélica no sentido específico.[12][13]

DoutrinaEditar

A característica definidora é amplamente aceita que o historiador americano Donald Durnbaugh, resumindo a doutrina da Igreja de crentes em 7 pontos[14][15][16][17][18][19][20]:

  1. Adesão voluntária na igreja. Torna-se um membro da Igreja por novo nascimento e profissão de fé. O batismo, para os crentes adolescentes ou adultos (batismo do crente), é um símbolo desse compromisso.
  2. A Igreja é uma comunidade fraterna de ajuda mútua e edificação.
  3. A caridade e o serviço na igreja são uma expressão de uma vida cristã saudável.
  4. O Espírito Santo e a Bíblia são as únicas bases de autoridade na Igreja. Algumas tradições religiosas não-bíblicas devem ser rejeitadas. Os membros que se desviam da confissão de fé da Igreja e não desejam se arrepender devem ter uma excomunhão da comunidade.
  5. Disposição para retornar aos fundamentos da Igreja primitiva.
  6. Uma estrutura simples da Igreja.
  7. Fé na Igreja como o corpo de Cristo.

A doutrina da igreja de crentes não deve ser confundida com a igreja livre, que é um conceito que designa as igrejas separadas dos estados.[21][22] Certas denominações cristãs que podem ser identificadas no movimento da igreja livre não aderem à doutrina da igreja de crentes.[23][24][25]

Principais movimentos aderentesEditar

Apesar das nuances nos vários movimentos evangélicos, existe um conjunto semelhante de crenças para movimentos aderentes à doutrina da Igreja de crentes, sendo os principais Anabatismo, Igreja Batista e Pentecostalismo.[26][27][28][29][30][31]

Ver tambémEditar

BibliografiaEditar

  • Barry L. Callen, Radical Christianity: The Believers Church Tradition in Christianity's History and Future, Evangel Publishing House, Kenya, 1999

ReferênciasEditar

  1. Sébastien Fath, Du ghetto au réseau: Le protestantisme évangélique en France, 1800-2005, Édition Labor et Fides, França, 2005, p. 378
  2. J. Philip Wogaman, Douglas M. Strong, Readings in Christian Ethics: A Historical Sourcebook, Westminster John Knox Press, USA, 1996, p. 141
  3. Donald F. Durnbaugh, The Believers' Church: The History and Character of Radical Protestantism, Wipf and Stock Publishers, USA, 2003, p. 65, 73
  4. William H. Brackney, Historical Dictionary of the Baptists, Editions Scarecrow Press, Canada, 2009, p. 21
  5. Michael Edward Williams, Walter B. Shurden, Turning Points in Baptist History, Mercer University Press, USA, 2008, p. 17
  6. Douglas Jacobsen, Thinking in the Spirit: Theologies of the Early Pentecostal Movement, Indiana University Press, USA, 2003, p. 195
  7. John H. Y. Briggs, A Dictionary of European Baptist Life and Thought, Wipf and Stock Publishers, USA, 2009, p. 322
  8. Keith Warrington, Pentecostal Theology: A Theology of Encounter, A&C Black, UK, 2008, p. 164
  9. Roger E. Olson, The Westminster Handbook to Evangelical Theology, Westminster John Knox Press, USA, 2004, p. 259
  10. James Leo Garrett, Baptist Theology: A Four-century Study, Mercer University Press, USA, 2009, p. 534
  11. Paul Basden, David S. Dockery, The People of God: Essays on the Believers' Church, Wipf and Stock Publishers, USA, 2009, p. 333
  12. Religioscope, Sébastien Fath, À propos de l’évangélisme et des Églises évangéliques en France – Entretien avec Sébastien Fath, religion.info, França, 3 de março de 2002
  13. Donald W. Dayton, The Variety of American Evangelicalism, Univ. of Tennessee Press, USA, 2001, p. 155
  14. Philip LeMasters, Discipleship Between Creation and Redemption: Toward a Believers' Church Social Ethic, University Press of America, USA, 1997, p. 2
  15. William H. Brackney, Historical Dictionary of the Baptists, Editions Scarecrow Press, Canada, 2009, p. 86-87
  16. George Thomas Kurian, Mark A. Lamport, Encyclopedia of Christianity in the United States, Volume 5, Rowman & Littlefield, USA, 2016, p. 222
  17. Howard A. Snyder, Signs of the Spirit: How God Reshapes the Church, Wipf and Stock Publishers, USA, 1997, p. 40-41
  18. William H. Brackney, Historical Dictionary of Radical Christianity, Scarecrow Press, USA, 2012, p. 51
  19. Sébastien Fath, Du ghetto au réseau: Le protestantisme évangélique en France, 1800-2005, Édition Labor et Fides, France, 2005, p. 366, 378
  20. Donald M. Lewis, Richard V. Pierard, Global Evangelicalism: Theology, History & Culture in Regional Perspective, InterVarsity Press, USA, 2014, p. 297
  21. Donald F. Durnbaugh, The Believers' Church: The History and Character of Radical Protestantism, Wipf and Stock Publishers, USA, 2003, p. 8
  22. John Howard Yoder, Theology of Mission: A Believers Church Perspective, InterVarsity Press, USA, 2014, p. 147
  23. George Thomas Kurian, Mark A. Lamport, Encyclopedia of Christianity in the United States, Volume 5, Rowman & Littlefield, USA, 2016, p. 222-223
  24. Donald F. Durnbaugh, The Believers' Church: The History and Character of Radical Protestantism, Wipf and Stock Publishers, USA, 2003, p. 4-5
  25. John Howard Yoder, Theology of Mission: A Believers Church Perspective, InterVarsity Press, USA, 2014, p. 148
  26. William H. Brackney, Historical Dictionary of the Baptists, Scarecrow Press, USA, 2009, p. 87 : Tradução: "A partir do século 16, aqueles no círculo próximo das igreja de crentes incluem os Menonitas, Irmãos, Batistas, Amish e Huteritas, para citar as principais subcategorias. No desenvolvimento mais moderno, (...) como os Pentecostais, podem se considerar igrejas de crentes por esta definição. " Texto original em inglês: "From the 16th century, those in the close circle of the believer's churches include the Mennonites, Brethren, Baptists, Amish, and Hutterites, to name the major subcategories. In more modern development, (…) such as the Pentecostals, may consider themselves believer's churches by this definition."
  27. Darren T. Duerksen, William A. Dyrness, Seeking Church: Emerging Witnesses to the Kingdom, InterVarsity Press, USA, 2019, p. 45 : Tradução: "A Igreja de crentes: Conforme nos voltamos para a “Reforma radical” ou movimento Anabatista (...) amplamente visto em várias igrejas Batistas, Pentecostais, comunitárias e independentes." Texto original em inglês: "The Believer's Church: As we turn to the early “radical Reformation” or Anabaptist movement (…) widely seen in various Baptist, Pentecostal, community, and independent churches."
  28. Michel Deneken, Francis Messner, Frank Alvarez-Pereyre, La théologie à l'Université: statut, programmes et évolutions, Editions Labor et Fides, France, 2009, p. 64 : Tradução: “Ensino em estabelecimentos evangélicos: (...) igrejas evangélicas que gostam de se apresentar como 'Igrejas de crentes', cujos membros são cristãos convictos e comprometidos”. Texto original em francês : "L’enseignement dans les établissements évangéliques : (…) les églises évangéliques aimant à se présenter comme des « Églises de professants », dont les membres sont des chrétiens convaincus et engagés."
  29. Religioscope et Sébastien Fath, À propos de l’évangélisme et des Églises évangéliques en France – Entretien avec Sébastien Fath, religion.info, France, 3 mars 2002: Tradução: “O critério de “Igreja de crentes” permite definir com mais clareza o que se denomina stricto sensu dos evangélicos” Texto original em francês: "Le critère d’«Eglise de professants» permet plus nettement de cerner ce que l’on appelle stricto sensu des évangéliques"
  30. Donald M. Lewis, Richard V. Pierard, Global Evangelicalism: Theology, History & Culture in Regional Perspective, InterVarsity Press, USA, 2014, p. 40 :Tradução: “O movimento missionário moderno é a mostra notável da influência do impulso teológico evangélico nos últimos quatro séculos”. e 297: "As tradições Batista e Menonita são exemplos de igrejas de crentes". Texto original em inglês: "The modern mission movement is the outstanding exhibit of the influence of the evangelical theological impulse over the past four centuries". and 297: "The Baptist and Mennonite traditions are examples of believer's churches".
  31. Robert H. Krapohl, Charles H. Lippy, The Evangelicals: A Historical, Thematic, and Biographical Guide, Greenwood Publishing Group, USA, 1999, p. 11

Ligações externasEditar