Igreja dos Santos Apóstolos

basílica cristã
Igreja dos Santos Apóstolos
Kokkinobaphos Holy Apostles.jpg

Iluminura do Códice Vaticano de 1162 com possível imagem da igreja

Apresentação
Tipo
igreja
imóvel desaparecido (d)
Dedicado
Estilo
Período de construção
VI século
Localização
Endereço
Coordenadas

A Igreja dos Santos Apóstolos (em grego medieval: Ἅγιοι Ἀπόστολοι; romaniz.: Agioi Apostoloi; em turco: Havariyyun Kilisesi), também conhecida como Poliândrio Imperial (Cemitério Imperial), era uma basílica cristã.[1]

HistóriaEditar

Erguida em 330 em Constantinopla por Constantino I, e finalizada por seu filho Constâncio II em 337. Foi destruída na Revolta de Nika em 532 e reconstruída entre 532 e 550 por Justiniano I (r. 527–565). Dentre as grandes igrejas do Império Romano do Oriente, apenas a Basílica de Santa Sofia lhe fazia sombra. Nesta igreja eram sepultados imperadores e imperatrizes, como Constantino, sua mãe Helena, Justiniano e sua esposa Teodora, Heráclio, Basílio I, o Macedônio entre outros. Também eram sepultados alguns santos e patriarcas, como João Crisóstomo.

Também abrigou relíquias de alguns apóstolos: Santo André, São Lucas e Timóteo de Éfeso. Foi saqueada durante a Quarta Cruzada de 1204 e quando Constantinopla foi tomada pelos otomanos, em 1453, a igreja tornou-se a sede do patriarca por um breve período de tempo. Em 1461, foi demolida para dar lugar à Mesquita do Conquistador, onde está sepultado o sultão Maomé II, o Conquistador, que conquistou Constantinopla em 1453. A Catedral de São Marcos, em Veneza, foi parcialmente inspirada na Igreja dos Santos Apóstolos.

ReferênciasEditar

  1. «Igreja dos Santos Apóstolos». VIAF (em inglês). Consultado em 10 de maio de 2020 
 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Igreja dos Santos Apóstolos
  Este(a) artigo sobre capela, igreja ou catedral é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
  Este artigo sobre a Turquia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.