Cristianismo oriental

(Redirecionado de Igrejas Orientais)

Cristianismo oriental compreende tradições cristãs e famílias de igrejas que originalmente se desenvolveram durante a antiguidade clássica e tardia na Europa Oriental, Sudeste da Europa, Ásia Menor, Cáucaso, Nordeste da África, Crescente Fértil e costa Malabar do Sul da Ásia, e efêmeramente partes da Pérsia, Central Ásia, Oriente Próximo e Extremo Oriente. O termo não descreve uma única comunhão ou denominação religiosa. Os principais corpos cristãos orientais incluem a Igreja Católica Ortodoxa e as Igrejas Ortodoxas Orientais, juntamente com os grupos descendentes da histórica Igreja do Oriente, bem como as Igrejas Católicas Orientais (que restabeleceram ou sempre mantiveram a comunhão com Roma e mantêm liturgias orientais) e as igrejas protestantes orientais[1] (que são protestantes em teologia, mas orientais na prática cultural). As várias igrejas orientais normalmente não se referem a si mesmas como "orientais", com exceção da Igreja Assíria do Oriente e da Antiga Igreja do Oriente.

Os católicos ortodoxos são o maior grupo dentro do cristianismo oriental com uma população mundial de 220 milhões,[2] seguidos pelos ortodoxos orientais com 60 milhões.[3] As Igrejas Católicas Orientais consistem em cerca de 16-18 milhões e são uma pequena minoria dentro da Igreja Católica.[4] As igrejas cristãs protestantes orientais não formam uma única comunhão; igrejas como a Igreja Luterana Ucraniana e a Igreja Síria Mar Thoma têm menos de um milhão de membros. A Igreja Assíria do Oriente e a Antiga Igreja do Oriente, igrejas descendentes da Igreja do Oriente, têm um número combinado de aproximadamente 400 mil membros.[5]

Historicamente, após a perda do Levante no século VII para o califado sunita islâmico, o termo Igreja Oriental foi usado para se referir a Igreja Grega centrada em Bizâncio, em contraste com a Igreja Latina (Ocidental), centrada em Roma, que usa o latim ritos litúrgicos. Os termos "oriental" e "ocidental" a esse respeito originaram-se de divisões geográficas no cristianismo, refletindo a divisão cultural entre o Oriente helenístico e o Ocidente latino, e a divisão política do ano 395 entre os impérios romano ocidental e oriental. Desde a Reforma Protestante do século XVI, o termo "cristianismo oriental" pode ser usado em contraste com o "cristianismo ocidental", que contém não apenas a Igreja latina, mas também o protestantismo e o catolicismo independente.[6] Algumas igrejas orientais têm mais em comum histórica e teologicamente com o cristianismo ocidental do que entre si.

Como a maior igreja do Oriente é o corpo atualmente conhecido como Igreja Ortodoxa, o termo "ortodoxo" é frequentemente usado de maneira semelhante a "oriental", para se referir a comunhões cristãs históricas específicas. No entanto, estritamente falando, a maioria das denominações cristãs, sejam orientais ou ocidentais, consideram-se "ortodoxas" (que significa "seguir crenças corretas"), bem como "católicas" (que significa "universal") e como participantes das Quatro Marcas da Igreja listada no Credo Niceno-Constantinopolitano (325 d.C.): "Una, Santa, Católica e Apostólica" (em grego: μία, ἁγία, καθολικὴ καὶ ἀποστολικὴ ἐκκλησία).[nota 1] As igrejas orientais (exceto os corpos dissidentes não litúrgicos) utilizam vários ritos litúrgicos: o Rito Alexandrino, o Rito Armênio, o Rito Bizantino, o Rito Siríaco Oriental (também conhecido como Rito Persa ou Caldeu) e o Rito Sírio Ocidental (também chamado de Rito Antioquino).

Famílias de igrejas editar

 
Distribuição comparativa de Ortodoxia Bizantina e Ortodoxia Oriental no mundo por país
Legenda
Ortodoxia Bizantina Ortodoxia Oriental
  Religião dominante (mais de 75%)
  Religião dominante (mais de 75%)
  Religião dominante (50–75%)
  Religião dominante (50–75%)
  Religião minoritária importante (20–50%)
  Religião minoritária importante (20–50%)
  Religião minoritária importante (5–20%)
  Religião minoritária importante (5–20%)
  Religião minoritária (1–5%)
  Religião minoritária (1–5%)

Os cristãos orientais não compartilham todos as mesmas tradições religiosas, mas muitos compartilham tradições culturais. O cristianismo se dividiu no Oriente durante seus primeiros séculos dentro e fora do Império Romano em disputas sobre cristologia e teologia fundamental, bem como através de divisões nacionais (romanas, persas, etc.). Muitos séculos depois o cristianismo ocidental se separou totalmente dessas tradições ao criar sua própria comunhão. Os principais ramos ou famílias do cristianismo oriental, cada um com uma teologia e dogma distintos, incluem a Igreja Ortodoxa, a comunhão Ortodoxa Oriental, as Igrejas Católicas Orientais e a Igreja Assíria do Oriente.[8]

Igrejas ortodoxas bizantinas editar

A Igreja Ortodoxa, (em grego: ὀρθός; romaniz.:orthós; lit. reto, correto e δόξα, romaniz.: dóxa: opinião, glória;[9] literalmente, "igreja da opinião correta" ou "igreja da glória verdadeira", como traduzido pelos eslavos) oficialmente Igreja Católica Ortodoxa[10][11][12] e também chamada de ortodoxia bizantina,[13][14] é a segunda maior igreja cristã,[nota 2][15][16] com aproximadamente 220 milhões membros batizados.[17][18][19] Ela opera como uma comunhão de igrejas autocéfalas, cada uma governada por seus bispos por meio de sínodos locais.[19] A igreja não tem autoridade central doutrinária ou governamental análoga ao chefe da Igreja Católica — o papa — mas o Patriarca Ecumênico de Constantinopla é reconhecido por eles como primus inter pares ("primeiro entre iguais").[20][21][22][23] Como uma das instituições religiosas sobreviventes mais antigas do mundo, a Igreja Ortodoxa desempenhou um papel proeminente na história e na cultura da Ásia Ocidental, do Cáucaso, do Leste e do Sudeste da Europa.[24]

A teologia ortodoxa é baseada nas Escrituras e na tradição sagrada, que incorpora os decretos dogmáticos dos sete concílios ecumênicos e os ensinamentos dos Padres da Igreja. A igreja ensina que é a igreja una, santa, católica e apostólica estabelecida por Jesus Cristo em sua Grande Comissão[25] e que seus bispos são os sucessores dos apóstolos de Cristo.[26] Sustenta que pratica a fé cristã original, transmitida pela sagrada tradição. Seus patriarcados, reminiscentes da pentarquia, e outras igrejas autocéfalas e autônomas, refletem uma variedade de organização hierárquica. Reconhece sete sacramentos maiores, dos quais a Eucaristia é o principal, celebrado liturgicamente em sinaxe. A igreja ensina que, por meio da consagração invocada por um sacerdote, o pão e o vinho do sacrifício tornam-se o corpo e o sangue de Cristo. A Virgem Maria é venerada na Igreja Ortodoxa como a portadora de Deus, honrada nas devoções.

As igrejas de Constantinopla, Alexandria, Jerusalém e Antioquia — exceto por algumas quebras de comunhão, como o cisma de Fócio ou o cisma de Acacia — compartilharam comunhão com a Igreja de Roma até o Grande Cisma em 1054, que foi o culminar de crescentes disputas teológicas, políticas e culturais, particularmente sobre a autoridade do papa. Antes do Concílio de Éfeso no ano 431, a Igreja do Oriente também compartilhava dessa comunhão, assim como as várias igrejas ortodoxas orientais antes do Concílio de Calcedônia em 451, todas se separando principalmente por diferenças na cristologia.

A Igreja Ortodoxa é a principal denominação religiosa na Rússia, Ucrânia, Romênia, Grécia, Bielo-Rússia, Sérvia, Bulgária, Moldávia, Geórgia, Macedônia do Norte, Chipre e Montenegro, e há minorias significativas na Síria, Iraque, Cazaquistão, Alemanha, Espanha, Bósnia e Herzegovina, Líbano, Estados Unidos e Uzbequistão. Embora originários da Ásia Ocidental, a maioria dos cristãos ortodoxos agora vive no sudeste e leste da Europa e na Sibéria. Aproximadamente metade dos cristãos ortodoxos vive nos Estados pós-soviéticos, principalmente na Rússia.[27][28] Há também comunidades nas antigas regiões bizantinas do norte da África, no Mediterrâneo oriental e entre as comunidades ortodoxas mais antigas do Oriente Médio, que estão diminuindo devido à migração forçada impulsionada pelo aumento da perseguição religiosa.[29][30] As comunidades cristãs ortodoxas fora da Ásia Ocidental, Ásia Menor, Cáucaso e Europa Oriental, incluindo as da América do Norte, Europa Ocidental e Austrália, foram formadas por meio de diáspora, conversões e atividades missionárias.

Igrejas ortodoxas orientais editar

 Ver artigo principal: Igrejas ortodoxas orientais

As Igrejas Ortodoxas Orientais compõem uma denominação cristã presente sobretudo no Oriente Médio, Índia, Corno de África e Armênia.[31][32] São distintas das Igrejas que apoiam o ensinamento cristológico reconhecido no Concílio de Calcedônia em 451: a doutrina das duas naturezas de Cristo aceita pelos católicos romanos e ortodoxos bizantinos, e, posteriormente, pela maior parte dos protestantes.

Igreja do Leste/Igreja Assíria do Oriente editar

A Igreja Assíria do Oriente (em siríaco: ܥܕܬܐ ܕܡܕܢܚܐ ܕܐܬܘܖ̈ܝܐ), as vezes chamada Igreja do Oriente,[33] oficialmente Santa Igreja Católica Apostólica Assíria do Oriente,[33][34] é uma denominação cristã oriental que reivindica continuidade da sé fundada na Babilônia por São Tomé.[35] Algumas vezes é chamada de Igreja Ortodoxa Assíria,[carece de fontes?] mas não deve ser confundida com a Igreja Síria Ortodoxa. Na Índia, é conhecida como Igreja Síria Caldeia do Oriente. Teologicamente, é associada à doutrina do nestorianismo, o que fez com que ficasse conhecida como "Igreja Nestoriana" (principalmente pelos seus inimigos), embora sua liderança tenha por vezes rejeitado expressamente tal rótulo. O seu rito litúrgico é o siríaco oriental.[36][37]

A Igreja Assíria do Oriente não está em comunhão nem com a Igreja Ortodoxa, nem com a Igreja Católica e nem com as Igrejas Orientais Ortodoxas, porque ela só aceita os ensinamentos dos dois primeiros concílios ecumênicos, discordando da posição que prevaleceu no Primeiro Concílio de Éfeso.[38][39][40] O atual Patriarca e líder máximo da Igreja Assíria do Oriente (chamado Católico-Patriarca da Babilônia) é Mar Awa Royel.

Igrejas orientais católicas editar

As Igrejas Católicas Orientais são Igrejas particulares sui iuris em plena comunhão com o Papa, fazendo por isso parte da Igreja Católica. Em número de 23, elas conservam as seculares tradições litúrgicas e devocionais das várias igrejas orientais com as quais estão associadas historicamente.

Enquanto divergências doutrinárias dividem as igrejas orientais não-católicas em grupos desprovidos de comunhão mútua, as Igrejas Católicas Orientais acham-se unidas umas com as outras na fé católica, bem como com a Igreja Católica de Rito Latino (sediada no Ocidente), conquanto se diversifiquem quanto à ênfase teológica, às formas da liturgia, à piedade popular, à disciplina canônica e à terminologia. Partilhando a mesma fé e doutrina católicas, elas reconhecem sobretudo a função central do Sumo Pontífice, sua suprema autoridade, sua primazia e infalibilidade magisterial. Apesar disso, as Igrejas orientais católicas têm uma autonomia considerável em relação ao Papa.

A maioria das Igrejas Católicas Orientais têm correspondentes entre as demais Igrejas orientais, quer assírias, quer ortodoxas orientais, quer ortodoxas bizantinas, que delas estão apartadas devido a certo número de dissonâncias teológicas, como também em virtude de discordâncias no que tange à autoridade do Sumo Pontífice.

Embora historicamente se situassem na Europa Oriental, no Oriente Médio asiático, na África do Norte e na Índia, as Igrejas Católicas Orientais, por causa da migração, estão hoje disseminadas também na Europa Ocidental, nas Américas e na Oceania, constituindo aí circunscrições eclesiásticas plenas (eparquias), ao lado das dioceses latinas.

Os termos greco-católico e católico bizantino referem-se àqueles que pertencem a Igrejas sui iuris que usam o rito bizantino. O termo católico oriental inclui-os também a eles, mas tem significação mais lata, de vez se aplica igualmente aos fiéis que seguem as tradições litúrgicas alexandrina, antioquena, armênia e caldéia.

Em 2006, estimou-se que existiam cerca de 16 milhões de católicos orientais, dos quais aproximadamente 7,65 milhões seguiam a tradição bizantina.[41] Em 2016, o número de católicos orientais aumentou para 17,8 milhões, dos quais aproximadamente 7,67 milhões seguiam a tradição bizantina.[42]

Liturgia editar

Os principais ritos litúrgicos orientais utilizados pelas Igrejas orientais são: o Bizantino, o de Antioquia, o Alexandrino, o Caldeu e o Arménio.

O serviço litúrgico correspondente destas Igrejas Orientais é conduzido em várias línguas modernas ou antigas:

Ver também editar

Notas e referências

Notas

  1. Este credo ecumênico é hoje recitado na liturgia da Igreja Católica (tanto Latina quanto Ritos Orientais), a Igreja Ortodoxa Oriental , a Igrejas Ortodoxas Orientais, a Igreja do Oriente, a Igreja Morávia, a Igreja Luterana, a Igreja Metodista es, a Comunhão Anglicana, a Igreja Reformada e outras denominações cristãs.[7]
  2. O protestantismo, como um todo, não é uma única igreja, e nem uma única denominação

Referências

  1. Hämmerli, Maria; Mayer, Jean-François (23 de maio de 2016). Orthodox Identities in Western Europe: Migration, Settlement and Innovation (em inglês). [S.l.]: Routledge. ISBN 9781317084914 
  2. Fairchild, Mary (17 de março de 2017). «Eastern Orthodox Denomination». ThoughtCo. Consultado em 19 de outubro de 2018 
  3. «Orthodox Christianity in the 21st Century». Pew Research Center's Religion & Public Life Project. 8 de novembro de 2017 
  4. «The beautiful witness of the Eastern Catholic Churches». Catholic Herald. 7 de março de 2019. Consultado em 29 de setembro de 2019. Arquivado do original em 29 de setembro de 2019 
  5. Murre van den Berg, Heleen (2011) [2009]. «Assyrian Apostolic Church of the East». The Encyclopedia of Christian Civilization. 1. Malden: Wiley-Blackwell. pp. 154–159 
  6. Bulletin for the Study of Religion, Volumes 9-12 (em inglês). [S.l.]: Council on the Study of Religion. 1978 
  7. Scharper, Philip J. (1969). Meet the American Catholic (em inglês). [S.l.]: Broadman Press. p. 34 
  8. Hindson, Edward E.; Mitchell, Daniel R. (1 de agosto de 2013). The Popular Encyclopedia of Church History (em inglês). [S.l.]: Harvest House Publishers. ISBN 9780736948074 
  9. A Greek-English Lexicon: δόξα
  10. «Eastern Orthodoxy». Encyclopædia Britannica Online 
  11. Ellwood, Robert S.; Alles, Gregory D. (2007). Ellwood Encyclopedia of World Religions. [S.l.: s.n.] ISBN 978-1-4381-1038-7 
  12. Tsichlis, Fr. Steven. «Frequently Asked Questions About the Orthodox Church». St. Paul's Greek Orthodox Church, Irvine, CA. Consultado em 4 de maio de 2014. Cópia arquivada em 10 de dezembro de 2013 
  13. João Paulo II (1995). Vaticano, ed. «Carta Apostólica pelo IV Centário da União de Brest». Consultado em 5 de junho de 2023 
  14. Sílvia Sônia Simões (20 de fevereiro de 2020). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, ed. «Bizâncio, Pérsia e Ásia Central, pólos de difusão do Nestorianismo». Consultado em 5 de junho de 2023 
  15. Johnson, Todd M. «Status of Global Christianity, 2019, in the Context of 1900–2050» (PDF). Center for the Study of Global Christianity 
  16. Parry, Dimitri; Melling, Sidney H.; Brady; Griffith, David J.; Healey, eds. (1 de setembro de 2017). «Eastern Orthodox». The Blackwell Dictionary of Eastern Christianity. Oxford, UK: Blackwell Publishing Ltd. 170 páginas. ISBN 978-1-4051-6658-4. doi:10.1002/9781405166584 
  17. Fairchild, Mary (17 de março de 2017). «Eastern Orthodox Denomination». ThoughtCo. Consultado em 19 de outubro de 2018 
  18. Brien, Joanne O.; Palmer, Martin (2007). The Atlas of Religion. [S.l.]: University of California Press. p. 22. ISBN 978-0-520-24917-2. There are over 220 million Orthodox Christians worldwide. 
  19. a b «BBC – Religions – Christianity: Eastern Orthodox Church». www.bbc.co.uk 
  20. «The Patriarch Bartholomew». 60 Minutes. CBS. 20 de dezembro de 2009. Consultado em 26 de junho de 2021 
  21. «Biography - The Ecumenical Patriarchate». www.patriarchate.org. Consultado em 11 de dezembro de 2019 
  22. Winfield, Nicole; Fraser, Suzan (30 de novembro de 2014). «Pope Francis Bows, Asks For Blessing From Ecumenical Patriarch Bartholomew In Extraordinary Display Of Christian Unity». Huffington Post. Consultado em 11 de dezembro de 2019. Arquivado do original em 17 de março de 2016 
  23. Finding Global Balance. [S.l.]: World Bank Publications. 2005. Consultado em 2 de agosto de 2015 
  24. Ware 1993, p. 8.
  25. «The Orthodox Faith – Volume I – Doctrine and Scripture – The Symbol of Faith – Church». www.oca.org. Consultado em 27 de julho de 2020 
  26. Meyendorff, John (1983). Byzantine Theology: Historical Trends and Doctrinal Themes. [S.l.]: Fordham University Press 
  27. Peter, Laurence (17 de outubro de 2018). «Orthodox Church split: Five reasons why it matters». BBC 
  28. «Orthodox Christianity's geographic center remains in Central and Eastern Europe». Pew Research Center's Religion & Public Life Project. 8 de novembro de 2017. Consultado em 9 de dezembro de 2020 
  29. Harriet Sherwood (13 de janeiro de 2016). «Christians flee growing persecution in Africa and Middle East». The Guardian 
  30. Huma Haider University of Birmingham (16 de fevereiro de 2017). «K4D The Persecution of Christians in the Middle East» (PDF). Publishing Service U.K. Government 
  31. «Oriental Orthodoxy». World Heritage Encyclopedia (em inglês). Consultado em 24 de abril de 2020 
  32. «Oriental Orthodoxy». Patheos Library (em inglês). Consultado em 24 de abril de 2020 
  33. a b The Blackwell dictionary of Eastern Christianity. Ken Parry, John R. Hinnells. Oxford, UK: Blackwell Publishers. 1999. OCLC 48138198 
  34. Binns, John (2002). An introduction to the Christian Orthodox churches. Cambridge, UK: Cambridge University Press. OCLC 49906281 
  35. Eastern Christianity and Politics in the Twenty-First Century. Lucian N. Leustean. New York: Routledge. 2014. OCLC 881162158 
  36. Interview with Mar Awa Royel, the newly elected patriarch of the Assyrian Church of the East, consultado em 7 de janeiro de 2024 
  37. «kurdistan». www.rudaw.net. Consultado em 7 de janeiro de 2024 
  38. Garsoïan 1999, p. 73.
  39. Chabot 1902, p. 532.
  40. Leonard M Outerbridge, The Lost Churches of China, (Westminster Press, USA, 1952)
  41. What All Catholics Should Know About Eastern Catholic Churches Arquivado em 17 de maio de 2011, no Wayback Machine. (Janeiro de 2006)
  42. CNEWA - The Eastern Catholic Churches 2016

Leitura complementar editar

  • Angold, Michael, ed. (2006). The Cambridge History of Christianity. Volume 5, Eastern Christianity. [S.l.]: Cambridge University Press. ISBN 9780521811132 

Ligações externas editar