Ilha de Bolama

A ilha de Bolama localiza-se no arquipélago dos Bijagós, na Guiné-Bissau.

Bolama
Ilha de Bolama,Guine Bissau,2018.png
Geografia física
País Guiné-Bissau Guiné Bissau
Localização Oceano Atlântico
Arquipélago Bijagós
Área 98,1  km²
Geografia humana
População 6 024 (2009)
Densidade 61,4  hab./km²
Administração
Capital Bolama
Região Bolama
Setor Bolama

É a ilha mais próxima do território continental da Guiné-Bissau, com uma população de 6.024 (2009) [1] e uma área de 98.1km²[2].

A sua Capital é a Cidade de Bolama com 4.819[3] Hab em 2009, sendo também a capital da região de Bolama.

A ilha é rodeada por manguezal, sendo o clima de estações tropicais húmidas e secas[2].

HistóriaEditar

Ainda que visitada amiúde pelos povos locais, a ilha estava desabitada quando colonos britânicos a ocuparam em 1792. Após uma série de incidentes, estes abandonaram a ilha em 1794. Uma nova tentativa de colonização britânica teve lugar em 1814, mas foi de efémera duração.

Portugal reclamou Bolama em 1830 e iniciou-se a Questão de Bolama, um conflito diplomático entre Portugal e o Reino Unido pela sua posse. Em 1860 os britânicos declararam a ilha, que chamaram "Rio Bolama", como parte de Serra Leoa mas, a 21 de abril de 1870, uma comissão de arbitragem internacional presidida pelo então presidente dos Estados Unidos, general Ulysses S. Grant (1869-1877), concedeu a posse de Bolama a Portugal, sendo-lhe a soberania restituída a 1 de outubro desse mesmo ano.[4]

Mais tarde, após uma ação militar portuguesa que ficou conhecida historicamente como o "desastre de Bolol" (1879), Bolama assumiu oficialmente o estatuto de primeira capital da Guiné portuguesa, condição que manteve até à sua transferência para Bissau (9 de dezembro de 1941), povoação fundada em 1687 por forças portuguesas como um centro portuário e comercial fortificado. A transferência de capital foi determinada devido à escassez de água doce em Bolama.

Após a independência da Guiné-Bissau uma planta de processamento de fruta foi construída em Bolama, com a ajuda de capital holandês. Entretanto, devido à escassez de água doce na ilha, não pode ser ampliada e foi forçada a encerrar portas.

As atrações da ilha incluem praias de areia o antigo Palácio do Governador e os Paços do Concelho de Bolama. Está classificada pela UNESCO como Reserva da Biosfera.

InfraestruturasEditar

TransportesEditar

Dispõe de um de porto de águas profundas[5].

Referências

  1. «Censos 2009» (PDF) 
  2. a b «UNEP ,ISLAND DIRECTORY». UNEP ,United Nations Environment Programme. 1998. Consultado em 15 maio 2017 
  3. «Censos 2009» (PDF) 
  4. Luiz Gonzaga Ribeiro, A Questão de Bolama.
  5. «Trilhas Ecoturisticas ,Arquipelagos dos Bijagos». IBAP ,Instituto da Biodiversidade e das Áreas Protegidas. 2018. Consultado em 21 maio 2018. Arquivado do original em 22 de maio de 2018