Império Taírida
Abbassid banner.svg
821 — 873 
DinastíaSafarí861-1003-pt.svg
Tahirid Dynasty 821 - 873 (AD).png
Império Taírida em seu zênite
Região
Capital
Países atuais

Línguas oficiais
Religião Islamismo sunita
Moeda

Emir
• 821-884  Tair ibne Huceine (primeiro)
• 862-873  Maomé ibne Tair (último)

Período histórico Idade Média
• 821  Ascensão de Tair ibne Huceine
• 873  Conquista pelo Império Safárida

Império Taírida (em persa: طاهریان; transl.: Tâheriyân) foi um Estado persa[3] de facto nascido nas posses orientais do Califado Abássida (750–1258) no Coração em 821 e que existiu até 878, quando foi conquistado pelo Império Safárida. Sua dinastia, os degãs[4] taíridas, mantiveram-se leais aos califas de Bagdá, motivo pelo qual seu Estado era nominalmente vassalo califal,[5] [6] com alguns de seus membros servindo como comandantes militares e da segurança em Bagdá de 820 a 891.[7] Por vezes os taíridas são entendidos como a primeira dinastia iraniana independente após a queda do Império Sassânida (r. 224–651),[8] mas eles nunca foram formalmente independentes da autoridade califal. Em vez disso, gozaram de considerável autonomia em troca das receitas do Coração.[9][10] Sua capital originalmente era Merve, mas depois foi transferida para Nixapur.[7]

A dinastia surgiu com Tair ibne Huceine, um general a serviço de Almamune (r. 813–833) durante a Quarta Fitna que contrapôs Almamune e seu meio-irmão Alamim (r. 809–813). Seus ancestrais, por prestaram serviços aos abássidas, foram governadores menores no Coração.[3] Em 821, Tair foi nomeado governador do Coração, mas morreu logo. Almamune nomeou seu filho Talha (r. 822–828). Seu outro filho Abdalá foi instalado como uáli do Egito e Arábia, mas quando Talha faleceu em 828, o sucedeu no Coração. Abdalá morreu em 845 e foi sucedido por seu filho Tair (II) (r. 845–862). Não se sabe muito sobre seu governo, mas o Sistão foi perdido para rebeldes. O governo taírida começou a deteriorar-se seriamente depois que o filho de Tair, Maomé ibne Tair (r. 862–873), tornou-se governador, devido ao seu descuido com os assuntos do Estado e falta de experiência com política. Políticas opressivas no Tabaristão, por exemplo, resultaram na revolta da província e na declaração de lealdade ao governante zaidita independente Haçane ibne Zaide em 864.[11] No Coração propriamente, o domínio de Maomé continuou a ficar cada vez mais fraco, e em 873 foi finalmente derrubado pelo Império Safárida, que anexou o país.[7]

Governadores de BagdáEditar

Além de seu domínio sobre o Coração, os taíridas também serviram como governadores militares (axabe da xurta) de Bagdá, começando com a nomeação de Tair para esse cargo em 820. Depois que partiu para o Coração, o governo de Bagdá foi dado a um membro de um ramo colateral da família, Ixaque ibne Ibraim, que controlou a cidade por mais de vinte e cinco anos.[12] Durante seu mandato como governador, foi responsável pela implementação da Mihna (inquisição) na capital.[13] Seu governo também testemunhou a partida dos califas de Bagdá, quando transformaram a cidade recém-construída de Samarra em sua nova capital.[14] Quando Ixaque morreu em 849, foi sucedido por dois de seus filhos, e depois em 851 pelo neto de Tair, Maomé ibne Abdalá.[12]

Abdalá desempenhou um papel importante nos eventos da "Anarquia em Samarra" na década de 860, dando refúgio ao califa Almostaim e comandando a defesa de Bagdá quando foi cercada pelas forças do califa rival Almutaz em 865. No ano seguinte, forçou Almostaim a abdicar e reconheceu Almutaz como califa, e em troca foi permitido manter seu controle sobre Bagdá.[15] Motins violentos atormentaram Bagdá durante os últimos anos da vida de Abdalá, e as condições na cidade permaneceram tumultuadas depois que morreu e foi sucedidas por seus irmãos, primeiro Ubaide Alá e depois Solimão.[16] Posteriormente, a ordem foi restaurada em Bagdá e os taíridas continuaram a servir como governadores da cidade por mais duas décadas. Em 891, no entanto, Badir Almutadidi foi encarregado da segurança de Bagdá no lugar dos taíridas,[12] e a família logo perdeu seu destaque no califado depois disso.[11]

Língua e culturaEditar

Os taíridas eram altamente arabizados em cultura e perspectivas e desejavam ser aceitos no mundo do califado, onde o cultivo das coisas árabes dava prestígio social e cultural. Devido a isso, não faziam parte do renascimento da nova língua e cultura persas. A língua persa foi pelo menos tolerada na comitiva taírida, enquanto os safáridas tiveram papel de liderança no renascimento da literatura persa.[17]

Referências

  1. Blair 2003, p. 340.
  2. Canfield 1991, p. 6.
  3. a b Bosworth 1975, p. 90-91.
  4. Daftary 2003, p. 57.
  5. Hovannisian 1995, p. 96.
  6. Editores 1998.
  7. a b c Daniel 2015.
  8. Waterson 2008, p. 820.
  9. Kennedy 2004, p. 139.
  10. Esposito 2000, p. 38.
  11. a b Bosworth 2000, p. 104-105.
  12. a b c Bosworth 1996, p. 168-169.
  13. Turner 2006, p. 402.
  14. Gordon 2001, p. 47.
  15. Kennedy 2001, p. 135-139.
  16. Yar-Shater 2007, p. 124.
  17. Bosworth 1969, p. 106.

BibliografiaEditar

  • Blair, S. (2003). «Language situation and scripts: Arabic». In: Bosworth, C.E.; Asimov, M. S. History of Civilizations of Central Asia. Vol. IV. Déli: Motilal Banarsidass 
  • Bosworth, C.E. (1969). «The Ṭāhirids and Persian Literature». Iran. 7 
  • Bosworth, C.E. (1975). «The Tahirids and the Saffarids». In: R.N.Frye. The Cambridge History of Iran: The period from the Arab Invasion to the Saljuqs. 4. Cambrígia: Imprensa da Universidade de Cambrígia 
  • Bosworth, C. E. (1996). The New Islamic Dynasties. nova Iorque: Imprensa da Universidade de Colúmbia 
  • Bosworth, C. E. (2000). «Taherids». In: Bearman, P.J.; Bianquis, TH.; Bosworth, C. E.; Van Donzel, E.; Heinrichs, W. P. (eds.). Encyclopaedia of Islam Vol. X. Leida e Nova Iorque: Brill 
  • Canfield, Robert L. (1991). «Introduction: the Turko-Persian tradition». In: In Canfield, Robert L. Turko-Persia in Historical Perspective. Cambrígia: Imprensa da Universidade de Cambrígia 
  • Daftary, F. (2003). «Sectarian and national movements in Iran, Khurasan and Transoxanial during Umayyad in early Abbasid times». History of Civilizations of Central Asia. Vol. IV. Déli: Motilal Banarsidass 
  • Daniel, Elton L. (2015). «Taherids». Enciclopédia Irânica 
  • Esposito, John L. (2000). The Oxford History of Islam. Oxônia: Imprensa da Universidade de Oxônia 
  • Gordon, Matthew S. (2001). The Breaking of a Thousand Swords: A History of the Turkish Military of Samarra (A.H. 200-275/815-889 C.E.). Nova Iorque: Imprensa da Universidade Estadual de Nova Iorque 
  • Hovannisian, Richard G.; Sabagh, Georges (1998). The Persian Presence in the Islamic World. Cambrígia: Imprensa da Universidade de Cambrígia 
  • Kennedy, Hugh N. (2004). The Prophet and the Age of the Caliphates: The Islamic Near East from the 6th to the 11th Century (Second ed. Harlow, RU: Pearson Education Ltd. ISBN 0-582-40525-4 
  • Kennedy, Hugh N. (2001). The armies of the caliphs: military and society in the early Islamic state. Abingdon-on-Thames: Routledge. ISBN 0-415-25093-5 
  • Turner, John P. (2006). Meri, Josef W., ed. Ishaq ibn Ibrahim. Medieval Islamic Civilization. 1. Nova Iorque e Londres: Routledge 
  • Waterson, James (2008). The Ismaili Assassins: A History of Medieval Murder. Barnsley: Frontline Books. ISBN 9781783461509 
  • Yar-Shater, Ehsan (2007). The History of al-Tabari. Nova Iorque: Imprensa da Universidade Estadual de Nova Iorque