Império de Majapait

Império de Majapait

Majapahit • Wilwatikta • Keraton MojopahitKemaharajaan Majapahiमजापहित滿者伯夷

Blank.png
12931527 
Blank.png
Blank.png
Bandeira   Surya Majapahit ("Sol de Majapait") [♦]
Bandeira Surya Majapahit ("Sol de Majapait") [♦]
Majapahit Empire-pt.svg
Extensão da área de influência Majapahit, baseado no Nagarakertagama; a precisão de tais representações javanesas é controversa.[1]
Coordenadas
da capital
7° 32' 31" S 112° 23' 28" E
Continente Ásia
Região Sudeste Asiático
Capital Majapahit/Wilwatikta (atual Trowulan)
Países atuais Indonésia
 Brunei
Filipinas
 Malásia
 Singapura
 Tailândia
Timor-Leste

Línguas javanês antigo, sânscrito
Religiões hinduísmo, budismo, kebatinan, animismo

Forma de governo monarquia
Rajá
• 1293/1294 – 1309  Certarajasa Jaiavardana
• 1350 – 1389  Hayam Wuruk
• 1474/1478 – 1489/1498  Giridravardana
• 1489–1517  Prabu Udara
Maapati (primeiro-ministro)
• 1329 – 1364  Gajamada

Período histórico Idade Média e Idade Moderna
• 1293  Fundação
• 1527  Invasão pelo Sultanato de Demak

[♦] ^ Surya Majapahit ("Sol de Majapait") é um símbolo comumente encontrado nos monumentos de Majapait e provavelmente era um símbolo do império.

O Império de Majapait[2], Majapahit ou Wilwatikta (em javanês: Keraton Mojopahit; em indonésio: Kemaharajaan Majapahi; em sânscrito: मजापहित; romaniz.: majāpahita; em mandarim: 滿者伯夷; mǎnzhěbóyí) foi um reino indianizado baseado na parte oriental da ilha de Java, que existiu entre 1293 e 1527. Seu maior governante foi Hayam Wuruk, cujo reinado durou de 1350 a 1389, marcando o auge do império quando dominou os reinos do sudoeste marítimo da Ásia (atualmente os territórios da Indonésia, Malásia e Filipinas).

O império Majapait foi o último dos reinos hindus do Arquipélago Malaio e é considerado um dos maiores estados na história da Indonésia.[3] Sua influência se estendia a estados em Sumatra, na península da Malásia, Bornéu e Indonésia oriental, embora a sua extensão seja um tema controverso.[4][5]

EtimologiaEditar

O nome Majapahit deriva do Javanês local, e significa "maja amarga". O orientalista alemão Berthold Lauder sugeriu que "maja" veio do nome javanês do Aegles Marmelos, uma árvore indonésia.[6]

Referências

  1. Hall 1956.
  2. Martinho 1943, p. 1.
  3. Ricklefs 1991.
  4. Prapantja 1962, p. 29, 34.
  5. Resink 1968, p. 21.
  6. The Brunei Museum Journal, Volume 4, Issue 1 – Page 192

BibliografiaEditar

  • Hall, D. G. E. (1956). «Problems of Indonesian Historiography». Pacific Affairs. 38 (3/4): 353–359. doi:10.2307/2754037 
  • Martinho, José Simões (1943). Timor: quatro séculos de colonização portuguesa. [S.l.]: Livraria Progredior 
  • Prapantja, Rakawi (1962). Pigeaud, Theodore Gauthier (trad.), ed. Java in the 14th Century, A Study in Cultural History: The Negara-Kertagama by Pakawi Parakanca of Majapahit, 1365 AD. 4. Haia: Martinus Nijhoff 
  • Resink, G. J. (1968). Indonesia’s History Between the Myths: Essays in Legal History and Historical Theory. Haia: W. van Hoeve 
  • Ricklefs, M.C. (1991). A History of Modern Indonesia Since c. 1300, 2nd ed. Stanford: Stanford University Press 
  Este artigo sobre Estado extinto, integrado ao Projeto Estados Extintos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
  Este artigo sobre a Indonésia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.