Improvisação (música)

Na música, a improvisação é principalmente a habilidade de, simultaneamente, produzir e interpretar, dentro ou não de parâmetros harmônicos ou rítmicos, melodias, ritmos ou vocalizações. Se a peça musical é uma canção, também pode aplicar-se à criação e interpretação de letra dentro da mesma.

Para poder improvisar, um intérprete deve ter um bom controle dos parâmetros dentro do que trabalha, do contrário, a música que cria pode soar ou parecer incongruente. Isto é particularmente certo quando o intérprete não toca sozinho. Por vezes, a comparação entre improvisação e composição reduz o ato de improvisar como "composição em tempo real"[1], o que é amplamente criticado por teóricos da improvisação por pressupôr que as habilidades necessárias para ambas atividades sejam as mesmas, permitindo dessa forma a atribuição de vantagens ao ato de compôr[2].

Improvisação idiomáticaEditar

A improvisação idiomática refere-se a criação de melodia, harmonia, ritmo e textura dentro de um determinado gênero e estilo. Isso acontece por exemplo quando se improvisa no jazz e na música brasileira por exemplo, onde o instrumentista ou cantor constrói suas frases baseando em parâmetros definidos como a criação de melodias baseadas em harmonias pré-definidas.

Improvisação não idiomáticaEditar

A improvisação não idiomática, ou improvisação livre, se propõe a não pertencer a nenhum gênero e estilo. Parte do pressuposto de que tudo deve ser desvinculado de qualquer coisa que seja preconcebida, e portanto é performada sem nenhuma regra além da lógica ou inclinação estética dos musicistas envolvidos [3]. Os termos - improvisação não idiomática, ou improvisação livre - podem se referir a tanto uma técnica (empregada pelo musicista em qualquer gênero) ou a um gênero propriamente dito.

A improvisação livre, enquanto gênero musical, se desenvolveu nos Estados Unidos e Europa na década de 1960, como resultado de extrapolações do free jazz e da música contemporânea. Expoentes da improvisação livre incluem saxofonistas como Anthony Braxton, Evan Parker, John Zorn e Matana Roberts, o pianista Cecil Taylor, turntablist Otomo Yoshihide, guitarristas Fred Frith e Thurston Moore, e o baterista Eddie Prévost[4].

No Brasil, lançamentos relacionados à improvisação livre podem ser encontrados em netlabels de caráter independente, como Seminal Records, Antena Br, Sinewave, Quintavant, dentre outras.

BibliografiaEditar

Ver tambémEditar

  Este artigo sobre música é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
  1. Pressing, Jeff (11 de janeiro de 2001). «Improvisation: methods and models». Oxford University Press: 129–178. Consultado em 20 de outubro de 2022 
  2. Piekut, Benjamin; Lewis, George E., eds. (16 de dezembro de 2013). «The Oxford Handbook of Critical Improvisation Studies, Volume 2». Oxford Handbooks Online. doi:10.1093/oxfordhb/9780199892921.001.0001. Consultado em 20 de outubro de 2022 
  3. Bailey, Derek; Bailey, Derek (2017). «Free Improvisation». Audio Culture: 367–378. doi:10.5040/9781501318399.ch-044. Consultado em 20 de outubro de 2022 
  4. John, Corbett, (2016). A Listener's Guide to Free Improvisation. [S.l.]: University of Chicago Press. OCLC 1020668508