Incidente Juye

O Incidente Juye (chinês tradicional: or pinyin: Cáozhōu Jiào'àn or Jùyě Jiào'àn, em alemão: Juye Vorfall) refere-se ao assassinato de dois missionários católicos alemães, Richard Henle e Franz Xaver Nies, da Sociedade do Verbo Divino, na província de Juye County Shandong, China, na noite de 1 a 2 de novembro de 1897 (Dia de Todos os Santos ao Dia de Finados). Um terceiro missionário, Georg Maria Stenz, sobreviveu ileso ao ataque.[1][2][3]

Representação alemã contemporânea do Incidente de Juye.
Camiseta manchada de sangue de Franz Xaver Nies.

O complexo da missão onde o incidente ocorreu estava localizado na aldeia de Zhang Jia (chinês tradicional: chinês simplificado: pinyin: Zhāng Jiā Zhuāng, escrito "Tshantyachuang" nos escritos de Georg M. Stenz), cerca de 10 km a nordeste da cidade de Juye e cerca de 25 km a noroeste da cidade de Jining. Georg M. Stenz era o padre estacionado em Zhang Jia Village e os outros dois missionários, Henle e Nies, vieram visitá-lo. Stenz descreve os eventos do incidente da seguinte forma: Antes de irem para a cama, pouco antes da meia-noite, os missionários haviam praticado a Missa de Réquiem (Miseremini mei) para o Dia de Finados seguinte. Stenz havia cedido seu quarto a seus convidados para passar a noite e se mudou para um quarto de porteiro vago. Acreditando que a área estava quieta, os missionários não tomaram nenhuma precaução e Stenz deixou a porta de seu quarto destrancada. Um bando de vinte a trinta homens armados invadiu o complexo da missão logo depois que os missionários foram para a cama. Eles arrombaram a porta do quarto onde Henle e Nies estavam e mataram os dois missionários. Ambas as vítimas sofreram vários ferimentos de esfaqueamento e ambos morreram pouco antes da meia-noite. Os atacantes procuraram Stenz, mas não conseguiram encontrá-lo. Eles recuaram quando os cristãos chineses locais chegaram ao local para ajudar. Não é certo quem cometeu os assassinatos, mas é mais comum supor que o ataque foi lançado por membros da Big Swords Society. Stenz atribuiu o ataque ao diretor de uma vila vizinha (Cao Jia Zhuang, escrito "Tsaotyachuang" por Stenz e localizado a cerca de 10 km ao sul da vila Zhang Jia) e acreditava que o ataque estava enraizado em uma disputa entre o diretor e comparativamente parentes ricos que se converteram ao cristianismo e, portanto, se recusaram a pagar pelas festas do templo local.[4][5]

Menos de duas semanas após o Incidente de Juye, o Império Alemão usou os assassinatos dos missionários como pretexto para tomar a Baía de Jiaozhou, na costa sul de Shandong. Sob ameaças alemãs, o governo Qing também foi forçado a remover muitos funcionários de Shandong (incluindo o governador Li Bingheng) de seus cargos e a construir três igrejas católicas na área (em Jining, Caozhou e Juye) às suas próprias custas. A missão atacada também recebeu 3 000 taéis de prata em compensação por bens roubados ou danificados, e recebeu o direito de construir sete residências fortificadas na área, também às custas do governo. Este assentamento fortaleceu o trabalho missionário no sul da província de Shandong e fez parte dos eventos que levaram à Revolta dos Boxers (1899-1900), um movimento dirigido contra a presença cristã e estrangeira no norte da China. Imitando a Alemanha, outras potências (Rússia, Grã- Bretanha, França e Japão) começaram "uma disputa por concessões" para garantir suas próprias esferas de influência na China.[6][7][8]

O historiador Paul Cohen chamou o incidente de Juye de "a cunha de abertura em um processo de atividade imperialista muito intensificada na China" e Joseph W. Esherick comenta que os assassinatos de Juye "desencadearam uma cadeia de eventos que alteraram radicalmente o curso da história".[9][10]

Referências

  1. Clark, Anthony E. (2011), China's Saints: Catholic Martyrdom During the Qing (1644–1911), Lexington Books
  2. Cohen, Paul (1997), History in Three Keys: The Boxers as Event, Experience, and Myth, New York: Columbia University Press, ISBN 0-231-10651-3
  3. Stenz, G. M. (Georg Maria) (1915). Life of Father Richard Henle, S.V.D. : missionary in China : assassinated November 1, 1897. Boston University School of Theology. [S.l.]: Techny, Ill. : Mission Press, S.V.D. 
  4. Esherick 1987
  5. Stenz 1915
  6. Esherick 1987, pp. 129–30.
  7. Tiedemann 2007a, pp. 27–28.
  8. Esherick 1987, pp. 134–35; Cohen 1997.
  9. Esherick 1987.
  10. Cohen 1997

FontesEditar

Leitura adicionalEditar

 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Incidente Juye
  • Catholic Cyclopaedia: Chinese Martyrs
  • Tiedemann, R. G. (2007b). "Not Every Martyr is a Saint! The Juye Missionary Case of 1897 Reconsidered." In Noel Golvers and Sara Lievens (eds.), A lifelong dedication to the China mission: essays presented in honor of Father Jeroom Heyndrickx, CICM, on the occasion of his 75th birthday and the 25th anniversary of the F. Verbiest Institute, K.U. Leuven. Leuven Chinese studies, 17. Leuven, Belgium: Ferdinand Verbiest Institute, K.U. Leuven. ISBN 978-90-801833-8-4, ISBN 90-801833-8-5.