Abrir menu principal

Inconsciente

(Redirecionado de Inconsciência)

Inconsciente, do latim inconscius[1] (às vezes chamado também subconsciente), é um termo psicológico com dois significados distintos. Em um sentido amplo, mais genérico, é o conjunto dos processos mentais que se desenvolvem sem intervenção da consciência. O segundo significado, mais específico, provém da teoria psicanalítica e designa uma forma específica de como o inconsciente (em sentido amplo) funciona. Enquanto a maior parte dos pesquisadores empíricos está de acordo em admitir a existência de processos mentais inconscientes (ou seja, do inconsciente em sentido amplo), o modelo psicanalítico tem sido alvo de muitas críticas, sobretudo de pesquisadores da psicologia cognitiva[2]. Para evitar a confusão entre os significados, alguns autores preferem utilizar o adjetivo "não consciente" no primeiro significado, reservando o adjetivo "inconsciente" para o significado psicanalítico. Segundo Carl Gustav Jung (1875-1961), psiquiatra suíço, há uma distinção crucial entre características conscientes e inconscientes da psique: consciência é o que conhecemos e inconsciência é tudo aquilo que ignoramos. "O inconsciente não se identifica simplesmente com o desconhecido; é antes o psíquico desconhecido, ou seja, tudo aquilo que presumivelmente não se distinguiria dos conteúdos psíquicos conhecidos, quando chegasse à consciência." Para Jung ainda, o ego forma o centro crítico da consciência e, de fato, determina em grande medida que conteúdos permanecem no domínio da consciência e quais se retiram, pouco a pouco, para o inconsciente. O inconsciente inclui todos os conteúdos psíquicos que se encontram fora da consciência, por qualquer razão ou qualquer duração.

Carl Jung atribuiu, a Carus, médico e pintor do século XIX, a indicação do inconsciente como a base essencial da psiqueː[3]

Embora vários filósofos, entre eles Leibniz, Kant e Schelling, já tivessem apontado muito claramente o problema do lado sombrio da psique, foi um médico que se sentiu impelido, de sua experiência científica e médica, a apontar para o inconsciente como a base essencial da psique. Este foi Carl Gustav Carus, a autoridade que Karl Robert Eduard von Hartmann seguiu.[4]

HistóriaEditar

Influências sobre o pensamento que se originam fora da consciência de uma pessoa já eram expressas nas antigas ideias de tentação, inspiração divina e influência dos deuses no comportamento das pessoas. Ideias semelhantes já eram expressas também nos Vedas hindus (2 500-600 a.C.).[5][6][7]

Paracelso é tido como o primeiro a fazer menção a um aspecto inconsciente da cognição em seu trabalho "Sobre doenças" (1567). Sua metodologia clínica criou um sistema convincente que alguns consideram o início da moderna psicologia científica.[8] William Shakespeare explorou o papel do inconsciente[9] em muitas de suas peças, sem, no entanto, nomeá-lo como tal.[10][11][12]

Alguns usos raros do termo "inconciência" (em língua alemãː Unbewußtseyn) podem ser encontrados na obra do médico e filósofo alemão do século XVIII Ernst Platner.[13][14]

Já o termo "inconsciente" (em língua alemãː Unbewusste) foi cunhado pelo filósofo romântico alemão do século XVIII Friedrich Schelling (em sua obra "Sistema de idealismo transcendental") e, posteriormente, foi introduzido na língua inglesa pelo poeta e ensaísta Samuel Taylor Coleridge (em sua obra "Biografia literária").[15][16]

Filósofos ocidentais como Arthur Schopenhauer,[17][18] Baruch Espinoza, Gottfried Wilhelm Leibniz, Johann Gottlieb Fichte, Georg Wilhelm Friedrich Hegel, Eduard von Hartmann, Søren Kierkegaard e Friedrich Nietzsche[19] já usavam o termo "inconsciente".

Em 1880, Edmond Colsenet apoiou, na Sorbonne, uma tese filosófica sobre o inconsciente.[20] Elie Rabier e Alfred Jules Émile Fouillée realizaram sínteses do inconsciente "em um tempo em que Freud não estava interessado no conceito".[21]

O psicólogo Jacques Van Rillaer aponta que "o inconsciente não foi descoberto por Freud. Em 1890, quando ainda não se ouvia falar de psicanálise, William James, em seu monumental tratado de psicologia ("Os princípios da psicologia"), examinou a maneira pela qual Schopenhauer, von Hartmann, Pierre Janet, Alfred Binet e outros usaram os termos "inconsciente" e "subconsciente".[22]

O historiador da psicologia Mark Altschule observa que "é difícil - ou talvez impossível - encontrar um psicólogo ou psiquiatra do século XIX que não reconhecia que a atividade cerebral inconsciente era não apenas real mas também da maior importância".[23]

Van Rilliaer poderia também haver mencionado que Eduard von Hartmann publicou um livro dedicado ao assunto, "Filosofia do inconsciente", em 1869 - antes de qualquer outra pessoa.

Os psicólogos alemães do século XIX Gustav Fechner e Wilhelm Wundt começaram a usar o termo "inconsciente" em sua psicologia experimental, no contexto de múltiplos e confusos dados dos sentidos que a mente organiza num nível inconsciente antes de revelá-los num todo convincente na forma consciente.[24]

Sigmund Freud e seus seguidores desenvolveram um registro da mente inconsciente. Ele tem um importante papel na psicanálise.

Carl Gustav Jung, um psiquiatra suíço, desenvolveu o conceito mais além. Ele concordou com Freud que o inconsciente é um determinante da personalidade, mas propôs que o inconsciente pode ser dividido em duas camadasː o inconsciente pessoal e o inconsciente coletivo.

Modelos do inconscienteEditar

 
Modelo da psique proposto pela teoria de Freud.

O inconsciente define[25] um complexo psíquico (conjunto de fatos e processos psíquicos) de natureza praticamente insondável, misteriosa, obscura, de onde brotariam as paixões, o medo, a criatividade e a própria vida e morte.

Nos livros "Psicopatologia da vida cotidiana" e "A Interpretação dos sonhos", Sigmund Freud mostra que há um significado nos esquecimentos e outros atos falhos e nos sonhos, que não está em geral aparente de imediato. O fato de haver esse significado, mas ao mesmo tempo que ele não seja transparente ao indivíduo, sugere que o que consideramos nossa mente é como uma ponta de um aicebergue. A parte submersa seria, então, o inconsciente.

O conceito de inconsciente de Carl Gustav Jung se contrapõe ao conceito de subconsciente ou pré-consciente de Freud. O pré-consciente seria o conjunto de processos psíquicos latentes, prontos a emergirem para se tornarem objetos da consciência. Assim, o subconsciente poderia ser explicado pelos conteúdos que fossem aptos a se tornarem conscientes (determinismo psíquico). Já o inconsciente seria uma esfera ainda mais profunda e insondável. Haveria níveis no inconsciente mesmo inatingíveis.

O inconsciente não se confunde com o id.[26][27] Este é em pequena parte consciente, enquanto o ego e o superego possuem porções inconscientes.

Jung separou o inconsciente pessoal do inconsciente coletivo[28]. À camada mais profunda da psique humana deu o nome de inconsciente coletivo e concebeu o seu conteúdo como uma combinação de padrões e forças universalmente predominantes, chamadas "arquétipos" e "instintos". Em sua concepção, nada existe de individual ou único nos seres humanos nesse nível. Todos temos os mesmos arquétipos e instintos. O inconsciente é povoado por complexos. Foi esse o território que Jung explorou inicialmente em sua carreira como psiquiatra. Depois deu-lhe o nome de inconsciente pessoal. Todas as experiências comuns às mãos de pessoas que se encontram similarmente investidas de autoridade criam padrões psicológicos de base social, através de uma espécie de sutil programação do inconsciente pessoal. Os complexos materno e paterno continuam a dominar a cena no inconsciente pessoal. São os gigantes. Hoje, não existe consenso sobre se realmente existe um inconsciente coletivo, igual ou distribuído igualmente entre todas as culturas e povos. Mas os estudos de mitologia/religião comparada, de todos os povos e de todas as épocas da humanidade, dão fortes indícios e força a esse modelo. Cabe aqui citar um grande nome nessa área, Joseph Campbell, autor do livro The Power of Myth (O Poder do Mito). Seus estudos reforçam o modelo de inconsciente coletivo de Jung.

ControvérsiaEditar

Existe uma polêmica sobre a existência ou não da mente inconsciente.

Franz Brentano rejeitou o conceito de inconsciente em seu livro de 1874 "Psicologia de um ponto de vista empírico", embora sua rejeição se baseie em suas definições de "consciência" e "inconsciência".[29] Jean-Paul Sartre oferece uma crítica à teoria do inconsciente de Freud em seu livro O Ser e o Nada, baseado na afirmação de que a consciência é, essencialmente, autoconsciente. Sartre também argumenta que a teoria freudiana da repressão tem uma falha interna. O filósofo Thomas Baldwin argumenta que o argumento de Sartre se baseia numa má compreensão sobre Freud.[30] Erich Fromm argumenta que "a expressão 'o inconsciente' é uma mistificação (embora possa ser usada por razões de conveniência, como sou culpado de estar fazendo nestas páginas). Não existe algo como 'o' inconsciente; existem, apenas, experiências das quais temos consciência, e outras das quais não temos consciência, ou seja, das quais somos inconscientes. Se eu odeio um homem porque o temo, e sou consciente do meu ódio mas não do meu medo, podemos dizer que meu ódio é consciente e meu medo é inconsciente; ainda assim, meu medo não reside nesse lugar misteriosoː 'o' inconsciente".[31]

John Searle ofereceu uma crítica ao inconsciente freudiano. Ele argumenta que os casos freudianos de estados mentais rasos, conscientemente mantidos poderiam ser melhor caracterizados como "consciência reprimida", enquanto a ideia de estados mentais mais profundamente inconscientes é mais problemática. Ele argumenta que a própria noção de coleção de "pensamentos" que existe em uma região privilegiada da mente que nunca é acessível à mente consciente é incoerente. Isso não implica que não existam processos "não conscientes" que formam a base de muito da vida consciente. Ao invés disso, Searle, simplesmente, argumenta que postular a existência de algo que é como um "pensamento" em tudo exceto no fato de que ninguém pode ter consciência dele (de fato, não pode sequer "pensar" nele) é um conceito incoerente. Falar de "algo" como sendo um "pensamento" implica que ou ele está sendo pensado por um pensador, ou poderia ser pensado por um pensador. Processos que não são relacionados causalmente ao fenômeno chamado pensamento são mais apropriadamente chamados de processos não conscientes do cérebro.[32]

Outros críticos do inconsciente freudiano são David Stannard,[33] Richard Webster,[34] Ethan Watters,[35] Richard Ofshe[36] e Eric Thomas Weber.[37]

David Holmes[38] examinou sessenta anos de pesquisa sobre o conceito freudiano de repressão, e concluiu que não existe evidência positiva para esse conceito. Devido à falta de evidência para muitas hipóteses freudianas, alguns pesquisadores propuseram a existência de mecanismos inconscientes que são muitos diferentes dos mecanismos freudianos. Esses pesquisadores falam de um "inconsciente cognitivo" (John Kihlstrom),[39][40] um "inconsciente adaptativo" (Timothy Wilson),[41] ou um "inconsciente idiota" (Loftus e Klinger),[42] que executa processos automáticos mas não possui os complexos mecanismos de repressão e retorno simbólico do reprimido.

Na moderna psicologia cognitiva, muitos pesquisadores procuraram retirar, da noção de inconsciente, o seu passado freudiano, e termos alternativos como "implícito" e "automático" foram adotados. Essas tradições enfatizam o grau pelo qual os processos cognitivos acontecem fora do âmbito da atenção cognitiva, e mostram como as coisas das quais somos inconscientes, não obstante, influenciam outros processos cognitivos, assim como o comportamento.[43][44][45][46][47] Tradições de pesquisa ativa sobre o inconsciente incluem memória implícita e aquisição não consciente de conhecimento.

Psicologia cognitiva contemporâneaEditar

PesquisaEditar

Enquanto, historicamente, a tradição de pesquisa psicanalítica foi a primeira a focar no fenômeno da atividade mental inconsciente, existe um extensivo corpo de pesquisa conclusiva e conhecimento em psicologia cognitiva contemporânea devotado à atividade mental que não é mediada pela atenção consciente.

A maior parte da pesquisa cognitiva sobre os processos inconscientes foi feita na tradição acadêmica dominante do paradigma do processamento da informação. Em oposição à tradição psicanalítica, guiada por conceitos relativamente especulativos (no sentido de ser dificilmente verificáveis empiricamente) como o complexo de Édipo e o complexo de Electra, a tradição cognitiva de pesquisa sobre os processos inconscientes baseia-se em relativamente poucas premissas teóricas e é empiricamente orientada (isto é, primordialmente orientada pelos dados). A pesquisa cognitiva revelou que, automaticamente, e claramente fora da atenção consciente, os indivíduos registram e adquirem mais informação do que eles podem experimentar através de seus pensamentos conscientes.[48]

Processamento inconsciente de informação sobre frequênciaEditar

Por exemplo, uma extensa linha de pesquisa conduzida por Hasher e Zacks[49] demonstrou que os indivíduos registram informação sobre a frequência de eventos automaticamente (isto é, fora da atenção consciente e sem o uso de recursos conscientes de processamento da informação). Mais ainda, as pessoas fazem isso de modo não intencional, "automaticamente", não importa as orientações que elas recebam. A habilidade de registrar inconscientemente e de modo relativamente acurado a frequência de eventos aparenta ter pouca ou nenhuma relação com a idade da pessoa,[50] educação, inteligência ou personalidade. Consequentemente, pode representar um dos elementos fundamentais de construção da orientação humana no ambiente e possivelmente da aquisição de conhecimento processual e de experiência em geral.

Ver tambémEditar

Referências

  1. MENEGHETTI, Antonio. Dicionário de Ontopsicologia. 2 ed. rev. Recanto Maestro: Ontopsicologica Editrice, 2008. ISBN 978-85-88381-41-4
  2. Pervin, Lawrence A.; Cervone, Daniel & John, Oliver (2005). Persönlichkeitstheorien. München: Reinhardt. ISBN 3-497-01792-2
  3. Noé, Sidnei Vilmar (2015). «O Inconsciente é a Chave para o Consciente: A Psique Humana, segundo C. G. Carus». Estudos Teológicos. 55 (1). ISSN 2237-6461. doi:http://dx.doi.org/10.22351/et.v55i1.2431 Verifique |doi= (ajuda) 
  4. Jung, C.G. ([1959] 1969). The Archetypes and the Collective Unconscious, Collected Works, Volume 9, Part 1, Princeton, N.J.: Princeton University Press. ISBN 0-691-01833-2
  5. Alexander, C. N. (1990). Growth of Higher Stages of Consciousness: Maharishi's Vedic Psychology of Human Development, in C. N. Alexander and E.J. Langer (eds.). Higher Stages of Human Development. Perspectives on Human Growth. [S.l.]: New York, Oxford: Oxford University Press 
  6. Meyer-Dinkgräfe, D. (1996). Consciousness and the Actor. A Reassessment of Western and Indian Approaches to the Actor's Emotional Involvement from the Perspective of Vedic Psychology. [S.l.: s.n.] ISBN 978-0-8204-3180-2 
  7. Haney, W.S. II. "Unity in Vedic aesthetics: the self-interac, the known, and the process of knowing". Analecta Husserliana and Western Psychology: A Comparison' 1934. [S.l.: s.n.] 
  8. Harms, Ernest. (1967). Origins of Modern Psychiatry. [S.l.]: Thomas. ASIN: B000NR852U 
  9. M. D. Faber (1970). The Design Within: Psychoanalytic Approaches to Shakespeare. [S.l.]: New York: Science House 
  10. Meyer-Dinkgräfe, Daniel (1998e). "Hamlet's Procrastination: A Parallel to the Bhagavad-Gita", in Hamlet East West, edited by Marta Gibinska and Jerzy Limon. [S.l.]: Gdansk: Theatrum Gedanese Foundation 
  11. Meyer-Dinkgräfe, Daniel (1996a). Consciousness and the Actor: A Reassessment of Western and Indian Approaches to the Actor's Emotional Involvement from the Perspective of Vedic Psychology. [S.l.]: Frankfurt am Main: Peter Lang 
  12. Yarrow, Ralph (julho-dezembro de 1997). "Identity and Consciousness East and West: the case of Russell Hoban". Journal of Literature & Aesthetics. 5 (2): 19–26. [S.l.: s.n.]  Verifique data em: |ano= (ajuda)
  13. Ernst Platner (1793 [1776]). Philosophische Aphorismen nebst einigen Anleitungen zur philosophischen Geschichte, Vol. 1. [S.l.]: Leipzig: Schwickertscher Verlag  Verifique data em: |ano= (ajuda)
  14. Angus Nicholls e Martin Liebscher (2010). Thinking the Unconscious: Nineteenth-Century German Thought. [S.l.]: Cambridge University Press 
  15. Bynum; Browne; Porter (1981). The Macmillan Dictionary of the History of Science. [S.l.: s.n.] 
  16. Angus Nicholls e Martin Liebscher (2004). Encyclopedia of the Romantic Era, 1760-1850. [S.l.]: Taylor & Francis. ISBN 1-57958-422-5 
  17. Ellenberger, H. (1970). The Discovery of the Unconscious: The History and Evolution of Dynamic Psychiatry. [S.l.]: New York: Basic Books 
  18. Young, Christopher e Brook, Andrew (1994). Schopenhauer and Freud. [S.l.: s.n.] 
  19. Friedrich Nietzsche (1886). "The Gay science". [S.l.: s.n.] 
  20. Serge Nicolas e Laurent Fedi (2008). "Un débat sur l'inconscient avant Freud: la réception de Eduard von Hartmann chez les psychologues et philosophes français". [S.l.]: L'Harmattan 
  21. Serge Nicolas e Laurent Fedi (2008). "Un débat sur l'inconscient avant Freud: la réception de Eduard von Hartmann chez les psychologues et philosophes français". [S.l.]: L'Harmattan 
  22. Meyer, Catherine (2005). Le livre noir de la psychanalyse: Vivre, penser et aller mieux sans Freud. [S.l.]: Paris: Les Arènes 
  23. Altschule, Mark (1977). Origins of Concepts in Human Behavior. [S.l.]: New York: Wiley 
  24. Wozniak, Robert H. (1992). Mind and Body: Rene Déscartes to William James. [S.l.]: Washington DC: American Psychological Association 
  25. Sebastian Gardner, O Inconsciente Freudiano. Acessado em 2 de agosto de 2010.
  26. Vincenzo Di Matteo, DO INCONSCIENTE AO ID: gênese de uma idéia. SYMPOSIUM, Revista da UNICAP, v.28,n.1, p.118-136, 1986 (acessado em 4 de agosto de 2010).
  27. CURSO DE PSICANÁLISE INTEGRATIVA. Acessado em 4 de agosto de 2010.
  28. Rodrigo Zanatta, O Id e o Inconsciente Coletivo. Dezembro de 1999 (acessado em 2 de agosto de 2010).
  29. Vitz, Paul C. (1988). Sigmund Freud's Christian Unconscious. [S.l.]: New York: The Guilford Press. ISBN 978-0-89862-673-5 
  30. Thomas Baldwin (1995). The Oxford Companion to Philosophy. [S.l.]: Oxford: Oxford University Press. ISBN 978-0-19-866132-0 
  31. Fromm, Erich (1980). Beyond the Chains of Illusion: My Encounter with Marx & Freud. [S.l.]: London: Sphere Books 
  32. Searle, John (1994). The Rediscovery of the Mind. [S.l.]: MIT Press 
  33. Shrinking History: On Freud and the Failure of Psychohistory. [S.l.]: Oxford University Press. 1980 
  34. Why Freud Was Wrong: Sin, Science and Psychoanalysis. [S.l.]: The Orwell Press. 2005 
  35. Therapy's Delusions: The Myth of the Unconscious and the Exploitation of Today's Walking Worried. [S.l.]: Scribner. 1999 
  36. Therapy's Delusions: The Myth of the Unconscious and the Exploitation of Today's Walking Worried. [S.l.]: Scribner. 1999 
  37. ERIC THOMAS WEBER. «JAMES'S CRITIQUES OF THE FREUDIAN UNCONSCIOUS – 25 YEARS EARLIER» (PDF). Consultado em 15 de outubro de 2019  line feed character character in |título= at position 48 (ajuda)
  38. «Dr David A Holmes: Publications». Consultado em 15 de outubro de 2019 
  39. Kihlstrom, J.F. (2002). "The unconscious". In Ramachandran, V.S. (ed.). Encyclopedia of the Human Brain. 4. pp. 635–646. [S.l.]: San Diego CA: Academic. 
  40. Kihlstrom, J.F.; Beer, J.S.; Klein, S.B. (2002). "Self and identity as memory". In Leary, M.R.; Tangney, J. (eds.). Handbook of self and identity. [S.l.]: New York: Guilford Press. 
  41. Wilson T. D. Strangers to Ourselvesː Discovering the Adaptive Unconscious. [S.l.: s.n.] 
  42. Loftus EF, Klinger MR (1992). "Is the unconscious smart or dumb?". Am Psychol. 47 (6): 761–5. [S.l.: s.n.] 
  43. Greenwald AG, Draine SC, Abrams RL (1996). "Three cognitive markers of unconscious semantic activation". Science. 273 (5282): 1699–702. [S.l.: s.n.] 
  44. Gaillard R, Del Cul A, Naccache L, Vinckier F, Cohen L, Dehaene S (2006). "Nonconscious semantic processing of emotional words modulates conscious access". Proc. Natl. Acad. Sci. U.S.A. 103 (19): 7524–9. [S.l.: s.n.] 
  45. Kiefer M, Brendel D (2006). "Attentional modulation of unconscious "automatic" processes: evidence from event-related potentials in a masked priming paradigm". J Cogn Neurosci. 18 (2): 184–98. [S.l.: s.n.] 
  46. Naccache L, Gaillard R, Adam C; et al. (2005). "A direct intracranial record of emotions evoked by subliminal words". Proc. Natl. Acad. Sci. U.S.A. 102 (21): 7713–7. [S.l.: s.n.] 
  47. Smith, E.R.; DeCoster, J. (2000). "Dual-Process Models in Social and Cognitive Psychology: Conceptual Integration and Links to Underlying Memory Systems" (PDF). Personality and Social Psychology Review. 4 (2): 108–131. [S.l.: s.n.] 
  48. Augusto, L.M. (2010). "Unconscious knowledge: A survey". Advances in Cognitive Psychology. 6: 116–141. doi:10.2478/v10053-008-0081-5. [S.l.: s.n.] 
  49. Hasher L, Zacks RT (1984). "Automatic processing of fundamental information: the case of frequency of occurrence". Am Psychol. 39 (12): 1372–88. doi:10.1037/0003-066X.39.12.1372. [S.l.: s.n.] 
  50. Connolly, Deborah Ann (1993). A developmental evaluation of frequency information in lists, scripts, and stories. [S.l.]: Wilfrid Laurier University 

BibliografiasEditar

  • AUGUSTO, Luís M. Freud, Jung, Lacan: Sobre o Inconsciente. Porto: U.Porto Editorial, 2013. ISBN 978-989-746-029-6
  • In: SIGMUND, Freud. O caso Shereber, artigos sobre técnica e outros trabalhos. Edição Standard Brasileira. Vol. XII. Rio de janeiro: Imago.
  • JUNG, Carl Gustav. "Memórias, Sonhos e Reflexões", autobiografia de Jung, Editora Nova Fronteira S.A.
  • MARTINS, Roberto de Andrade. Universo: teorias sobre sua origem e evolução. São Paulo : Moderna.
  • STEIN, Murray. Jung, O Mapa da Alma, uma introdução, São Paulo, Editora Cultrix.

Ligações externasEditar