Abrir menu principal

Independente Atlético Clube (Uberaba)

Índice

Ligações externas

Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde maio de 2015).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Independente
 
Nome Independente Atlético Clube
Alcunhas Time Cadete; Tremendão; Azulão;
Torcedor/Adepto Azulino ; Independentista
Mascote Azulão
Fundação 23 de março de 1938
Estádio Antônio Dal Secchi
Capacidade 6.000
Presidente   Tulio Jorge Miranda
Competição   Campeonato Mineiro
Website www.independenteac.com
     
 
 
Uniforme
titular
     
 
 
Uniforme
alternativo
editar

O Independente Atlético Clube é um clube brasileiro de futebol, sediado na cidade de Uberaba, no estado de Minas Gerais. Suas cores são azul e branco.

É chamado popularmente de "Azulão", que, além de seu mascote, faz alusão a uma das cores do clube, o azul - a outra é o branco. O clube manda suas partidas no Estádio Antônio Dal Secchi, cuja capacidade é para pouco mais de 6 mil torcedores. Seu maior rival no esporte é o Nacional Futebol Clube (Uberaba).

Com 10 títulos citadinos, é o maior vencedor do Campeonato Amador[1]. Há, também, uma rivalidade com o Uberaba Sport Club, a grande equipe do Triângulo Mineiro.

HistóriaEditar

Fundação e Primeira PartidaEditar

O Independente foi fundado no dia 23 de março de 1938, por dissidentes do Uberaba Sport Club, liderados por Sebastião Bráz (avô de Fernando Vanucci). Seu primeiro presidente foi o tabelião Mário de Moraes e Castro (avô do jornalista Mário Prata).

A primeira partida da história do Independente ocorreu justamente contra o Uberaba. O Indepentende, reforçado com estrelas como Feitiço, Waldemar de Brito (o homem que descobriu Pelé para o futebol) e Zeca Lopes (titular da Seleção Brasileira na Copa do Mundo de 1938) venceu pelo placar de 2x1.

Trajetória no "Amadorão" UberabenseEditar

O Campeonato Amador de Futebol de Uberaba ("Amadorão") começou a ser disputado em 1943, organizado pela Liga Uberabense de Futebol (LUF) e teve, como seu primeiro campeão, a Associação Esportiva Merceana. O Independente, grande força do futebol amador de Uberaba nas décadas de 1940 e 1950, possui 10 títulos neste torneio (1946/1947/1948/1949/1950/1957/1958/1969/1975 e 1977), além da conquista da Taça Uberaba, em 1994.

A formação do time pentacampeão (1946-1950) foi: Lilinho; Ataíde, Bilão, Djalma e Zé Inácio; Ivo, Beta e Ditinho; Zezé, Chiquinho e Helinho.

Como tradicional clube da cidade, o Independente conheceu o fundo do poço no "Amadorão" Uberabense em 2009, quando terminou na última colocação (15º. colocado) ao somar, em todo o campeonato, somente 01 ponto (em 14 jogos, sofreu 13 derrotas e obteve somente 01 empate, contra a Associação Esportiva Água Comprida, 11ª. colocada, em 4 X 4, marcando 15 gols e sofrendo 52, frutos de algumas goleadas sofridas, como na 3ª. rodada, para o campeão da edição, o Bonsucesso Atlético Clube, por 2 X 11) e ser rebaixado à Segunda Divisão do Torneio, onde permaneceu em 2010, 2011., 2012 e 2013.

Em 2014 após uma campanha sensacional conseguiu o acesso a primeira divisão do Amadorão, sagrando se vice campeão do campeonato amador 2014 da Liga Uberabense de Futebol, o time formado basicamente por jogadores formados na casa e liderados pelo treinador Marcio Sousa fez uma campanha histórica trazendo novamente os torcedores ao Antônio Dall Sechi, contando com o apoio da diretoria atual Adriano Carlos Siqueira Pires (Presidente) e Tulio Jorge de Miranda (vice-presidente) o clube promete não mais cair.

Curta Trajetória no Profissionalismo (mas com Título)Editar

Desde o início das atividades do futebol amador em Uberaba, a intensa rivalidade entre os principais clubes da cidade (Uberaba Sport Club, Nacional Futebol Clube e Independente Atlético Clube) fez com que um não ficasse "atrás do outro". A profissionalização do Uberaba Sport Club não foi um fato isolado na cidade e tornou-se o caminho seguido, também, pelos outros dois clubes adversários.

Em 1967, o Independente decidiu disputar o Campeonato Mineiro de Futebol Módulo II (série de acesso à elite do Campeonato Mineiro de Futebol). Na primeira fase, disputada entre julho e outubro do mesmo ano, o Independente enfrentou adversários da região, na chave batizada como "Zona Triângulo - Subzona I", como clubes das cidades de Ituiutaba (Associação Esportiva Ituiutabana e Ituiutaba Esporte Clube - atual Boa Esporte Clube), Araguari (Fluminense Futebol Clube e Araguari Atlético Clube) e da cidade de Manhuaçu (Ipiranga), obtendo, em 12 jogos, o excelente desempenho de 9 vitórias, 1 empate e 2 derrotas (aproveitamento de 78%). A segunda fase, denominada "Decisão da Zona Triângulo" e já disputada no início do ano de 1968, dava acesso às finais do torneio e, nesta, o Independente enfrentou o Esporte Clube Mamoré, de Patos de Minas, obtendo duas expressivas vitórias (6X0, em Uberaba, e 5X2, em Patos de Minas). Classificado às finais (na verdade, um triângular com jogos de ida e volta), o Independente encarou o Olympic Club, de Barbacena (2X2, em Barbacena, e 3X0, em Uberaba) e o Alfenense Futebol Clube, de Alfenas (6X4, em Uberaba, e 0X2, em Alfenas), obtendo o melhor aproveitamento e conquistando, assim, o título da competição e o direito de disputar o Campeonato Mineiro de Futebol de 1968, junto às principais equipes do Estado.

Esta campanha pode ser, assim, resumida: 18 jogos, 13 vitórias, 02 empates e 03 derrotas (aproveitamento de 76%), com 43 gols marcados (o artilheiro do time foi Sapucaia, com 19) e 20 gols sofridos.

A estreia do Independente na elite do futebol mineiro não foi das melhores: concluiu o campeonato mineiro de futebol profissional de 1968 na última colocação, obtendo somente 3 vitórias e sofrendo a então maior goleada da história do torneio (0 X 10 para o Cruzeiro Esporte Clube, o campeão desta edição, no Estádio Mineirão, com direito a 4 gols do craque Tostão).

Em 1969, o Independente conquistou um honroso 9° lugar no Campeonato Mineiro da Primeira Divisão, dentre 16 participantes, terminando, inclusive, uma posição à frente de um de seus grandes adversários, o Uberaba Sport Club.

Em 1970, mesmo convidado a participar do campeonato não conseguiu superar a grave crise financeira e iniciou seu declínio. Em 1973, decidiu não renovar seus registros junto à Federação Mineira de Futebol e passou, apenas, a dedicar-se aos campeonatos organizados pela Liga Uberabense de Futebol (LUF), como o "Amadorão" de Uberaba.

Torneio Emancipação do Triângulo (1990)Editar

Em 1990, as discussões a respeito da criação do Estado do Triângulo estavam em alta. Aproveitando o ensejo e objetivando movimentar o futebol da cidade de Uberaba (e também a velha rivalidade que tanto movimentou o futebol uberabense, décadas antes), foi organizado o "Torneio Emancipação do Triângulo", que contou com a participação dos 3 principais clubes do município: Uberaba Sport Club, Nacional Futebol Clube e Independente Atlético Clube, que sagrou-se campeão de forma invicta após 4 jogos (0X0 contra o Uberaba Sport Club, 0X0 contra o Nacional Futebol Clube, 3X0 contra o Uberaba Sport Club e 3X1 contra o Nacional Futebol Clube).

Estádio Iluminado: A Realização de um Sonho AntigoEditar

No final de 2005, o estádio que leva o nome do ex-presidente do clube, Antônio Dal Secchi, recebeu sistema de iluminação, beneficiado pelo programa do Governo do Estado, "Campos de Luz". Na ocasião, foi disputada uma partida amistosa que reuniu os antigos craques de Uberaba.

Ensaio de Retorno ao Profissionalismo (2008)Editar

No ano em que completou 70 anos de sua fundação, a diretoria do clube, liderada por Antonio Alberto, anunciou a volta do Independente ao profissionalismo do futebol mineiro. Após as devidas regularizações junto à CBF e à Federação Mineira de Futebol, a equipe uberabense iniciou a reforma de seu estádio e o planejamento da montagem da equipe que representaria o clube no Campeonato Mineiro de Futebol da Segunda Divisão, a ser disputado no segundo semestre de 2008. Porém, após divergências internas (o Cruzeiro Esporte Clube, inicialmente, comandaria as categorias de base do clube e forneceria alguns jogadores à formação do elenco, mas a parceria acabou não concretizada), o clube desistiu de participar do torneio, às vésperas de seu início (o arbitral da Federação Mineira de Futebol já havia até sido realizado, definindo que o Independente estaria presente no Grupo B, ao lado de Tricordian, de Três Corações, Guaxupé, Varginha e do tradicional Fabril, de Lavras).

A Esperança de Dias MelhoresEditar

Inegavelmente, o anseio da torcida é de que o Independente consiga, o mais breve possível, retornar à primeira divisão do "Amadorão" Uberabense, de onde jamais deveria ter saído, ver o Estádio Antônio Dal Secchi reformado e oferecendo maior conforto ao público e conseguir voltar, realmente, ao futebol profissional mineiro, disputando o Campeonato Mineiro de Futebol da Segunda Divisão (na verdade, o 3º. nível do futebol de Minas Gerais). Seria algo como recomeçar uma história, que já soma 73 anos, do zero, envolvendo, em nome da tradição deste querido clube, enérgicas iniciativas da diretoria do clube, empresários da cidade, governo e lideranças políticas municipais e, claro, dos verdadeiros e apaixonados torcedores do Independente Atlético Clube. Trata-se, inegavelmente, de um árduo trabalho, mas que é, urgentemente, necessário e que deve ser iniciado o quanto antes para que possamos ver o "Tremendão" sorrir novamente!

TítulosEditar

EstaduaisEditar

ÍdolosEditar

Histórico em competições oficiaisEditar

Campeonato MineiroEditar

O Independente disputou o Campeonato Mineiro em 1968 e 1969.

Em 1970, mesmo convidado, desisitiu de participar.

   Este artigo sobre clubes brasileiros de futebol é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.