Abrir menu principal

Inquérito à Arquitectura Popular em Portugal

O Inquérito à Arquitectura Popular em Portugal designa uma série de trabalhos de campo levados a cabo na década de 50 do século XX por equipas de arquitectos portugueses, com o intuito de catalogar de forma objectiva a arquitectura vernacular no território português.

O nascimento do projectoEditar

A ideia de um inquérito à arquitectura regional portuguesa teve como base uma ideia dos arquitectos José Huertas Lobo e Francisco Keil do Amaral publicada em 1947 na revista Arquitectura: Revista de Arte e Construção editada pelo grupo ICAT.

A primeira iniciativa de concretização teve lugar em 1949, por iniciativa do Sindicato Nacional dos Arquitectos, então sob a presidência do arquitecto Francisco Keil do Amaral, e de cuja direcção faziam igualmente parte os arquitectos Inácio Peres Fernandes, Dário Vieira e João Simões, junto do Instituto de Alta Cultura, não tendo obtido qualquer resultado[1].

O apoioEditar

Seis anos mais tarde, em 1955, a iniciativa do Sindicato junto do então Ministro das Obras Públicas Eng.º Eduardo de Arantes e Oliveira, encontrou o apoio do Governo traduzido na concessão de um subsídio nas condições fixadas pelo Decreto-Lei n.º 40 349, de 19 de Outubro de 1955[2].

A concretizaçãoEditar

O inquérito abrangeu o território do Continente, que para o efeito foi dividido em seis regiões, contando cada uma com uma equipa de três arquitectos:

Durante os três meses em que decorreram os trabalhos do inquérito, as seis equipas percorreram cerca de 50 000 quilómetros, de automóvel, de scooter, a cavalo e a pé, fizeram cerca de 10 000 fotografias, centenas de desenhos e tomaram milhares de notas escritas[1].

A publicaçãoEditar

Em 1961, o Sindicato Nacional dos Arquitectos editava, em dois volumes, e sob o título Arquitectura Popular em Portugal, o resultado deste trabalho[1].

A obra foi reeditada em 1980, num só volume, pela Associação dos Arquitectos Portugueses, havendo ainda uma 3.ª edição, de 1988, em 3 volumes, igualmente da responsabilidade da Associação dos Arquitectos Portugueses, e uma 4.ª edição, em dois volumes, de 2004, agora da responsabilidade da Ordem dos Arquitectos[3].

O arquivo de imagensEditar

O arquivo das imagens recolhidas durante o inquérito — cerca de 10 000 — vai ser objecto de digitalização e disponibilização online[4].

Notas

  1. a b c Introdução à 1.ª edição de Arquitectura Popular em Portugal, Lisboa, Sindicato Nacional dos Arquitectos, 1961.
  2. Decreto-Lei n.º 40349, de 19 de Outubro de 1955.
  3. Cf. PORBASE.
  4. Notícia publicada no site da Ordem dos Arquitectos em 25 de Julho de 2011.

Ligações externasEditar