Abrir menu principal

Instituto Casa da Glória

Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações (desde setembro de 2015). Ajude a melhorar este artigo inserindo fontes.


Casa da Glória[1]
Casa da Glória em 2010
Nomes anteriores Orfanato de Nossa Senhora das Dores[1]
Educandário Feminino de Nossa Senhora das Dores

[1]

Nomes alternativos Centro de Geologia Eschwege
Início da construção 1775 (244 anos) [1]
Local Diamantina - MG, Brasil Brasil.[1]
Endereço Rua da Glória, 298[1]

A Casa da Glória é onde está localizado o Centro de Geologia Eschwege, que é propriedade do Instituto de GeoCiências da Universidade Federal de Minas Gerais.

HistóriaEditar

Foi construída no século XVI por Dona Josefa Maria da Glória, com o objetivo de demonstrar sua riqueza construindo várias janelas na casa. Após a morte de seu marido, Josefa doou a casa para o Bispo Dom João Antônio dos Santos que cedeu o local para as Irmãs Viscentinas de Paula, assim fazendo o voto de Clausura no local.

No início do século XIX o Coronel Rodrigues de Freitas comprou e transformou a casa da frente em um prostíbulo. As freiras descordavam do que acontecia do outro lado da rua e resolveram juntar um dinheiro para poder comprar o prostíbulo, assim transformando em mais uma expansão de suas casas. Porém, como haviam feito o voto de Clausura, elas não podia sair de sua casa e ir para a outra, então construíram a passarela de travessia inspirada no último suspiro de Veneza (Itália).

Por volta de 1867, com a finalidade de abrigar religiosas da ordem de São Vicente de Paulo, ocorrem algumas mudanças na Casa, que passa a ser conhecida como Orfanato, e posteriormente como Educandário Feminino de Nossa Senhora das Dores.

Posteriormente, as religiosas adquiriram o edifício do outro lado da rua, e, para unir as duas casas, construíram o famoso Passadiço de Diamantina.

Os habitantes mais antigos de Diamantina contam que a vida no orfanato era de muito sofrimento para as órfãs. Elas eram humilhadas pelas freiras e obrigadas a trabalhar arduamente.

Em 1969, pesquisadores alemães compraram a casa e a transformaram no Instituto Eschwege, que foi incorporada em 1979 pela UFMG, com o apoio do Ministério da Educação e da Cultura.

Desde de sua criação o Centro de Geologia Eschwege ministra cursos na área de geologia, assim como oferece sua infraestrutura para grupos de pesquisadores e grupos em atividades didáticas ou de pesquisa na Serra do Espinhaço.

Ligações externasEditar