Insurgência em Jamu e Caxemira

Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre a insurgência em Jamu e Caxemira. Para a disputa pela região da Caxemira, veja Conflito na Caxemira.

A Insurgência em Jamu e Caxemira é um conflito entre os insurgentes caxemires contra a administração indiana em Jamu e Caxemira.[1][2]

Insurgência em Jamu e Caxemira
Conflito na Caxemira
Kashmir map big.jpg
Caxemira : Mostrado em verde é a região da Caxemira sob controle paquistanês. A região de marrom-escuro representa o Estado de Jamu e Caxemira controlado pela Índia, enquanto o Aksai Chin sob controle chinês.
Data 1989-presente
Local Jamu e Caxemira
Desfecho Conflito em curso, em grande parte subsidiado
Beligerantes
Flag of India.svg India Jammu Kashmir Liberation Front flag.svg Frente de Libertação de Jamu e Caxemira

Flag of Jihad.svg Harkat-ul-Jihad al-Islami
Flag of Jihad.svg Lashkar-e-Taiba
Jaishi-e-Mohammed.svg Jaish-e-Mohammed
Flag of Jihad.svg Hizbul Mujahideen
Flag of Harkat-ul-Mujahideen.svg Harkat-ul-Mujahideen

Flag of Jihad.svg Al-Badr
Comandantes
Flag of Indian Army.svg Deepak Kapoor

Flag of Indian Army.svg Lt Gen P C Bhardwaj

Air Force Ensign of India.svg Pradeep Vasant Naik
Jammu Kashmir Liberation Front flag.svg Amanullah Khan

Flag of Jihad.svg Hafiz Muhammad Saeed
Jaishi-e-Mohammed.svg Maulana Masood Azhar
Flag of Jihad.svg Sayeed Salahudeen
Flag of Harkat-ul-Mujahideen.svg Fazlur Rehman Khalil
Flag of Harkat-ul-Mujahideen.svg Farooq Kashmiri
Flag of Jihad.svg Arfeen Bhai(until 1998)

Flag of Jihad.svg Bakht Zameen

Jammu e Caxemira, por muito tempo um terreno fértil de ambições separatistas,[3] tem sido assolada pela insurgência desde 1989. [4][2] Embora o fracasso do governo indiano e da democracia esteja na raiz do descontentamento inicial, o Paquistão desempenhou um papel importante na conversão deste último em uma insurgência totalmente desenvolvida.[1][5] Alguns grupos insurgentes na Caxemira apoiam a independência completa, enquanto outros buscam adesão ao Paquistão. [6][5]

Mais explicitamente, as raízes da insurgência estão ligadas a uma disputa pela autonomia local.[7] O desenvolvimento democrático foi limitado na Caxemira até o final da década de 1970 e em 1988 muitas das reformas democráticas fornecidas pelo governo indiano foram revertidas e os canais não violentos para expressar o descontentamento foram limitados e causaram um aumento drástico no apoio aos insurgentes que defendiam a secessão violenta da Índia.[7] Em 1987, uma disputada eleição estadual[8] criou um catalisador para a insurgência quando resultou na formação de grupos insurgentes armados por alguns dos membros da assembleia legislativa do estado.[9][10][11] Em julho de 1988, uma série de manifestações, greves e ataques ao governo indiano deram início à insurgência caxemire, que durante a década de 1990 se transformou na questão de segurança interna mais importante da Índia.

O Paquistão afirma estar dando seu apoio "moral e diplomático" ao movimento separatista.[12] O Inter-Services Intelligence paquistanês foi acusado pela Índia e pela comunidade internacional de apoiar, fornecer armas e treinar os mujahideen[13][14] para combater em Jammu e Caxemira.[15][14][16] Em 2015, o ex-presidente do Paquistão Pervez Musharraf admitiu que o Paquistão havia apoiado e treinado grupos insurgentes na década de 1990.[17] A Índia pediu repetidamente ao Paquistão que acabe com seu "terrorismo transfronteiriço" na Caxemira.[12] Vários novos grupos militantes com visões islamistas radicais surgiram e mudaram a ênfase ideológica do movimento. Isso aconteceu em parte devido a um grande número de combatentes islamistas "Jihadi" (mujahideen) que entraram no vale da Caxemira após o fim da Guerra Soviético-Afegã na década de 1980.[12]

O conflito entre os militantes e as forças indianas causou grande número de vítimas.[18] Muitos civis também morreram como resultado de serem alvos de vários grupos armados.[19] De acordo com dados oficiais divulgados na assembleia de Jammu e Caxemira, houve 3.400 casos de desaparecimento e o conflito deixou mais de 47.000 mortos, incluindo 7.000 policiais em julho de 2009. [20] Alguns grupos de direitos reivindicam um número maior de 100.000 mortes desde 1989.[21] Desde a revogação do status especial de Jammu e Caxemira em agosto de 2019, os militares indianos intensificaram suas operações de contra-insurgência. Os confrontos no primeiro semestre de 2020 deixaram 229 mortos, incluindo 32 civis. As 283 pessoas mortas em todo o ano de 2019 foi o maior número de mortos em uma década. [22]

Grupos Internacionais de Direitos Humanos acusam o exército indiano de cometer graves violações dos direitos humanos no Estado de Jamu e Caxemira [23]

Referências

  1. a b Kazi, Seema (2017), «Law, Gender and Governance in Kashmir», in: Chitralekha Zutshi, Kashmir: History, Politics, Representation, ISBN 978-1-108-22612-7, Cambridge University Press, pp. 150–171, 153 
  2. a b Slater, Joanna (28 de março de 2019), «From scholars into militants: Educated Kashmiri youths are joining an anti-India insurgency», The Washington Post 
  3. The Editorial Board (6 de agosto de 2019), «India Tempts Fate in Kashmir, 'The Most Dangerous Place in the World'», New York Times  "The Himalayan territory of Kashmir has long been the central source of friction between India and Pakistan and a hotbed of separatist aspirations."
  4. Ratcliffe, Rebecca (4 de agosto de 2019), «Heightened security and anxiety in Kashmir amid fears of unrest», Guardian  "Kashmir is claimed by India and Pakistan in full and ruled in part by both. An insurgency on the Indian-administered side has been ongoing for three decades, and tens of thousands of people have been killed."
  5. a b Kapur, S. Paul (2017), Jihad as Grand Strategy: Islamist Militancy, National Security, and the Pakistani State, ISBN 978-0-19-976852-3, Oxford University Press, pp. 84– 
  6. Conflict Encyclopedia – India: Kashmir Arquivado 2017-10-01 no Wayback Machine, Uppsala Conflict Data Program, 29 de Maio de 1977
  7. a b Uppsala Conflict Data Program Conflict Encyclopedia, Conflict Summary, Conflict name: India: Kashmir, "Roots of Conflict and the emergence of Kashmir Insurgents" Arquivado 2013-02-03 no Wayback Machine
  8. «Elections in Kashmir». Kashmirlibrary.org. Cópia arquivada em 1 de fevereiro de 2017 
  9. «Kashmir insurgency». BBC News. Cópia arquivada em 22 de fevereiro de 2017 
  10. Jeelani, Mushtaq A. (25 de Junho de 2001). «Kashmir: A History Littered With Rigged Elections». Media Monitors Network. Cópia arquivada em 4 de março de 2016 
  11. Hussain, Altaf (14 de setembro de 2002). «Kashmir's flawed elections». BBC News. Cópia arquivada em 26 de fevereiro de 2017 
  12. a b c «India Pakistan – Timeline». BBC News. BBC News. Cópia arquivada em 22 de fevereiro de 2017 
  13. Ali, Mahmud (9 de outubro de 2006). «Pakistan's shadowy secret service». BBC News. Cópia arquivada em 21 de fevereiro de 2017 
  14. a b Rashid, Ahmed (6 de outubro de 2006). «Nato's top brass accuse Pakistan over Taliban aid». The Daily Telegraph. Cópia arquivada em 22 de fevereiro de 2017 
  15. Gall, Carlotta (21 de janeiro de 2007). «At Border, Signs of Pakistani Role in Taliban Surge». The New York Times. Cópia arquivada em 31 de dezembro de 2016 
  16. Jehl, Douglas; Dugger, Celia W.; Barringer, Felicity (25 de fevereiro de 2002). «Death of Reporter Puts Focus on Pakistan Intelligence Unit». The New York Times 
  17. «Pakistan supported, trained terror groups: Pervez Musharraf». Business Standard. Press Trust of India. 28 de outubro de 2015. Cópia arquivada em 5 de Junho de 2017 
  18. Uppsala Conflict Data Program Conflict Encyclopedia, Conflict Summary, India: Kashmir (entire conflict), Fatality estimates.Arquivado 2013-02-03 no Wayback Machine
  19. Uppsala Conflict Data Program Conflict Encyclopedia, India One-sided violence, Government of India – civilians, Kashmir insurgents – civilians, Lashkar-e-Taiba – civilians, Arquivado 2013-02-03 no Wayback Machine
  20. Editorial, Reuters. «India revises Kashmir death toll to 47,000». Reuters India (em inglês). Cópia arquivada em 8 de Maio de 2017 
  21. «40,000 people killed in Kashmir: India». The Express Tribune. Cópia arquivada em 27 de fevereiro de 2017 
  22. «Kashmir: A year of lockdown and lost autonomy». DW. 4 de agosto de 2018 
  23. «India's Secret Army in Kashmir: New Patterns of Abuse Emerge in the Conflict». Human Rights Watch. 1 de maio de 1996. Consultado em 2 de janeiro de 2006