Intersexo

variação nas características sexuais que não permite distinguir um indivíduo entre masculino ou feminino

Intersexo, descreve pessoas que naturalmente desenvolvem uma combinação de características sexuais que não se encaixa nas noções típicas de sexo feminino ou sexo masculino, não se desenvolvem completamente como nenhuma delas ou desenvolvem naturalmente uma combinação de ambas.[1][2][3][4]

Bandeira intersexo, criada em 2013, pelo Morgan Carpenter, da Intersex Human Rights Australia

Segundo as Organização das Nações Unidas, entre 0,05% e 1,7% da população mundial é intersexo, a maior estimativa é semelhante ao número de pessoas naturalmente ruivas.[5]

Estimativas variam, tendo dados que afirmam que 1 em cada 200 pessoas são intersexo, outras 1 em 1,500 ou 2,000 nascimentos, existindo ainda números tão altos como 4% da população.[6][7][8][9][10]

Tal como as pessoas não-intersexo, a identidade de género, expressão de género e orientação sexual que uma pessoa intersexo possui varia mediante a pessoa.

Intersexo, em seres humanos, difere do termo hermafrodita, já bastante estigmatizado, por intersexo denotar várias maneiras que o sexo biológico de alguém pode naturalmente não se encaixar nas noções típicas de sexo masculino ou feminino, e não necessariamente uma questão de conseguir produzir dois tipos de gametas, como hermafrodita se refere. Algumas pessoas intersexo, como qualquer outra, poderão ser transgénero.[5] No entanto os dois conceitos são diferentes.[5]

Classificação das variações intersexoEditar

 
Escala Quigley para síndrome de insensibilidade androgénica.

Não existe somente uma maneira de ser intersexo. Algumas pessoas intersexo nascem com genitais atípicos, outras nascem com genitais completamente típicos, umas possuem cromossomas XX e possuem naturalmente um pénis e escroto, outras possuem cromossomas XY e possuem naturalmente uma vulva e vagina, entre outras maneiras de ser intersexo.[5] Algumas variações intersexo são visíveis ao nascimento, enquanto outras, não são aparentes até à puberdade. Outras podem inclusive não ser fisicamente aparentes.[5]

Existem diversas variações intersexo, dentre elas[8]:

HeterogeneidadeEditar

 Ver artigo principal: Heterogeneidade

Heterogeneidade significa diversidade genética e na aparência (fenótipo). No intersexo significa que algumas características sexuais da pessoa são femininas e outras são masculinas. Essas características sexuais podem ser relativas ao:

Por exemplo: Uma pessoa XY pode naturalmente desenvolver vagina, vulva, mamas, e testículos no lugar típico dos ovários. Uma pessoa com criptorquia bilateral tem pênis, mas seus testículos não produzem testosterona suficiente para desenvolver barba e voz grave.

HistóriaEditar

 
Escultura "Hermafrodita Dormindo", representativa da figura mitológica Hermafrodito, um ser intersexo.

Quer fossem ou não socialmente tolerado ou aceite por qualquer cultura em particular, a existência de pessoas intersexo era conhecida de muitas culturas antigas e pré-modernas. O historiador grego Diodorus Siculus escreveu sobre o mitológico Hermafrodito no primeiro século a.C., que "nasceu com um corpo físico que é uma combinação do de um homem e o de uma mulher", e possuía alegadamente propriedades sobrenaturais.[13]

Nas sociedades europeias, o direito romano, o direito canónico pós-clássico e, mais tarde, o direito comum, referia-se ao sexo de uma pessoa como masculino, feminino ou hermafrodita, com direitos legais como masculino ou feminino, dependendo das características que "pareciam mais dominantes"[14]. O Decretum Gratiani do século XII afirma que "Se um hermafrodita pode testemunhar um testamento, depende do sexo que prevalece".[15][16][17] O fundamento da lei comum, os Institutos dos Lawes of England do século XVII, descreveram como uma pessoa "hermafrodita" poderia herdar "ou como macho ou fêmea, de acordo com aquele tipo de sexo que prevalece"[18][19] Os casos legais têm sido descritos no direito canônico e em outros lugares ao longo dos séculos.

Algumas sociedades não europeias têm sistemas de sexo ou género que reconhecem mais do que as duas categorias de homem ou mulher e sexo masculino ou feminino. Algumas dessas culturas, por exemplo as comunidades Hijra do Sul da Ásia[20], podem incluir pessoas intersexo em uma terceira categoria de género. Embora, segundo Morgan Holmes, os antropólogos ocidentais classificaram essas culturas como "primitivas", Holmes argumentou que as análises dessas culturas têm sido simplistas ou romantizadas e não levam em conta a forma como os sujeitos de todas as categorias são tratados[21].

Durante a era vitoriana, autores médicos introduziram os termos "hermafrodita verdadeiro" para um indivíduo com tecido ovariano e testicular, "pseudo-hermafrodita masculino" para uma pessoa com testículos, vulva e vagina ou genitais externos atípicos, e "pseudo-hermafrodita feminina" para uma pessoa com ovários, pénis e escroto ou genitais externos atípicos. Algumas mudanças posteriores na terminologia têm refletido avanços na genética, enquanto outras mudanças são sugeridas devido a associações pejorativas.[22]

O termo intersexualidade foi cunhado por Richard Goldschmidt em 1917.[23] A primeira sugestão para substituir o termo 'hermafrodita' por 'intersexo' foi feita por Cawadias na década de 1940.[24]

Desde o surgimento da ciência médica moderna, algumas pessoas intersexo com genitais externos atípicos tiveram estes modificados cirurgicamente para se parecerem com os genitais típicos. Cirurgiões identificaram bebés intersexo como uma "emergência social" quando nascem.[25] Uma "política de gênero ideal", desenvolvida inicialmente por John Money, afirmou que a intervenção precoce ajudou a evitar a confusão de identidade de género, mas tal carece de evidências[26], e as intervenções precoces têm consequências adversas para a saúde psicológica e física[27].

O diálogo entre os que antes eram grupos antagónicos de activistas e clínicos levou a apenas ligeiras mudanças nas políticas médicas e na forma como pacientes intersexo e as suas famílias são tratadas em alguns locais[28]. Em 2011, Christiane Völling tornou-se a primeira pessoa intersexo conhecida por processar alguém com sucesso por danos num caso trazido por intervenções cirúrgicas não consensuais.[29] Em Abril de 2015, Malta tornou-se o primeiro país a proibir intervenções médicas não consensuais para modificar as características sexuais, incluindo a de pessoas intersexo[30]. Muitas organizações da sociedade civil e instituições de direitos humanos apelam agora ao fim de intervenções desnecessárias não consentidas em indivíduos intersexo de modo a entrar dentro dos padrões de características sexuais, incluindo na declaração de Malta[31][32].

Integridade físicaEditar

Tem-se tornado prática comum sujeitar as crianças intersexo a intervenções cirúrgicas medicamente desnecessárias e a outros procedimentos que têm como propósito tentar fazer com que a sua aparência esteja de acordo com a noção típica de sexo masculino ou feminino.[1][33] Tais procedimentos, frequentemente irreversíveis, podem causar permanentemente infertilidade, dor, incontinência, perda de sensação no acto sexual, sofrimento mental para o resto da vida, incluindo depressão.[1][33]

Estes procedimentos, são regularmente praticados sem o pleno consentimento, livre e informado, da pessoa em questão. Muitas vezes, esta é demasiado nova para poder tomar uma decisão e estes procedimentos podem violar os seus direitos à integridade física, a viver livre de tortura e outros atos degradantes ou desumanos.[1][33]

Estas intervenções têm frequentemente como base normas culturais e de género e crenças discriminatórias relativas a pessoas intersexo e a sua integração na sociedade.[1][33] Atitudes discriminatórias não podem nunca justificar violações de direitos humanos, incluindo tratamento forçado e violações ao direito à integridade física.[1][33]

Tais procedimentos são algumas vezes justificados por argumentos com base em benefícios de saúde, mas estes são frequentemente propostos com base em provas fracas e sem a discussão de soluções alternativas que protejam a integridade física e respeitem a autonomia da pessoa.[1][33]

Tais crenças e pressões sociais são frequentemente refletidas pela comunidade médica, e também por familiares responsáveis das crianças intersexo, que encorajam ou dão o seu consentimento para que tais procedimentos sejam feitos. Independentemente da falta de indicação médica, necessidade ou urgência, e também apesar do facto de que tais procedimentos possam violar direitos humanos. Muitas vezes o consentimento é dado na ausência de informação sobre as consequências a curto e longo prazo sobre tal cirurgia e também com a falta de contacto com outras pessoas adultas intersexo e as suas famílias.[1][33]

Muitas pessoas adultas intersexo que foram expostas a cirurgias enquanto crianças realçam a vergonha e estigma associados à tentativa de apagar os seus traços intersexo, tal como o sofrimento físico e mental, incluindo como resultado as cicatrizes extensivas e dolorosas. Muitas também sentem que foram forçadas a assumirem um sexo e género que não lhes é adequado.[1][33]

Dado a natureza irreversível e o impacto na autonomia e integridade física da pessoa, tais procedimentos cirúrgicos, desnecessários, tais procedimentos procuram ser proibidos.[1][33]

Modificação das características sexuaisEditar

O tipo de procedimentos vai depender da variação intersexo, existem dois modelos possíveis[8]:

  • Modelo centrado no sigilo e cirurgia: Fazer a cirurgia e medicar nos primeiros 24 meses de vida;
  • Modelo centrado na pessoa intersexo: Esperar a pessoa intersexo crescer, explicar a complexidade das questões envolvidas e permitir que tome a decisão sobre como agir quanto às suas características sexuais (seja, se deseja alterações, o momento que as faz, ou quais faz).

Em caso de clitoromegalia e micropénis, esperar antes de fazer a cirurgia é importante para não correr o risco de prejudicar a funcionalidade do órgão sexual.[8] Outro motivo para esperar antes de fazer a cirurgia é evitar a insatisfação da pessoa intersexo na alteração.[34][35][8] É importante que a família e a pessoa intersexo possua acompanhamento psicoterapêutico para lidar com a ansiedade e frustração que pode vir acompanhada a toda a complexidade envolvida em ser intersexo.[8]

Assim o tratamento moderno envolve psicoterapia para a pessoa intersexo e a sua família, cirurgia de redesignação sexual, cirurgia plástica para caso queira modificar as suas características sexuais ou terapia hormonal, caso desejada. Sendo mais fácil a construção de uma vulva e vagina, ela tem sido preferida pelo modelo médico tradicional. Mesmo na abordagem centrada na pessoa intersexo, recomenda-se que a cirurgia seja feita caso haja sério prejuízo funcional e desconforto genital.[8]

Ser intersexo é frequentemente tratado como algo de carácter patológico, que deve ser corrigido com terapia hormonal ou cirurgias para normalizar as características sexuais das pessoas intersexo.[5] Se uma variação intersexo é descoberta no nascimento ou durante a infância, os procedimentos médicos podem ser realizados sem que a criança ou pessoas responsáveis pela criança deem consentimento ou até mesmo estejam cientes, e muitas pessoas intersexo não são informadas sobre a sua variação intersexo, mesmo quando adultas.[5]

EugeniaEditar

A medicina tradicionalmente considera as variações intersexo como “distúrbios do desenvolvimento sexual” (“DSDs”)[36][37]. Esse enquadramento das variações intersexo promove a ideia de que uma variação do intersexo é indesejável[37][36].

Muitas variações intersexo são genéticas e, com o tempo, um número crescente de causas genéticas para traços intersexo está sendo descoberto. As justificativas para a eliminação de variações intersexo por meio de tecnologias de triagem genética frequentemente refletem as justificativas para cirurgias genitais e gonadais pós-natais - isto é, estão baseadas na ideia de que é errado crescer com características sexuais atípicas.[36]

Em muitos casos, os traços intersexo são considerados adequados para eliminação do pool genético e podem ser oferecidos a famílias de indivíduos com um traço intersexo identificado. FIV e outras formas de triagem genética podem eliminar as variações dos cromossomas sexuais.[36] Exemplos incluem:

A insensibilidade a andrógenos, deficiência de 5α-redutase (5α-RD2) e deficiência de 17ß-hidroxiesteróide desidrogenase 3 (17β-HSD3) podem ser determinadas por meio de testes específicos que podem ser propostos se familiares tiverem um diagnóstico relevante. Essas características parecem ser consideradas adequadas para eliminação, mas não há fatores substantivos de saúde ou qualidade de vida que justifiquem a eliminação, exceto o risco de intervenções médicas forçadas (para as quais lemos risco de estigmátização) para sustentar esses fundamentos[36].

As variações dos cromossomas sexuais, como 47XXY (Klinefelter) e 45X0 (Turners) podem ser estabelecidas por fertilização in vitro e outros testes. Essas características às vezes estão associadas a problemas de saúde cognitiva e física, por exemplo, 47XXY está associado a hipogonadismo e uma série de outros problemas, mas há baixas taxas gerais de diagnóstico para essa variação.[36][38] Baixas taxas de diagnóstico podem estar associadas à expressão variável do traço. As variações dos cromossomas sexuais também estão associadas a taxas mais altas de aborto espontâneo.

No caso de hiperplasia adrenal congênita, o tratamento pré-natal com dexametasona pode ser oferecido para minimizar a expressão física do traço. Este tratamento é controverso, pois foi diretamente associado a consequências para o comportamento e orientação sexual da criança futura[39][40][36][41], desenvolvimento cognitivo[36][41] e fertilidade[36]. Membros da família também podem receber o rastreamento genético.[36] A hiperplasia adrenal congênita pode estar associada à perda de sal, que é potencialmente fatal se não tratada - as cirurgias genitais são incapazes de resolver esse problema.[36]

Um estudo australiano de 2016 relatou um aumento na porcentagem de indivíduos com variações intersexo que recebem um diagnóstico genético de 13% para 35%[36].

Há uma longa história de pesquisas clínicas sobre as origens pré-natais ou genéticas da orientação sexual e identidade de género, muitas delas baseadas diretamente na pesquisa sobre variações das características sexuais ou na problematização da orientação sexual ou identidade de género em pessoas com variações intersexo[42][43][44][36]. Consequentemente, essas questões têm implicações para outras minorias sexuais e de género[36][45].

A discriminação na aplicação de tecnologias de triagem e manipulação genética é uma questão distinta para o acesso às tecnologias reprodutivas, incluindo o aborto[46]. A seleção e eliminação pré-natal com base nas características sexuais estão mais intimamente relacionadas à seleção de sexo com preconceito de género[47].

Discriminação contra indivíduos intersexoEditar

 Ver artigo principal: Intersexismo

As pessoas intersexo são frequentemente sujeitas a discriminação e abuso se for conhecido o facto de serem intersexo. Normalmente, as leis anti-discriminação não proíbem a discriminação contra pessoas intersexo, deixando-as vulneráveis a práticas discriminatórias em vários cenários, desde o acesso à saúde, educação, serviços públicos, emprego e desportos.[1][33]

Profissionais de saúde muitas vezes carecem da formação e conhecimento necessário para compreender como lidar com as especificidades das pessoas intersexo, prestar cuidados adequados e respeitar a autonomia e os direitos à integridade física e à saúde das pessoas em causa.[1][33]

Algumas pessoas intersexo também enfrentam obstáculos e discriminação caso queiram ou necessitem alterar o sexo apresentado no certificado de nascimento, ou nalgum documento oficial.[1][33]

Em especial, atletas intersexo muitas vezes enfrentam obstáculos específicos. Existem vários casos de mulheres cisgénero intersexo que foram desqualificadas de competições com base nas suas características intersexo. No entanto, ser intersexo por si só não garante um melhor desempenho. Ainda assim, outras características físicas que de facto afetam o desempenho, como a altura ou o desenvolvimento muscular não são sujeitas a tal escrutínio e restrições.[1][48]

Referências

  1. a b c d e f g h i j k l m n «UNFE Intersex Fact Sheet» (PDF) 
  2. Admin (2 de agosto de 2013). «What is intersex?». Intersex Human Rights Australia (em inglês). Consultado em 5 de outubro de 2020 
  3. «Resilient Individuals: Sexual Orientation Gender Identity & Intersex Rights 2015 | Australian Human Rights Commission». humanrights.gov.au. Consultado em 5 de outubro de 2020 
  4. AG. «Sex Discrimination Amendment (Sexual Orientation, Gender Identity and Intersex Status) Act 2013». www.legislation.gov.au (em inglês). Consultado em 5 de outubro de 2020 
  5. a b c d e f g «UNFE Intersex Fact Sheet» (PDF) 
  6. Admin (28 de setembro de 2013). «Intersex population figures». Intersex Human Rights Australia (em inglês). Consultado em 25 de fevereiro de 2021 
  7. Fausto-Sterling, Anne (2000). Sexing the Body: Gender Politics and the Construction of Sexuality. New York: Basic Books. ISBN 0-465-07713-7.
  8. a b c d e f g SANTOS, Moara de Medeiros Rocha; ARAUJO, Tereza Cristina Cavalcanti Ferreira de. Desenvolvimento da identidade de gênero em casos de intersexualidade: contribuições da Psicologia. 2006. 246 f. Tese de doutorado em psicologia. Universidade de Brasília, Brasília, 2006. [1]
  9. «Intersex person speaks in the European Parliament for the first time ever today». OII Europe (em inglês). 16 de junho de 2016. Consultado em 25 de fevereiro de 2021 
  10. «How common is intersex? | Intersex Society of North America». isna.org. Consultado em 25 de fevereiro de 2021 
  11. http://www.ismh.org/en/sys/wp-content/uploads/2012/04/2_MERYN-epidemiology-SR-formatted-and-second-checked1.pdf
  12. http://www.brasilescola.com/biologia/sindrome-de-klinefelter.htm
  13. Diodorus Siculus (1933). «The Library of History» 
  14. Roller, Lynn E. (novembro de 1997). «The Ideology of the Eunuch Priest». Gender & History. 9 (3): 542–559. ISSN 0953-5233. doi:10.1111/1468-0424.00075 
  15. «Decretum Gratiani» 
  16. «Decretum Gratiani» 
  17. Thompson, John L. (março de 2004). «A History of Women and Ordination, Vol. 1: The Ordination of Women in a Medieval Context. Edited by Bernard J. Cooke and Gary Macy. Lanham, Md.: Scarecrow, 2002. xiv + 184 pp. $55.00 cloth.». Church History. 73 (1): 196–197. ISSN 0009-6407. doi:10.1017/s0009640700097894 
  18. Thrope, Benjamin (ed.). «ECCLESIASTICAL INSTITUTES». Cambridge: Cambridge University Press: 394–444. ISBN 978-1-139-17741-2 
  19. Greenberg, Julie A. (1 de janeiro de 2012). Intersexuality and the Law. [S.l.]: NYU Press 
  20. Ginicola, Misty M.; Smith, Cheri; Filmore, Joel M., eds. (17 de fevereiro de 2017). «Affimative Counseling With LGBTQI+ People». doi:10.1002/9781119375517 
  21. Morgan, Philip (2004). «Introduction: Locating Fascism». London: Macmillan Education UK: 1–10. ISBN 978-0-333-94998-6 
  22. Carpenter, Morgan (15 de janeiro de 2020). «Intersex». Oxford University Press. Sociology. ISBN 978-0-19-975638-4 
  23. Goldschmidt, Richard (outubro de 1917). «INTERSEXUALITY AND THE ENDOCRINE ASPECT OF SEX». Endocrinology (em inglês). 1 (4): 433–456. ISSN 0013-7227. doi:10.1210/endo-1-4-433 
  24. Brockbank, William (janeiro de 1960). «Medical Terms: Their Origin and Construction.Ffrangcon Roberts. London: William Heinemann Medical Books Ltd., 3rd Edition, 1959; PP. vuii+92. 6s.». Medical History. 4 (1): 83–83. ISSN 0025-7273. doi:10.1017/s0025727300025151 
  25. Coran, G.; Polley, Theodore Z. Surgical Management of Ambiguous Genitalia in the Infant and Child. [S.l.: s.n.] 
  26. «inta, 2012-23-38.pdf» 
  27. Hughes, I. A.; Houk, C.; Ahmed, S. F.; Lee, P. A. (1 de julho de 2006). «Consensus statement on management of intersex disorders». Archives of Disease in Childhood (em inglês). 91 (7): 554–563. ISSN 0003-9888. PMID 16624884. doi:10.1136/adc.2006.098319 
  28. Dreger, Alice D. (2009). «The intersections of intersex» 
  29. The International Commission of Jurists; basic facts. Geneva: [s.n.] 1962 
  30. «New York Times New York City Poll, April 2004». 18 de outubro de 2004 
  31. «Public Statement». NYU Press. 3 de abril de 2018: 594–597. ISBN 978-1-4798-0541-9 
  32. «Submission to the Committee of the UN Convention against Torture and Other, Cruel, Inhuman and Degrading Treatment» 
  33. a b c d e f g h i j k l «Fact Sheet ILGA» (PDF) 
  34. Sarah M Creighton, Catherine L Minto, Stuart J Steele, "Objective cosmetic and anatomical outcomes at adolescence of feminising surgery for ambiguous genitalia done in childhood" (Lancet 2001; 358:124-25).
  35. Sterlin, Anne (2000). Sexing the body: gender politics and the construction of sexuality. Chapter 3: Basic Books. pp. 44–77.
  36. a b c d e f g h i j k l m n Carpenter, Morgan (4 de janeiro de 2019). «Eugenics». Intersex Human Rights Australia (em inglês). Consultado em 25 de fevereiro de 2021 
  37. a b Holmes, Morgan (2008). Intersex: A Perilous Difference. [S.l.]: Associated University Presse. ISBN 1575911175 
  38. Gravholt, C.H. (2014). «Sex Chromosome Abnormalities». Elsevier. ISBN 978-0-12-801238-3. Consultado em 25 de fevereiro de 2021 
  39. Nimkarn, Saroj; New, Maria I. (2010). «Congenital Adrenal Hyperplasia». Elsevier: 165–172. ISBN 978-0-12-374430-2. Consultado em 25 de fevereiro de 2021 
  40. Fla.), Hormonal and Genetic Basis of Sexual Differentation (2010 : Miami, (2011). Hormonal and genetic basis of sexual differentiation disorders and hot topics in endocrinology proceedings of the 2nd world conference. [S.l.]: Springer Science+Business Media. OCLC 1152998278 
  41. a b LLC., Films for the Humanities & Sciences (Firm) Infobase. TED Conferences (2012), TEDTalks : Alice Dreger, Is Anatomy Destiny?, Infobase, OCLC 1048889724, consultado em 25 de fevereiro de 2021 
  42. Nimkarn, Saroj; New, Maria I. (2010). «Congenital Adrenal Hyperplasia». Elsevier: 165–172. ISBN 978-0-12-374430-2. Consultado em 25 de fevereiro de 2021 
  43. Fla.), Hormonal and Genetic Basis of Sexual Differentation (2010 : Miami, (2011). Hormonal and genetic basis of sexual differentiation disorders and hot topics in endocrinology proceedings of the 2nd world conference. [S.l.]: Springer Science+Business Media. OCLC 1152998278 
  44. MEYER-BAHLBURG, HEINO F.L. (janeiro de 1990). «Can Homosexuality in Adolescents be "Treated" by Sex Hormones?». Journal of Child and Adolescent Psychopharmacology (3): 231–235. ISSN 1044-5463. doi:10.1089/cap.1990.1.231. Consultado em 25 de fevereiro de 2021 
  45. Dupras, Charles; Ravitsky, Vardit (15 de março de 2013). «Disclosing Genetic Information to Family Members: The Role of Empirical Ethics». Chichester, UK: John Wiley & Sons, Ltd. eLS. ISBN 0-470-01617-5. Consultado em 25 de fevereiro de 2021 
  46. Holmes, Morgan (2008). Intersex: A Perilous Difference. [S.l.]: Associated University Presse. ISBN 1575911175 
  47. Verfasser, Hendl, Tereza. A Feminist Critique of Justifications for Sex Selection. [S.l.: s.n.] OCLC 1188558633 
  48. «Fact Sheet ILGA» (PDF) 

Ligações externasEditar