Introdução à Economia

livro de economia

Introdução à Economia (em inglês: Principles of Economics)[1] é um livro introdutório de economia do professor de Harvard N. Gregory Mankiw. Foi publicado pela primeira vez em 1997 e tinha nove edições até 2020.[2]

Principles of Economics
Autor(es) Gregory Mankiw
Idioma Inglês
País  Estados Unidos
Gênero Economia
Editora Cengage Learning
Lançamento 1997
ISBN 0-030-27087-1

Introdução à Economia é o livro-texto padrão para as aulas introdutórias dos departamentos de economia americanos.[3][4][5] A editora Cengage afirma que é o livro de economia mais popular entre os alunos em todo o mundo.[6]

Os 10 princípios da EconomiaEditar

No primeiro capítulo, o livro apresenta 10 princípios de economia "que supostamente representam o coração da sabedoria econômica".[7] Gregory Mankiw faz uma síntese do comportamento dos agentes em qualquer cenário econômico. Ele classifica os dez princípios da economia em três tipos: decisões dos indivíduos, interação entre eles e o funcionamento da economia com um todo:[8][9]

Como as pessoas tomam decisõesEditar

1.- As Pessoas Enfrentam Tradeoffs;

2.- O Custo de um bem é o que você desiste para obtê-lo;

3.- Pessoas racionais pensam na margem;

4.- Pessoas reagem a incentivos;

Como as pessoas interagemEditar

5.- O comércio pode ser bom para todos;

6.- Os mercados geralmente são uma boa maneira de organizar a atividade econômica;

7.- Às vezes os governos podem melhorar os resultados dos mercados;

Como a Economia funcionaEditar

8.- O padrão de vida de um país depende da sua capacidade de produzir Bens e Serviços;

9.- Os preços sobem quando o governo emite moeda demais;

10.- sociedade enfrenta um Tradeoff de curto prazo entre Inflação e Desemprego.

Recepção e críticasEditar

O livro vendeu mais de um milhão de cópias, gerando a Mankiw pelo menos 42 milhões de dólares em royalties.[10] Após receber críticas dos alunos sobre o preço do material ditático para cursos introdutórios, Mankiw anunciou que doaria todos os royalties sobre as compras de seus livros para instituições de caridade.[11]

O economista alemão Peter Bofinger fez críticas à algumas passagens do livro em um artigo, onde afirma que Mankiw tenta criar a impressão de que os princípios económicos apresentados por ele correspondem a uma espécie de consenso económico, o que não seria o caso.[12]

Referências

  1. Mankiw, N. Gregory (janeiro de 2020). Principles of economics Ninth ed. Boston, MA: [s.n.] ISBN 978-0-357-03831-4. OCLC 1109789332 
  2. Mankiw, N. Gregory. (1998). Principles of economics. Fort Worth, TX: Dryden Press. ISBN 0-03-098238-3. OCLC 37611615 
  3. Matthews, Dylan (14 de maio de 2019). «The radical plan to change how Harvard teaches economics». Vox (em inglês). Consultado em 18 de março de 2020 
  4. Samuelson, Robert J. «Opinion | It's time we tear up our economics textbooks and start over». Washington Post (em inglês). ISSN 0190-8286. Consultado em 6 de janeiro de 2021 
  5. «Play it again, Samuelson». The Economist. 21 de agosto de 1997. ISSN 0013-0613. Consultado em 6 de janeiro de 2021 
  6. «Principles of Economics, 9th Edition». Cengage Learning. Consultado em 6 de janeiro de 2021 
  7. https://books.google.com.br/books/about/PRINCIPIOS_DE_MACROECONOMIA.html?id=hcZ6QgAACAAJ&redir_esc=y
  8. «Greg Mankiw's Ten Principles | New World Economics». newworldeconomics.com. Consultado em 6 de janeiro de 2021 
  9. «Mankiw's 10 Principles of Economics». Tom Spencer (em inglês). 23 de novembro de 2011. Consultado em 6 de janeiro de 2021 
  10. Oregonian/OregonLive, Richard Read | The (12 de fevereiro de 2015). «A $280 college textbook busts budgets, but Harvard author Gregory Mankiw defends royalties». oregonlive (em inglês). Consultado em 18 de março de 2020 
  11. «After Criticism, Mankiw to Donate Textbook Royalties to Charity». The Harvard Crimson. Consultado em 6 de janeiro de 2021 
  12. Bofinger, Peter (3 de janeiro de 2020). «Best of Mankiw: Errors and Tangles in the World's Best-Selling Economics Textbooks». Institute for New Economic Thinking (em inglês). Consultado em 6 de janeiro de 2021 

Ligações externasEditar