Inventário de Temperamento e Caráter

O Inventário de Temperamento e Caráter (ITC, ou TCI em inglês) é um inventário de traços de personalidade desenvolvido por Cloninger et al.[1] Está intimamente relacionado e é uma consequência do Questionário de Personalidade Tridimensional (QPT), e também tem sido relacionado às dimensões da personalidade nos modelos alternativos de cinco de Zuckerman e Eysenck[2] e aqueles do modelo de cinco fatores.[3]

O TCI opera com sete dimensões de traços de personalidade: quatro dos chamados temperamentos[4]

  • Busca de novidade (NS)
  • Esquiva/Evitação de danos (HA)
  • Dependência de Recompensa (RD)
  • Persistência (PS)

e três dos chamados caracteres

Cada uma dessas características tem um número variável de subescalas. As dimensões são determinadas a partir de um questionário de 240 itens.

O ITC baseia-se em um modelo psicobiológico que tenta explicar as causas subjacentes das diferenças individuais nos traços de personalidade.[5]

VersõesEditar

Originalmente desenvolvido em inglês, o ITC foi traduzido para outros idiomas, por exemplo, sueco,[6] japonês, holandês, alemão, polonês, coreano,[7] finlandês, chinês e francês. Há também uma versão revisada (TCI-R). Enquanto o ITC original tinha declarações para as quais o sujeito deveria indicar verdadeiro ou falso, o ITC-R tem uma classificação de cinco pontos para cada afirmação. As duas versões contêm 189 das 240 declarações em comum. A versão revisada foi traduzida para o espanhol,[8] francês,[9] tcheco,[10] e italiano.[11]

O número de subescalas nos diferentes traços de nível superior difere entre ITC e ITC-R. As subescalas do ITC-R são:

  • Busca de novidade (NS)
    1. Excitabilidade exploratória (NS1)
    2. Impulsividade (NS2)
    3. Extravagância (NS3)
    4. Desordem (NS4)
  • Evitação de danos (HA)
    1. Preocupação antecipatória (HA1)
    2. Medo da incerteza (HA2)
    3. Timidez (HA3)
    4. Fatigabilidade (HA4)
  • Dependência de Recompensa (RD)
    1. Sentimentalidade (RD1)
    2. Abertura para comunicação afetuosa (RD2)
    3. Apego (RD3)
    4. Dependência (RD4)
  • Persistência (PS)
    1. Ânsia de esforço (PS1)
    2. Operoso (PS2)
    3. Ambicioso (PS3)
    4. Perfeccionista (PS4)
  • Autodirecionamento (SD)
    1. Responsabilidade (SD1)
    2. Cheio de propósito (SD2)
    3. Desenvoltura (SD3)
    4. Auto-aceitação (SD4)
    5. Segunda natureza iluminada (SD5)
  • Cooperatividade (C)
    1. Aceitação social (C1)
    2. Empatia (C2)
    3. Prestatividade (C3)
    4. Compaixão (C4)
    5. Consciência de coração puro (C5)
  • Autotranscendência (ST)
    1. Auto-esquecido (ST1)
    2. Identificação transpessoal (ST2)
    3. Aceitação espiritual (ST3)

Bases neurobiológicasEditar

A ITC tem sido usada para investigar a base neurobiológica da personalidade, juntamente com outras modalidades de pesquisa, por exemplo, com neuroimagem molecular,[12] neuroimagem estrutural [13] e genética .

Temperamento Sistema neurotransmissor
Busca de novidade Baixa atividade dopaminérgica
Evitação de danos Atividade serotoninérgica alta
Dependência de recompensa Baixa atividade noradrenérgica

Cloninger sugeriu que os três temperamentos originais do QPT, busca de novidades, esquiva de danos e dependência de recompensa, foram correlacionados com baixa atividade dopaminérgica basal, alta atividade serotoninérgica e baixa atividade noradrenérgica basal, respectivamente.[14]

Muitos estudos utilizaram o ITC para examinar se variantes genéticas em genes individuais têm uma associação com traços de personalidade. Estudos sugerem que a busca por novidades está associada às vias dopaminérgicas.[15] O transportador de dopamina DAT1 e o receptor de dopamina DRD4 estão associados à busca por novidades. Pacientes com Parkinson, que são intrinsecamente pobres em dopamina, são encontrados com baixos escores em busca de novidades. Variantes de genes que têm sido investigados são, por exemplo, 5-HTTLPR no gene do transportador de serotonina e variantes do gene de XBP-1.[16]

Relação com outros modelos de personalidadeEditar

Cloninger argumentou que o modelo dos Cinco Fatores não avalia domínios de personalidade relevantes para os transtornos de personalidade, como autonomia, valores morais e aspectos de maturidade e autorrealização considerados na psicologia humanista e transpessoal. Cloninger argumentou que esses domínios são capturados por autodirecionamento, cooperação e autotranscendência, respectivamente.[5] Ele também argumentou que os fatores de personalidade definidos como independentes pela análise fatorial, como o neuroticismo e a introversão, podem na verdade compartilhar fatores etiológicos subjacentes.

Pesquisas descobriram que todas as dimensões da ITC estão relacionadas substancialmente a pelo menos uma das dimensões do Modelo dos Cinco Fatores.[3] A prevenção de danos está fortemente associada positivamente ao neuroticismo e inversamente associada à extroversão. A busca por novidade está mais fortemente associada à extroversão, embora também tenha uma associação positiva moderada com a abertura à experiência e uma associação negativa moderada com a conscienciosidade. A persistência tem uma associação positiva com a conscienciosidade. A dependência de recompensa é mais fortemente associada à extroversão, embora também tenha uma associação positiva moderada com a abertura à experiência. A cooperatividade é mais fortemente associada à agradabilidade. O autodirecionamento tem uma forte associação negativa com o neuroticismo e uma associação positiva com a conscienciosidade. A autotranscendência teve uma associação positiva com a abertura à experiência e, em menor grau, com a extroversão. Relacionamentos também foram encontrados entre as dimensões da ITC e traços específicos para os modelos de Zuckerman e Eysenck, respectivamente.[3] Busca de novidade está relacionada à busca de sensação impulsiva no modelo alternativo de cinco de Zuckerman e ao psicoticismo no modelo de Eysenck. Zuckerman e Cloninger sustentam que a Evitação de Danos é uma dimensão composta que compreende introversão neurótica em uma extremidade e extroversão estável na outra extremidade. A persistência está relacionada à escala de atividade de Zuckerman e inversamente ao psicoticismo. A cooperatividade é inversamente relacionada à escala Agressividade-hostilidade de Zuckerman e ao psicoticismo. A autotranscendência não tem equivalente nem no modelo de Zuckerman nem no de Eysenck, pois nenhum dos modelos reconhece a abertura à experiência.[3]

Saúde e bem-estarEditar

Cloninger argumentou que o "bem-estar psicológico" depende do desenvolvimento de facetas das três dimensões de caráter, como a autonomia e o propósito de vida do autodirecionamento, as relações positivas com os outros da cooperatividade e o crescimento pessoal e a autorrealização da autotranscendência. Ele também argumentou que as dimensões do temperamento estão associadas ao bem-estar subjetivo e, até certo ponto, à saúde física.[17] Um estudo que examinou as relações entre dimensões de caráter e aspectos de saúde e felicidade descobriu que o autodirecionamento estava fortemente associado à felicidade, satisfação com a vida, saúde geral e apoio social percebido. A cooperatividade foi associada mais fortemente com o apoio social percebido e apenas fracamente com as outras medidas de bem-estar. A autotranscendência estava associada a emoções positivas ao levar em consideração os outros traços de caráter, mas não estava muito relacionada a emoções negativas ou a outras medidas de bem-estar.[17]

Veja tambémEditar

Referências

  1. C. Robert Cloninger. The temperament and character inventory (TCI): A guide to its development and use. [S.l.: s.n.] ISBN 978-0-9642917-1-3 
  2. «Relationships between Cloninger's, Zuckerman's, and Eysenck's dimensions of personality». Personality and Individual Differences. 21. PMC 4486314 . PMID 26146428. doi:10.1016/0191-8869(96)00042-6 
  3. a b c d «Cloninger's Psychobiological Model of Temperament and Character and the Five-Factor Model of Personality». Personality and Individual Differences. 29. doi:10.1016/S0191-8869(99)00204-4 
  4. «Temperament & Character Inventory» 
  5. a b «A psychobiological model of temperament and character». Archives of General Psychiatry. 50. PMID 8250684. doi:10.1001/archpsyc.1993.01820240059008 
  6. «Swedish normative data on personality using the Temperament and Character Inventory». Comprehensive Psychiatry. 39. PMID 9606577. doi:10.1016/S0010-440X(98)90070-0 
  7. «The reliability and validity of the junior temperament and character inventory». Comprehensive Psychiatry. 45. PMID 14999663. doi:10.1016/j.comppsych.2003.12.002 
  8. «[Temperament and Character Inventory Revised (TCI-R). Standardization and normative data in a general population sample]». Actas Espanolas de Psiquiatria. 32. PMID 14963776 
  9. «The Temperament and Character Inventory-Revised (TCI-R): psychometric characteristics of the French version». Acta Psychiatrica Scandinavica. 112. PMID 15992394. doi:10.1111/j.1600-0447.2005.00551.x 
  10. «The temperament and character inventory-revised (TCI-R): a psychometric characteristics of the Czech version». Psychiatria Danubina. 19. PMID 17603413 
  11. «Reliability and validity of the Italian version of the Temperament and Character Inventory-Revised in an outpatient sample». Comprehensive Psychiatry. 48. PMID 17560961. doi:10.1016/j.comppsych.2007.02.003 
  12. «The Serotonin System and Spiritual Experiences». American Journal of Psychiatry. 160. PMID 14594742. doi:10.1176/appi.ajp.160.11.1965 
  13. «Gender-common and -specific neuroanatomical basis of human anxiety-related personality traits». Cerebral Cortex. 18. PMID 17412719. doi:10.1093/cercor/bhm030 
  14. «A unified biosocial theory of personality and its role in the development of anxiety states». Psychiatric Developments. 4. PMID 3809156 
  15. «Reward-learning and the novelty-seeking personality: a between- and within-subjects study of the effects of dopamine agonists on young Parkinson's patients». Brain. 132. PMC 2766178 . PMID 19416950. doi:10.1093/brain/awp094 
  16. «Relationship between XBP1 genotype and personality traits assessed by TCI and NEO-FFI». Neuroscience Letters. 391. PMID 16154272. doi:10.1016/j.neulet.2005.08.023 
  17. a b «Personality and the perception of health and happiness». Journal of Affective Disorders. 128. PMID 20580435. doi:10.1016/j.jad.2010.06.012 

Links externosEditar