Abrir menu principal
NoFonti.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita referências, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde agosto de 2018). Ajude a inserir fontes confiáveis e independentes. Material controverso que esteja sem fontes deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde maio de 2015). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Ion Mihai Pacepa
Nascimento 28 de outubro de 1928 (90 anos)
Bucareste
Cidadania Romênia, Estados Unidos
Alma mater Universidade Politécnica de Bucareste
Ocupação jornalista
Empregador Securitate

Ion Mihai Pacepa nasceu em 28 de outubro de 1928 em Bucareste, Roménia. É um ex-general três estrelas da Securitate (a polícia secreta da Romênia comunista) que desertou para os Estados Unidos em julho de 1978. Ele é o desertor de maior patente do antigo Bloco de Leste, e tem escrito livros e artigos sobre o funcionamento interno dos serviços de inteligência comunista.

No momento da sua deserção, General Pacepa tinha simultaneamente o posto de conselheiro do presidente Nicolae Ceauşescu, chefe do seu serviço de inteligência estrangeiro e secretário estadual de Ministério do Interior da Roménia. Tendo refugiado-se na embaixada americana em Bonn, na Alemanha, ele foi levado secretamente em avião militar para os Estados Unidos depois que o presidente Jimmy Carter aprovou o seu pedido de asilo político.

Posteriormente, trabalhou na CIA em várias operações contra o antigo Bloco de Leste. A CIA descreveu sua colaboração como "uma contribuição importante e única para os Estados Unidos da América".

Ion Mihai Pacepa foi general da polícia secreta da Romênia comunista, antes de pedir demissão do seu cargo e fugir para os EUA no fim da década de 70. Considerado um dos maiores “detratores” de Moscou, Pacepa concedeu entrevista a ACI Digital e revelou a conexão entre a União Soviética e a Teologia da Libertação na América Latina.

Ver tambémEditar

ReferênciasEditar