Abrir menu principal
Iron Jawed Angels
Pulsos de Ferro (PRT)
Anjos Rebeldes (BRA)
Iron Jawed Angels.jpg
 Estados Unidos
2004 •  cor •  125 min 
Direção Katja von Garnier
Roteiro Sally Robinson
Eugenia Bostwick-Singer
Raymond Singer
Jennifer Friedes
Elenco Hilary Swank
Anjelica Huston
Frances O'Connor
Julia Ormond
Gênero drama, biográfico
Edição Hans Funck
Distribuição HBO Films
Lançamento Estados Unidos 16 de Janeiro de 2004 (Sundance)
15 de Fevereiro de 2004 (HBO)
Idioma inglês
Página no IMDb (em inglês)

Iron Jawed Angels (Anjos Rebeldes, no Brasil; Pulsos de Ferro, em Portugal) é um telefilme estadunidense de 2004, um dramadirigido por Katja von Garnier, e estrelado pelas atrizes Hilary Swank, Anjelica Huston, Julia Ormond e Frances O'Connor.[1] O longa conta a história da conquista do sufrágio feminino nos Estados Unidos. Foi produzido e exibido pelo canal HBO, em 15 de fevereiro de 2004.[2]


SinopseEditar

O filme, baseado em uma história real, conta a história do movimento sufragista das mulheres norte-americanas durante a década de 1910, e segue as líderes do movimento ao voto feminino, Alice Paul e Lucy Burns, que usam estratégias pacíficas, táticas e diálogos para conseguir às mulheres o direito de voto.

Alice Paul e Lucy Burns retornam da Inglaterra, onde se encontraram enquanto participavam da União Social e Política Feminina, iniciada pela líder radical das sufragistas Emmeline Pankhurst, e liderada por sua filha Christabel Pankhurst. A dupla apresenta um plano para a Associação Nacional de Sufrágio das Mulheres Americanas (NAWSA), para fazerem protestos diretamente na capital do país, Washington D.C. Porém as sufragistas acham a ideia muito radical, particularmente Carrie Chapman Catt, mas Paul e Burns acabam conseguindo a permissão para liderar o Comitê Parlamentar da NAWSA em Washington, e começam organizando a Procissão do Sufrágio Feminino de 1913, na véspera da posse do Presidente Woodrow Wilson.

ElencoEditar

InformaçõesEditar

Ben Weissman e seu filho, Emily Leighton e o senador Tom Leighton, são personagens fictícios, assim como suas histórias no filme.[3]

O nome do filme foi baseado na declaração do deputado de Massachusetts Joseph Walsh, que em 1917 se opôs à criação de um comitê para lidar com o sufrágio feminino. Walsh achava que com a criação de um comitê estaria cedendo à "importunação dos anjos de mandíbula de ferro", ele se referia às "Sentinelas Silenciosas" como "criaturas de saia, desorientadas e iludidas". As mulheres que foram para a detenção foram alimentadas à força com um ferro na mandíbula e uma mangueira, após fazerem greve de fome como protesto.[4]

Prêmios e IndicaçõesEditar

O longa recebeu, em sua maioria, elogios da critica especializada, e conseguiu cinco indicações ao Primetime Emmy Awards, três indicações ao Globo de Ouro, e mais duas indicações ao 9º Golden Satellite Awards.

Destaque para Anjelica Huston, que ganhou o Globo de Ouro de "Melhor Atriz Coadjuvante - Série, Minissérie ou Filme Televisivo"[5] e o Prêmio Satélite de "Melhor Atriz Coadjuvante - Série, Minissérie ou Filme de Televisão",[6] por sua performance no filme. Hilary Swank foi indicada ao Screen Actors Guild Awards,[7] e também ao globo de ouro, na categoria "Best Actress – Miniseries or Television Film".[8]

ReferênciasEditar