Isaac Ambrose

Isaac Ambrose (1604 — 20 de janeiro de 1664) foi um teólogo puritano inglês.

Isaac Ambrose
Nascimento 1604
Morte 20 de janeiro de 1664 (60 anos)
Nacionalidade Inglaterra Reino da Inglaterra
Ocupação teólogo

BiografiaEditar

Ambrose era filho de Richard Ambrose, vigário de Ormskirk, Lancashire e foi provavelmente descendente dos Ambroses de Lowick in Furness, uma conhecida família católica.

Ingressou no Brasenose College, Oxford, em 1621, aos dezessete anos de idade. Graduou-se em 1624 em Bachelor of Arts e foi ordenado sacerdote. Recebeu em 1627 a pequena cura de Castleton, em Derbyshire. Pela influência de William Russell, conde de Bedford, foi nomeado um dos pregadores itinerantes do rei em Lancashire, e depois de morar por um tempo em Garstang, foi selecionado por Lady Margaret Hoghton como vigário de Preston. Associou-se ao presbiterianismo, e estava no comemorado comitê pela expulsão dos "escandalosos e ignorantes ministros e diretores de escola" durante a Comunidade.

Enquanto Ambrose permaneceu em Preston foi favorecido pela calorosa amizade da família Hoghton, seus bosques ancestrais e a torre perto de Blackburn serviram-lhe de locais de isolamento para suas devotadas meditações e "experiências" que deram um charme ao seu diário, cujos trechos são citados em seu Prima Media e Ultima (1650, 1659). O auditório imenso de seu sermão (Redeeming the Time) no funeral de Lady Hoghton foi uma tradição presente em todo o condado. Por conta do sentimento gerado pela guerra civil, Ambrose deixou sua grande igreja de Preston, em 1654, e tornou-se ministro de Garstang, de onde, no entanto, em 1662 foi expulso juntamente com outros dois mil ministros que se recusaram a obedecer ao Ato da Uniformidade de 1662, que instituiu o Livro de Oração Comum como liturgia oficial. Seus anos seguintes foram passados entre velhos amigos e em meditação silenciosa em Preston. Morreu de apoplexia por volta de 20 de janeiro de 1663/4.

Como um escritor religioso Ambrose tem uma vivacidade e frescor de imaginação possuída por poucos puritanos não-conformistas. Muitos que não têm amor pela doutrina puritana, nem simpatia pela experiência puritana, têm apreciado o pathos e a beleza de seus escritos, e seu Looking to Jesus ganhou uma maior apreciação popular com os escritos de John Bunyan.

Referências