Isabel Teresa de Lorena (1664-1748)

Isabel Teresa de Lorena (em francês: Élisabeth-Thérèse de Lorraine; França, 5 de abril de 1664 — Hôtel de Mayenne, 7 de março de 1748) foi um membro da nobreza francesa e Princesa de Epinoy através do casamento. Ela é muitas vezes referida como a Princesa de Lillebonne. Foi a mãe de Luís de Melun, Duque de Joyeuse, que desapareceu em circunstâncias misteriosas em 1724 e de Ana Júlia de Melun, Princesa de Soubise.

Isabel Teresa de Lorena
Princesa de Epinoy
suo jure Duquesa de Luxemburgo-Saint-Pol
Retrato de 1839 por Etienne-Achille Demahis.
Cônjuge Luís de Melun
Descendência Luís, Duque de Joyeuse
Ana Júlia de Melun, Princesa de Soubise
Casa Lorena
Nascimento 5 de abril de 1664
  França
Morte 7 de março de 1748 (83 anos)
  Hôtel de Mayenne, Paris, França
Pai Francisco Maria, Príncipe de Lillebonne
Mãe Ana de Lorena

BiografiaEditar

Era membro do ramo cadete da Casa de Guise, seu pai, Francisco Maria, Príncipe de Lillebonne era o filho mais novo de Carlos II de Lorena, Duque de Elbeuf e Catarina Henriqueta de Bourbon, filha natural de Henrique IV de França e Gabrielle d'Estrées. A sua mãe, Ana, era prima afastada do seu pai e filha única de Carlos IV de Lorena e do seu casamento secreto de com Beatriz de Cusance.

A quinto dos nove filhos dos seus pais, foi a única dos seus irmãos a casar ou a ter filhos. Foi intitulada de "Mademoiselle de Commercy" na corte real francesa, pois o principado de Commercy era um domínio subsidiário da Casa de Lorena.

A 7 de outubro de 1691, Mademoiselle de Commercy casou-se com Luís de Melun, Príncipe de Epinoy e duque de Joyeuse, que era nove anos mais jovem que a sua noiva). O casal teve dois filhos, um filho em 1694 e uma filha em 1698. Apenas esta última teria descendência.

Ela foi a Duquesa de Luxemburgo-Saint-Pôl[1] por seu próprio direito. Comprou o ducado a Maria de Nemours[1][2]

Era dama de companhia de Maria Ana de Bourbon, Princesa de Conti, uma filha legitimada do rei Luís XIV de França.

Ela e sua irmã foram confrontadas, por Saint-Simon, acusadas de serem espiãs para Françoise d'Aubigné, Madame de Maintenon. No círculo de Luís, Grande Delfim de França, tornou-se próxima da sua outra meia-irmã, Luísa Francisca de Bourbon conhecida como Madame la Duchesse. Também foi próxima do seu tio Carlos Henrique, Príncipe de Vaudémont e Luís José, Duque de Vendôme.[3]

Em 1721, com a morte da sua tia-avó, Margarida Luísa d'Orleães, grã-Duquesa da Toscana, Isabel teresa foi designada como sua herdeira, apesar de Margarida ter supostamente prometido que gostaria de tornar os seus filhos seus herdeiros.[4]

Perdeu ambos os filhos em 1724: Luís, depois de ter casado secretamente com Maria Ana de Bourbon, filha de Luís III de Bourbon-Condé, desapareceu durante um baile no Castelo de Chantilly, em julho. Ana Júlia tinha morrido antes de varíola, deixando cinco filhos.

Ela e o seu marido morreram a 7 de março de 1748 no Hôtel de Mayenne.[5] Morreu oitenta e três anos.[5]

Através da sua filha, ela é um antepassado do actual Duque de Montbazon da Casa de Rohan.

DescendênciaEditar

Títulos e estilosEditar

  • 5 de abril de 1664 – 7 de outubro de 1691 Sua Alteza Mademoiselle de Commercy
  • 7 de outubro de 1691 – 7 de março de 1748 Sua Alteza Madame d'Epinoy

Referências e NotasEditar

  1. a b «Women in power». guide2womenleaders.com. Consultado em 26 de março de 2010 
  2. em 1705 e 1724, ela transferiu para seu filho, que morreu logo depois.
  3. Goldhammer, Arthur, tr., Saint-Simon and the court of Louis XIV [Translated memoirs of Saint-Simon], The University of Chicago Press, London, 2001, p.33
  4. Acton, Harold (1980).
  5. a b von Rosen, Laurent Tahon. «Ducs de France: les 32 quartiers des ducs français et de leurs épouses». Googlebooks.org. Consultado em 7 de abril de 2010