Isabel de Portugal, senhora de Viseu

D. Isabel de Portugal (1364Marans, França, 4 de abril de 1435) foi uma nobre portuguesa, 2.ª Senhora da cidade de Viseu e, ainda, das vilas de Celorico da Beira, Linhares e Algodres, de juro e herdade.

Isabel de Portugal, senhora de Viseu
Nascimento 1364
Morte 4 de abril de 1435
Marans (Charente-Maritime)
Cidadania Reino de Portugal
Progenitores
Cônjuge Afonso Henriques
Filho(s) Pedro de Noronha, Fernando de Noronha, 2.º Conde de Vila Real, Sancho de Noronha, 1.º conde de Odemira, Constança de Noronha, Henrique de Noronha, João de Noronha
Irmão(s) Afonso de Portugal (1382)
Ocupação ,

Relações familiaresEditar

Foi filha natural de Dom Fernando I de Portugal.

Teve o seu casamento contratado com Afonso Telo de Meneses, 5.º conde de Barcelos, primo da Rainha D. Leonor Teles, mas este morreu jovem, e D. Isabel acabaria por casar com D. Afonso Henriques, conde de Gijón e Noronha[1]. Os esponsórios efectuaram-se em Abril,[2] logo após[3] o Tratado de Santarém, de aliança e paz, estabelecido entre os Reis D. Henrique II de Castela e D. Fernando I de Portugal, na cidade de Santarém, a 19 de Março de 1373.[4] Cidade esta onde D. Isabel e seu noivo foram recebidos (esposados) por palavras de presente pelo Cardeal de Bolonha. O rei D. Fernando deu de dote a sua filha a Cidade de Viseu e as vilas de Celorico da Beira, Linhares e Algodres, com todos os seus termos, de juro e herdade, como consta duma Carta de Doação feita na cidade de Santarém em 2 de Outubro de 1377.[5]

Atingindo D. Isabel a idade núbil, as bodas foram então realizadas na cidade de Burgos em Novembro de 1375[6] com o dito Afonso Henriques, conde de Gijón e Noronha, de quem teve:[7]

  1. D. Pedro de Noronha, arcebispo de Lisboa;
  2. D. Fernando de Noronha, 2.º conde de Vila Real, pelo seu casamento com D. Brites de Meneses;
  3. D. Constança de Noronha, que foi a 2.ª mulher de D. Afonso, 1.º duque de Bragança;
  4. D. Sancho de Noronha, 1.º conde de Odemira, que casou com Mécia de Sousa, 4ª senhora de Mortágua;
  5. D. Henrique de Noronha, capitão de gente de guerra na tomada de Ceuta;
  6. D. João de Noronha, sem descendentes.[8] Foi feito cavaleiro pelo infante Duarte, em Ceuta, em cujo cerco tomou parte junto com o rei e onde foi ferido. Veio a morrer em Almodôvar, Portugal, de doença proveniente deste ferimento.

Deste casamento, surgiu o ramo familiar de Noronha.

Referências

FontesEditar

Além das referidas no texto:

História de Portugal de Damião Peres, Vol. II, p. 333.

  Este artigo sobre uma pessoa é um esboço relacionado ao Projeto Biografias. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.