Isaura Bruno

actriz brasileira

Maria Isaura Bruno (Jaú, 23 de janeiro de 1916[1]Campinas, 2 de maio de 1977) foi uma atriz brasileira. Apesar dos poucos trabalhos realizados, destacou-se como uma das primeiras atrizes negras a ganhar um papel central em uma telenovela, Mamãe Dolores em O Direito de Nascer, na TV Tupi.[2]

Isaura Bruno
Nome completo María Isaura Bruno
Outros nomes Ysaura Bruno
Nascimento 23 de janeiro de 1916
Jaú, São Paulo
Nacionalidade brasileira
Morte 2 de maio de 1977 (61 anos)
Campinas, São Paulo
Ocupação Atriz
Atividade 1949–1972

BiografiaEditar

Filha de Benedito Florindo Bruno e Benedita de Jesus[1], ficou órfã de pai aos três e de mãe aos onze anos de idade, indo morar com a avó até os dezesseis, quando esta também faleceu e Isaura foi expulsa de casa pelos tios, partindo para São Paulo em 1943 trabalhar como empregada doméstica.[3] Em 1944 engravidou de um homem do qual não era casada e por isso perdeu o emprego, tendo que dormir em abrigos públicos e alojamentos de igrejas, uma vez que não tinha como manter-se.[3] Devido a situação de rua, sua filha acabou morrendo de pneumonia com poucos meses da idade.[3]

Isaura adotou uma criança anos mais tarde, Penha Maria.[3]

CarreiraEditar

Em 1948 trabalhava como cozinheira na casa do escritor Orígenes Lessa quando uma amiga a indicou para Wálter Forster, que procurava uma jovem negra para estrelar o filme Luar do Sertão, sendo convencida pelo diretor a iniciar a carreira de atriz.[4] No filme, lançado em 1949, Isaura interpretava a empregada Flausina, inspirada na personagem de Hattie McDaniel em ...E O Vento Levou.[4] Em 1952 esteve no filme Simão, o Caolho.[2] Isaura continuou trabalhando como doméstica até retomar a atuação em 1962 com o filme O Vendedor de Linguiça e estrear na televisão em 1963 na novela Quando Menos se Espera, na TV Cultura.

Em 1964 interpretou a líder dos quilombolas Rosa em Banzo na RecordTV e, no mesmo ano, destacou-se como a primeira negra em um dos papéis centrais de uma novela em O Direito de Nascer na TV Tupi, interpretando Mamãe Dolores, papel pelo qual foi indicada a alguns prêmios.[4] Na época a imprensa notou que o elenco da novela chegava a receber centenas de cartas de fãs e não conseguia sair na rua sem ser cercado por pedidos de autógrafos.[5] Em 1965 Isaura perdeu a oportunidade de carreira internacional: o diretor Tito Davison enviou um telegrama para a TV Tupi convidando a atriz para voltar a interpretar Mamãe Dolores na versão mexicana de El derecho de nacer (1966) após saber do extremo sucesso da brasileira, porém a carta ficou perdida no meio da correspondência enviada por fãs e, quando enfim foi descoberta, a telenovela já estava no ar com a cubana Eusebia Cosme no papel.[5]

Em 1965 Isaura interpreta Maria em O Preço de uma Vida e em 1966 Branca em O Anjo e o Vagabundo. Entre 1967 e 1969 esteve como Tia Nastácia na montagem da Band de Sítio do Picapau Amarelo.[4] Já em 1969 esteve em A Cabana do Pai Tomás, novela acusada de racismo pelo uso de blackface do protagonista.[6]

Após 1970, com um espaço restrito para negros na televisão, Isaura não recebeu mais convites para novelas e teve que voltar a trabalhar como doméstica e vender doces na Praça da Sé para sobreviver.[5] Logo após mudou-se para Campinas morar com sua filha Penha Maria, trabalhando como gari.[5] Em 2 de maio de 1977 sofreu um ataque cardíaco na rua e, sem ser reconhecida, foi levada para a unidade indigentes da Santa Casa de Campinas, confundida como moradora de rua, onde morreu.[5]

FilmografiaEditar

TelevisãoEditar

Ano Título Personagem
1963 Quando Menos se Espera Regina
1964 Banzo Rosa
1964 O Direito de Nascer Mamãe Dolores
1965 O Preço de uma Vida Maria
1966 O Anjo e o Vagabundo Branca
1967–1969 Sítio do Picapau Amarelo Tia Nastácia
1969 A Cabana do Pai Tomás Bessie

CinemaEditar

Ano Título Personagem
1949 Luar do Sertão Flausina
1952 Simão, o Caolho Cassandra
1962 O Vendedor de Linguiça Dona Fifi
1968 O Jeca e a Freira Vandinha
1972 A Marcha Rosália
1975 O Incrível Seguro de Castidade

Ligações externasEditar

Referências

  1. a b Ofício de registro civil de Jaú SP (8 de agosto de 1934). «Talão de registro de nascimento de Maria Isaura Bruno». Consultado em 13 de março de 2022 
  2. a b ARAÚJO, Joel Zito. «O negro na telenovela, um caso exemplar da decadência do mito da democracia racial brasileira». Buala. Consultado em 7 de agosto de 2015 
  3. a b c d «Isaura Bruno». Museu da TV. Consultado em 8 de janeiro de 2022 
  4. a b c d BONVENTTI, Rodolfo (23 de junho de 2014). «Eterna Memória: Isaura Bruno». Cartão de Visita (R7). Consultado em 7 de agosto de 2015 
  5. a b c d e «Isaura Bruno, além da Mamãe Dolores». Memórias Cinematográficas. Consultado em 8 de janeiro de 2022 
  6. «Em 1969, estrela da Globo causou polêmica ao fazer blackface em novela». Notícias da TV. Consultado em 8 de janeiro de 2022 
  Este artigo sobre um ator é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.