Islão em Moçambique

O Islão é a religião de aproximadamente 20% da população total de Moçambique[1], sendo a grande maioria sunita pertencente à escola de jurisprudência Shafi'i, embora alguns xiitas e ismaelitas também estejam registrados. Os muçulmanos consistem principalmente de nativos moçambicanos, cidadãos da descendência do sul da Ásia (indiana e paquistanesa) e um número muito pequeno de imigrantes norte-africanos e do Oriente Médio.[2][3]

Mesquita em Maputo

História pré-colonialEditar

Moçambique tem longos laços históricos com o mundo muçulmano. Inicialmente por meio de comerciantes Iêmen, e séculos depois, através de um sistema mais organizado de cidades comerciais costeiras, influenciados pelos muçulmanos Ibadi de Omã, ao longo da costa oriental da África .A chegada do comércio árabe em Moçambique data do quarto século islâmico, quando os muçulmanos estabeleceram pequenos emirados na costa da África Oriental. As ligações entre o Islão e os principais clãs em Moçambique existem desde o século VIII, quando os muçulmanos invadiram a costa moçambicana setentrional tornando-os associados às elites governantes xirazi.[4]

Desde a fundação do Sultanato de Kilwa, no século XI, por Ali ibn al-Hassan Shirazi, o Islão se tornou uma grande religião na região. A antiga cidade portuária de Sofala, que se tornou famosa pelo seu comércio de marfim, madeira, escravos, ouro (através do Grande Zimbabwe) e ferro com o Oriente Médio e a Índia, foi um dos centros comerciais mais importantes da costa de Moçambique.[5] Sofala e grande parte do resto da costa de Moçambique fazia parte do Sultanato de Kilwa desde a chegada dos árabes. até à conquista portuguesa em 1505. Acredita-se que quase todos os habitantes das cidades eram muçulmanos antes da chegada dos portugueses no século XVI.

História colonialEditar

O Islamismo enfrentou sérios desafios em Moçambique durante a era colonial. Durante o período do Estado Novo (1926-1974), o catolicismo romano se tornou a religião dominante após uma aliança entre a Igreja e o governo. Somente com o início da Guerra de Libertação o Estado diminuiu sua oposição ao Islão e tentou uma aproximação, a fim de evitar uma aliança entre os muçulmanos e o movimento de libertação dissidente.

Ver tambémEditar

ReferênciasEditar