Abrir menu principal
Disambig grey.svg Nota: "Isoglossa" redireciona para este artigo. Para o gênero botânico, veja Isoglossa (botânica).
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde dezembro de 2009). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Isoglossas nas Ilhas Feroé

Uma isoglossa é a fronteira geográfica de uma certa característica linguística, por exemplo, a pronúncia de uma vogal, o significado de uma palavra ou o uso de uma característica sintática.

Os dialetos são tipicamente demarcados por enormes fronteiras de isoglossas, por exemplo, a linha de Benrath, que divide a Alta Alemanha da Baixa Alemanha; ou a Linha La Spezia-Rimini que divide as línguas românicas orientais das ocidentais. Sem dúvida, a maior e mais conhecida isoglossa é a isoglossa Centum-Satem, que separa as línguas indo-europeias em duas categorias genéticas distintas.

O nome é inspirado em isogramas como isóbaras, etc; porém, a isoglossa separa, ao invés de conectar pontos de línguas iguais (talvez se possa dizer que conecta pontos de linguagens indefinidas).

Tipos de isoglossasEditar

Uma isoglossa pode ser delineada com base em elementos lexicais. Nesse caso, chama-se isoléxica e demarca as regiões em que determinada palavra é preferida em detrimento de outra para denominar o mesmo objecto.

Pode, também, de uma forma mais precisa, ser estabelecida através de elementos fonéticos. Neste caso, chama-se isófona e demarca a fronteira entre as regiões em que se realiza determinado traço fonético. Exemplo de uma isófona é a linha imaginária que separa as regiões em que os fonemas /v/ e /b/ são fonologicamente fundidos (a célebre troca dos "b" pelos "v" nos dialetos setentrionais e centro-litorais em Portugal) e as regiões em que estes fonemas são fonologicamente distintos (toda as restantes regiões de Portugal e do mundo lusófono).

Em alguns ramos (por exemplo grego antigo, Itálico e Germânico), os palatais fundiram-se com os velares: PIE Predefinição:PIE "Tremble (internamente) " tornou-se o termo Latino cupiō "desire" e Predefinição:PIE "cem" became Latin centum (pronounciado [kentum]); mas Predefinição:PIE "pronome intwerrogativo" Ficou quō "Como? Onde?". Elas são conhecidas como centum ramos, nomeados após a palavra latina para cem.

Em outros ramos (por exemplo, Líguas Balto-eslávicas e indo-Iranianas), os labiovelars se fundiram com os velares: PIE Predefinição:PIE passou a ser o Sânscrito védico kopáyati "agitada" e Predefinição:PIE passou a ser o avesta "quem?"; mas Predefinição:PIE passou a ser satəm. Eles são conhecidos como satem ramos, após a palavra para cem.[1][2]

Referências

  1. Fortson IV, Benjamin W. (2004). Indo-European Language and Culture. [S.l.]: Blackwell Publishing. pp. 52–54. ISBN 1-4051-0316-7 
  2. Rix, Helmut (2001). Lexikon der indogermanischen Verben. [S.l.]: Dr. Ludwig Reichert Verlag. p. 359. ISBN 3-89500-219-4 

Ver tambémEditar

  Este artigo sobre linguística ou um linguista é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.