Abrir menu principal
Israel Klabin
2º Prefeito do Rio de Janeiro
Período 15 de março de 1979
até 3 de junho de 1980
Antecessor Marcos Tamoyo
Sucessor Júlio Coutinho
Presidente do Banco do Estado do Rio de Janeiro
Período junho de 1980
até março de 1983
Dados pessoais
Nascimento 20 de setembro de 1926 (93 anos)
Rio de Janeiro, RJ, Brasil
Nacionalidade brasileiro
Progenitores Mãe: Rose Haas
Pai: Wolff Kadischewitz
Cônjuge Lina Caldas Paranhos (1950–?)
Léa Manela (1975-presente)
Partido Movimento Democrático Brasileiro
Profissão Engenheiro civil
linkWP:PPO#Brasil

Israel Klabin (Rio de Janeiro, 20 de setembro de 1926) é um engenheiro civil, matemático, ambientalista[1] e político brasileiro.[2][3][4] Assumiu em 1979 a prefeitura da cidade do Rio de Janeiro.[5]

BiografiaEditar

Descendente de lituanos e judeus,[6] é filho do empresário Wolff Kadischewitz (Klabin)[7][8] e de Rose Haas. Neto por parte de pai de Israel Kadischewitz e Feiga Zlata (Fanny) Lafer, sendo bisneto de Samuel Lazarovitch Lafer, patriarca da família Lafer-Klabin.[9] É também neto, por parte de mãe, do (major) judeu Arthur Dieudonné Haas[10] e de Mathilde Liebman.[11][12] É irmão de Daniel Miguel Klabin e de Armando Klabin.[6]

Em 1950 casou-se com Lina Caldas Paranhos,[6][13] com quem teve quatro filhos. Após separação casa-se novamente em 1975 com Léa Manela,[6] com quem teve mais três filhos.[5] Um dos seus filhos, Leonardo Klabin, foi deputado estadual do Rio de Janeiro pelo Movimento Democrático Brasileiro.[5][14]

Pós-graduado pelo Instituto de Ciências Políticas, na França, é formado em engenharia civil e matemática na antiga Universidade do Brasil, atual Universidade Federal do Rio de Janeiro.[5]

É uma importante figura do grupo empresarial, Klabin (ligado ao setor de papel e celulose). Aos 30 anos de idade, diante da morte precoce do pai, Israel, sendo o filho mais velho, viu-se obrigado a assumir a presidência da empresa da família, a Klabin Irmãos&Cia, atual Klabin S.A..[15]

Contribuiu com estudos, explorando o carvão mineral no município de Tibagi, atual município de Telêmaco Borba, no Paraná,[16] pesquisando e lavrando na década de 1950 rochas sedimentares combustíveis na Fazenda Monte Alegre.[17][18]

Integrou o grupo fundador do Instituto Superior de Estudos Brasileiros (ISEB), serviu ao governo como consultor e planejador de desenvolvimento regional, sendo co-autor de diretrizes para desenvolvimento do Nordeste brasileiro.[5] Foi também membro do conselho de desenvolvimento da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio)[5] e do conselho superior da Sociedade Nacional de Agricultura, além de compor o conselho internacional da Universidade de Tel Aviv.[5]

Em junho de 1980, tornou-se presidente do Banco do Estado do Rio de Janeiro S.A. (Banerj), permanecendo no cargo até março de 1983.[5]

Após a realização da Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento (Rio-92), em 1992, criou, a Fundação Brasileira para o Desenvolvimento Sustentável (FBDS), onde é atualmente o presidente do conselho curador.[5][19]

Prefeito do Rio de JaneiroEditar

Foi indicado em 1979 para assumir a prefeitura da cidade do Rio de Janeiro pelo então governador Chagas Freitas. Deixou a chefia municipal em 1980 por conta dos atritos com o governo federal, devido a sua proposta de reexaminar a lei da fusão entre o extinto estado da Guanabara e o antigo estado do Rio de Janeiro. Foi substituído por Júlio Coutinho.[5]

Durante o período em que esteve à frente da prefeitura, promoveu, entre outras realizações, a anistia fiscal e melhoria do sistema de atendimento ao contribuinte e o Plano de Atendimento Médico para o Centro e a Zona Oeste do município.[5]

Obras publicadasEditar

  • A Urgência do Presente – Biografia da Crise Ambiental. Editora Campus/Elsevier, 2011.

Referências

  1. «Israel Klabin lança Biografia da Crise Ambiental». Planeta Sustentável. Consultado em 11 de junho de 2012 
  2. «Governança é principal causa da crise global, aponta Israel Klabin». iBahia. Consultado em 11 de junho de 2012 
  3. «Entrevista Especial – Israel Klabin». Idéia Sustentável. Consultado em 11 de junho de 2012 
  4. «Israel Klabin analisa questões da sustentabilidade em entrevista especial para a revista Veja». FBDS. Consultado em 11 de junho de 2012 
  5. a b c d e f g h i j k «KLABIN, ISRAEL - Verbete». FGV - Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil (CPDOC). 2002. Consultado em 8 de dezembro de 2016 
  6. a b c d «Educação Judaica no Brasil. Lafer-Klabin de Poselvja: Empreendedores e Intelectuais Brasileiros» (PDF). Arquivo Histórico Judaico Brasileiro. Outubro de 2011. Consultado em 16 de julho de 2018 
  7. Hellê Vellozo Fernandes (1973). «Monte Alegre Cidade-Papel». Klabin. Consultado em 8 de dezembro de 2016 
  8. Carlos Heitor Cony, Sergio Lamarão, Rosa Maria Canha (2001). «Wolff Klabin: a trajetória de um pioneiro - A maior fábrica de papel do país». FGV Editora. Consultado em 8 de dezembro de 2016 
  9. Jacques Marcovitch (2005). «Pioneiros e empreendedores: a saga do desenvolvimento no Brasil, Volume 2». Editora Saraiva. Consultado em 8 de dezembro de 2016 
  10. Ethel Mizrahy Cuperschmid (2013). «Judeus entre dois mundos: primórdios da comunidade judaica de Belo Horizonte (1922-1961)». Marketing Aumentado. Consultado em 3 de abril de 2018 
  11. Rachelle Zweig Dolinger (2004). «Mulheres de valor». Garamond. Consultado em 3 de abril de 2018 
  12. «Discursos parlamentares de Horácio Lafer». Câmara dos Deputados, Centro de Documentação e Informação, Coordenação de Publicações. 1988. Consultado em 3 de abril de 2018 
  13. Francisco Daudt (2013). «A natureza humana existe: e como manda na gente». Casa da Palavra. Consultado em 8 de dezembro de 2016 
  14. Sebastião Nery (2002). «Folclore político: 1950 histórias». Geração. Consultado em 8 de dezembro de 2016 
  15. Anacília Carneiro da Cunha (1982). «O Homem Papel - Análise Histórica do Trabalhador das Indústrias Klabin do Paraná de Celulose S/A 1942-1980» (PDF). Universidade Federal do Paraná. Consultado em 8 de dezembro de 2016 
  16. «Decreto nº 36.048, de 12 de Agosto de 1954 - Autoriza o cidadão brasileiro Israel Klabin a pesquisar carvão mineral no município de Tibagi, Estado do Paraná.». Diário Oficial da União. 12 de agosto de 1954. Consultado em 8 de dezembro de 2016 
  17. «Legislação do carvão nacional, Volume 2». Conselho Nacional do Petróleo, Assessoria de Relações Púbicas. 1978. Consultado em 8 de dezembro de 2016 
  18. «Decreto nº 40290 de 05/11/1956 / PE - Poder Executivo Federal (D.O.U. 06/11/1956) - Autoriza o cidadão brasileiro Israel Klabin a lavrar carvão mineral no município de Tibagi, Estado do Paraná.». Diários das Leis. 5 de novembro de 1956. Consultado em 8 de dezembro de 2016 
  19. «Israel Klabin ministra palestra no Seminário Mudanças Climáticas». Fundação Brasileira para o Desenvolvimento Sustentável. Novembro de 2008. Consultado em 8 de dezembro de 2016 

Ligações externasEditar