Itacuruçá

Balneário turístico na Costa Verde do Rio de Janeiro, distrito do município de Mangaratiba

Itacuruçá é um distrito do município de Mangaratiba, situado na região litorânea da Costa Verde, no Sul do estado do Rio de Janeiro, Brasil.

Acessível pela Rodovia Rio-Santos, é um distrito vizinho de Muriqui e próximo da ilha do mesmo nome.

O distrito também é cortado por uma ferrovia, o Ramal de Mangaratiba da antiga Estrada de Ferro Central do Brasil, atualmente restrito ao transporte de cargas para os portos locais. [1]

HistóriaEditar

No século XVII as terras da região eram domínio dos índios Tamoios. Os portugueses trouxeram, oriundos do sul da Bahia, algumas centenas de índios Tupinambá, com o objetivo de conquistar o território. Pacificada a região, os jesuítas fundaram um povoado na área do continente mais próxima da ilha de Piaçavera e ali fincaram uma cruz, utilizando pedras colhidas nos arredores. O ponto em questão passou a ser denominado, pelos indígenas, como Itacuruçá (Ita = pedra + Curuçá = cruz). Nesse local, quase um século depois, em 1840, foi erguida uma igreja em homenagem a Nossa Senhora de Santanna. Durante muitos anos, o povoado mal passava de um ajuntamento de casebres toscos, na periferia dos domínios do comendador Joaquim José de Sousa Breves que, em Mangaratiba, notabilizava-se por ser o maior proprietário de escravos do Brasil Colônia e dono de terras para a produção de café que iam do litoral sul do Rio de Janeiro até os contrafortes da serra da Mantiqueira, em Minas Gerais, passando pelos atuais municípios de Valença, Vassouras, Piraí, Barra do Piraí, etc.

No ano de 1911, a Estrada de Ferro Central do Brasil expande seu ramal ao distrito, colocando-o dentro do sistema ferroviário do Rio de Janeiro. Nesse mesmo ano, é inaugurada a Estação Ferroviária de Itacuruçá. [2]

A partir dos anos 1940, Itacuruçá dividia sua vocação econômica em três segmentos: produção de bananas, pesca intensiva e balneário turístico. Até o início dos anos 1980, além do grande movimento de cargas, sua estação ferroviária recebia um grande número de passageiros e banhistas aos finais de semana, de onde seguiam rumo à Praia de Itacuruçá, situada em frente à estação, para fins de lazer ou para se deslocarem às ilhas paradisíacas locais. [3]

Atualmente, além da tradição do turismo e de ponto de partida dos passeios de saveiro ao redor das ilhas tropicais, o distrito tornou-se ponto de acolhimento para centenas de profissionais que desenvolvem suas atividades nas empresas situadas no Porto de Itaguaí.

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre geografia do Rio de Janeiro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
  1. «Itacuruçá -- Estações Ferroviárias do Estado do Rio de Janeiro». www.estacoesferroviarias.com.br. Consultado em 4 de agosto de 2020 
  2. «Estação de Itacuruçá | Mapa de Cultura RJ». mapadecultura.rj.gov.br. Consultado em 4 de agosto de 2020 
  3. «Trem de Mangaratiba -- Trens de passageiros do Brasil». www.estacoesferroviarias.com.br. Consultado em 5 de agosto de 2020