Abrir menu principal
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde dezembro de 2017). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Ivan Cândido
O ator, em cena de Lúcio Flávio,
o Passageiro da Agonia
(1977)
Nascimento 21 de dezembro de 1931
Rio de Janeiro, RJ
Nacionalidade brasileiro
Morte 31 de maio de 2016 (84 anos)
Rio de Janeiro
Ocupação Ator
Outros prêmios
Festival de Gramado: Melhor ator coadjuvante por:
Lúcio Flávio, o Passageiro da Agonia

Ivan Cândido (Rio de Janeiro, 21 de dezembro de 1931 - Rio de Janeiro, 31 de maio de 2016) foi um ator brasileiro.

Biografia e carreiraEditar

Estreou no cinema em 1962, no longa Boca de Ouro, de Nelson Pereira dos Santos. Nos anos seguintes teve papéis de destaque em exemplares do chamado Cinema Novo, como Os Fuzis (1963), de Ruy Guerra, e A Falecida (1965), de Leon Hirszman. Protagonizou A Cartomante (1974), dirigido por Marcos Farias, O Último Malandro (1974) e Pecado na Sacristia (1976), os dois últimos de Miguel Borges, e atuou em outras produções, como Lúcio Flávio, o Passageiro da Agonia (1977), de Hector Babenco, Pra frente, Brasil (1981), de Roberto Farias, Luz del Fuego (1982), de David Neves, Tensão no Rio (1983), de Gustavo Dahl e o longa em episódios Èrotique (episódio: "Final Call"), de Ana Maria Magalhães.

Ivan tinha longo currículo na TV. Atuou em telenovelas e telesséries, com destaque para Irmãos Coragem (1970) e Pai Herói (1979), ambas de Janete Clair, O Casarão (1976) e Roda de Fogo (1986), de Lauro César Muniz, Tenda dos Milagres (1985), de Aguinaldo Silva e Regina Braga e Pátria Minha (1994), de Gilberto Braga. Esteve à frente do elenco da série Tamanho Família (1985), escrita por Geraldo Carneiro, Mauro Rasi, Miguel Falabella e Vicente Pereira, e em Anos Rebeldes (1992), também de Gilberto Braga, interpretou o papel do pai que observa a separação da família devido à ação da ditadura militar. Com o tempo, ficou estigmatizado no papel de delegado ou militar.

Seus últimos trabalhos foram: na televisão, a novela das sete da Rede Globo, Cobras e Lagartos e no cinema, o filme Zuzu Angel, de Sérgio Rezende, em 2006. Também trabalhou na adaptação do livro Lisbela e o prisioneiro para o cinema.

Morreu em 31 de maio de 2016, aos 85 anos, de pneumonia, deixando três filhas e quatro netos.[1]

Trabalhos no cinemaEditar

Trabalhos na TVEditar

Prêmios e indicaçõesEditar

Festival de Gramado (1978)

  • Vencedor na categoria melhor ator coadjuvante, por Lúcio Flávio - o Passageiro da Agonia.

MorteEditar

Vítima de uma pneumonia, foi internado no CTI de um hospital no Rio de Janeiro, em 26 de maio de 2016. Após sofrer três paradas cardíacas, morreu na tarde de 31 do mesmo mês, teve seu corpo cremado na quarta-feira(01),[1] no Cemitério do Cajú, na mesma cidade.

Ligações externasEditar

Referências

  1. a b «Ator Ivan Cândido morre vítima de pneumonia, no Rio». G1. 01 de junho de 2016. Consultado em 01 de junho de 2016  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  Este artigo sobre um ator é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.