Abrir menu principal
Júlio Bressane
Júlio Bressane em 2006
Nascimento 13 de fevereiro de 1946 (73 anos)
Rio de Janeiro, RJ
Nacionalidade Brasil Brasileiro
Ocupação Roteirista, Produtor e Diretor

Júlio Eduardo Bressane de Azevedo (Rio de Janeiro, 13 de fevereiro de 1946) é um cineasta brasileiro.

BiografiaEditar

Um digno representante do cinema marginal brasileiro, Júlio Bressane começou a fazer cinema como assistente de direção de Walter Lima Júnior, em 1965.

Seu nome ganhou mais notoriedade após a realização do documentário sobre Maria Bethânia, cantora que estreou nacionalmente em 1965 e logo virou uma das maiores estrelas brasileiras. Bethânia Bem de Perto tornou-se um emblema na carreira do diretor e foi lançado em DVD décadas depois.

Em 1967 lançou sua primeira ficção, "Cara a Cara, sendo selecionado para o Festival de Brasília. Em 1970 fundou a Bel-Air Filmes em sociedade com o também cineasta Rogério Sganzerla. Eles optaram por um modelo de realizar filmes de baixo custo e produção e com isso conseguiram rodar seis longas-metragens em apenas seis meses.

Ele chegou a se exilar em Londres, no início dos anos 1970, mas voltou ao Brasil alguns anos depois e fez um filme atrás do outro, usando a chanchada e o deboche como suas principais características.

Seu penúltimo filme, "Cleópatra", foi apresentado no Festival de Cinema de Veneza de 2007, fora da competição,[1] além de ter sido premiado como melhor filme do 40º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, em novembro de 2007.

CarreiraEditar

PremiaçõesEditar

  • Filme de Amor ganhou os prêmios de melhor filme, fotografia (Walter Carvalho) e trilha sonora (Guilherme Vaz), no 36º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, em 2003.
  • Troféu Candango de melhor filme no Festival de Brasília, por Tabu (1982) e Miramar (1997).
  • Troféu Candango de melhor diretor no Festival de Brasília, por Miramar (1997) e São Jerônimo (1999).
  • Prêmio de melhor roteiro Rosa Maria Dias no Festival de Brasília por Dias de Nietzsche em Turim.

Livros publicadosEditar

  • Alguns. Rio de Janeiro: Imago, 1996
  • Cinemancia. 99 páginas, Rio de Janeiro, Imago, 2000
Ensaios sobre Robert Bresson,Brás Cubas,Vidas Secas, Augusto de Campos e Ralph Waldo Emerson.
  • Fotodrama. 72 páginas, Rio de Janeiro, Imago, 2005
Bressane discute o cinema de Jean Marie Straub.

"Deslimite". Rio de Janeiro: Imago, 2011

Referências

Ligações externasEditar