JOTA (site)

JOTA
País Brasil
Assinatura sim
Fundação 2014[1]
Idioma português


JOTA.info é um veículo de imprensa independente.[2] Foi fundado por jornalistas especializados no acompanhamento jurídico e institucional do Brasil. Em 2019, foi eleito a melhor startup de mídia digital do mundo[3]. Os outros dois concorrentes ao prêmio foram a startup americana Axios e o site Abacus, ligado ao South China Morning Post, de Hong Kong. O foco inicial de cobertura foi o Poder Judiciário, mas ao longo dos últimos quatro anos a empresa expandiu sua atuação ao âmbito institucional, com coberturas no Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf), Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e Anvisa.[4] A empresa ainda conta com setoristas no Congresso Nacional, acompanhando o dia a dia do Legislativo.

HistóriaEditar

O JOTA.info foi ao ar em setembro de 2014, por fundado por Felipe Recondo e Felipe Seligman, que eram concorrentes de cobertura de Supremo Tribunal Federal (STF) nos jornais O Estado de S. Paulo e Folha de S.Paulo, respectivamente. [carece de fontes?]

Em 3 de fevereiro de 2016, o JOTA firmou uma parceria com o portal UOL,[5] com estreia em 25 de fevereiro do mesmo ano.[6]

O nome do blog "JOTA" se refere à escrita e pronúncia da primeira letra do tema principal tratado: "J" de JUSTIÇA, Justiça se escreve com JOTA, essa foi a inspiração para os criadores nomeá-lo como Jota, mostrando desde a escolha do nome que inovariam e trariam algo diferente do convencional.

Furos jornalísticosEditar

MP-SP pede prisão de Lula

No dia 10 de março, o JOTA.info foi o site responsável por dar, no jargão jornalístico, o "furo" do pedido de prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pelos promotores de Justiça do Ministério Público de São Paulo. [7]

Vídeo do ex-presidente do Brasil Lula

A Revista Época publicou uma reportagem em 5 de março de 2016 que fala sobre um vídeo publicado pela deputada federal do PCdoB Jandira Feghali gravado em 4 de março de 2016, onde é possível ver o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva desabafando com xingamentos sobre possivelmente processos em que é investigado. O vídeo na reportagem foi citado como tendo sido divulgado por JOTA.[8]

EquipeEditar

SóciosEditar

  • Felipe Recondo
  • Felipe Seligman
  • Fernando Mello
  • Laura Diniz
  • Marc Sangarné

Repórteres e editoresEditar

  • Alexandre Leoratti (Brasília)
  • Bárbara Mengardo (Brasília)
  • Bernardo Gonzaga (Brasília)
  • Bruna Borges (São Paulo)
  • Fábio Zambeli (São Paulo)
  • Gustavo Gantois (São Paulo)
  • Guilherme Pimenta (Brasília)
  • Hyndara Freitas (Brasília)
  • Jamile Racanicci (Brasília)
  • Kalleo Coura (São Paulo)
  • Luiz Orlando Carneiro (Brasília)
  • Luís Viviani (São Paulo)
  • Patrícia Gomes (Rio de Janeiro)
  • Raquel Alves (Brasília)
  • Raquel Salgado (São Paulo)
  • Valentina Trevor (Brasília)

Referências

  1. «Quem Somos». Jota. Consultado em 27 de maio de 2020. Cópia arquivada em 27 de maio de 2020 
  2. «Mapa do Jornalismo Independente». Agência Pública. Consultado em 1 de maio de 2020. Cópia arquivada em 1 de maio de 2020 
  3. «JOTA vence prêmio de melhor startup de informação digital do mundo». JOTA Info. 2 de junho de 2019. Consultado em 13 de julho de 2019 
  4. «Quem somos». JOTA. Consultado em 9 de março de 2016. Arquivado do original em 11 de março de 2016 
  5. «Mensagem aos leitores: Parceria com o UOL». JOTA. 3 de fevereiro de 2016. Consultado em 9 de março de 2016. Arquivado do original em 11 de março de 2016 
  6. UOL (25 de fevereiro de 2016). «Estreia no UOL o site de informações jurídicas JOTA». UOL. Consultado em 9 de março de 2016 
  7. «MP-SP pede prisão preventiva de Lula». JOTA. Consultado em 8 de agosto de 2017 
  8. «Em vídeo, Lula desabafa após depoimento À PF». Revista Época. 5 de março de 2016. Consultado em 9 de março de 2016 

Ligações externasEditar