Jabaquara (distrito de São Paulo)

distrito da cidade de São Paulo
Jabaquara
Vila Guarani.JPG
Área 14,1 km²
População (10°) 223.780 (2010) hab. (2010)
Densidade 150,71 hab/ha
Renda média R$ 9.700,00
IDH 0,892 - muito elevado (29°)
Subprefeitura Jabaquara
Região Administrativa Zona Centro-Sul
Área Geográfica 6 (Sul)
Sp Jabaquara.jpg
Distritos de São Paulo Bandeira da cidade de São Paulo.svg

Jabaquara é um distrito do município de São Paulo, no Brasil, fundado em 1964. Localiza-se na zona centro-sul do município. Conta com duas estações de Metrô (Jabaquara[1] e Conceição[2]) e uma rodoviária.[3] Conta atualmente com mais de 220 000 habitantes.

Centro de Exposições Imigrantes, atualmente São Paulo Expo
Casa do Sítio da Ressaca, construída em estilo bandeirista durante o período colonial do Brasil

TopônimoEditar

O nome do distrito tem sua origem no tupi e significa "toca da fuga", através da junção dos termos îababa (fuga) e kûara (toca). Provavelmente, uma alusão a antigos quilombos que deveriam existir na região.[4]

HistóriaEditar

O sítio da Ressaca foi construído no século XVIII e tombado no ano de 1972. Três anos depois, o projeto CURA (Comunidade Urbana de Recuperação Acelerada) transformou o Jabaquara em área-piloto, com a restauração iniciada em 1978 e retomada em 1986, após um incêndio.[5] O local, alguns anos depois, passou a abrigar o Acervo da Memória e do Viver Afro-Brasileiro, que reúne objetos referentes à presença dos negros em São Paulo.[5]

Até o início do século XVII, a região era ocupada apenas pelos viajantes que se dirigiam a Santo Amaro e à Borda do Campo. A partir dessa época, a região começou a ser procurada por fazendeiros e sitiantes que passaram a abrir estabelecimentos agrícolas e comerciais. Contudo, começou a popularizar-se apenas a partir do final do século XIX, quando a prefeitura decidiu instalar o parque do Jabaquara, utilizado para passeios e piqueniques.

Entre os anos de 1886 e 1913, circularam, pela região, os trens a vapor de uma pequena ferrovia que ligava a Vila Mariana a Santo Amaro e cujos trilhos foram implantados sobre uma via do antigo caminho do Carro (via de ligação entre São Paulo e Santo Amaro após atravessar os atuais distritos do Campo Belo e do Brooklin). Em 1906, a São Paulo Tramway, Light and Power Company implantou uma linha de bondes que passava ao largo da região, pois seguia em um trajeto que ia desde a rua Tutoia, na Vila Mariana, até o centro de Santo Amaro.

O primeiro loteamento do Jabaquara aconteceu na vila Santa Catarina entre 1920 e 1921. Até o final da década de 1920, boa parte da região era escassamente povoada, com chácaras esparsas em meio a extensas superfícies não ocupadas. Uma região sem grande urbanização e com grandes características rurais até então.

O desenvolvimento e a urbanização vieram apenas no final da década de 1920, com a criação da Avenida Washington Luís, ligando a mais desenvolvida vila Mariana aos loteamentos suburbanos às margens das represas e, principalmente, com a inauguração do Aeroporto de Congonhas em 1936.

A construção da Paróquia São Judas Tadeu em 1940, a pedido do arcebispo metropolitano dom José Gaspar Afonso e Silva, auxiliou na valorização das terras da região, que se beneficiaram com o desenvolvimento. Isso incentivou a abertura de loteamentos (Jardim Aeroporto, Vila Mascote, Vila Santa Catarina, Vila Parque Jabaquara), que, no entanto, permaneceram praticamente desocupados ou com apenas alguns núcleos isolados até a década de 1950.

 
Terminal Rodoviário do Jabaquara, uma das três rodoviárias localizadas na cidade de São Paulo
 
Complexo empresarial do Banco Itaú

Outra valorização posterior veio em 1968, quando começaram as obras da Linha 1-Azul do metrô de São Paulo. Ficou determinado que a primeira estação da linha seria a estação Jabaquara, inaugurada junto com outras seis estações em 14 de Setembro de 1974. O distrito ainda abriga outra estação metroviária (Conceição), também pertencente à Linha 1-Azul. Três anos depois, em 2 de Maio de 1977, foi inaugurado o Terminal Rodoviário Intermunicipal Jabaquara, que, por sua localização ao sul da cidade, possui muitas linhas com destino ao litoral sul paulista.[3] Ambas as obras ajudaram no desenvolvimento populacional da região, que hoje conta com mais de 200 000 residentes. A parte comercial também foi desenvolvida e, atualmente, a região conta com, no mínimo, dois polos comerciais importantes: O Centro Empresarial do Aço e a sede do Banco Itaú.[6]

Localização geográficaEditar

Classes SociaisEditar

O distrito abriga todas as classes sociais, com predominância das classes média e média alta. Nos tempos atuais, é um distrito que vem se consolidando a cada ano, com grandes empreendimentos imobiliários voltados para a classe média e média alta, principalmente nos bairros de Vila Mascote, Cidade Vargas, Vila Guarani, Jardim Prudência e Vila Santa Catarina. Pelo fato de estar em localização privilegiada, conta com duas estações de metrô[1][2] e fica a poucos minutos do Aeroporto de Congonhas. O distrito do Jabaquara também é vizinho de distritos consagrados da cidade de São Paulo, como Saúde e Campo Belo. Todavia, há uma grande presença de favelas em seu território, localizadas, em sua maioria, na região sul do distrito, na divisa com o distrito de Cidade Ademar e o município de Diadema. Tal como em outras favelas do Brasil e do estado de São Paulo, estas passam por graves problemas relacionados à criminalidade, urbanização precária e falta de infraestrutura, das quais decorrem grandes problemas como incêndios, criminosos ou não. Em julho de 2016, um incêndio atingiu a Favela Alba, atingindo e destruindo cerca de 40 casas e matando um jovem de 11 anos de idade.[7] Devido a tais problemas urbanos, prefeituras e governos locais têm incentivado programas de habitação popular, ainda que frequentemente os moradores de favelas reclamem acerca da morosidade dos mesmos.[8]

Dados oficiaisEditar

Dados e informações oficiais, segundo a prefeitura da cidade de São Paulo e o Censo Demográfico de 2000 feito pelo IBGE:[carece de fontes?]

  • Área: 14,10 km²;
  • População: 214 199 habitantes;
  • Taxa de crescimento: 0,20%/ano
  • Densidade demográfica: 15,191 hab/km²
  • Zonas eleitorais: 1 : Jabaquara (320ª);
  • Índice de Vulnerabilidade Juvenil (IVJ): 54;
  • Grupos de vulnerabilidade: 4;
  • Participação da população de quinze a dezenove anos no total de jovens do município: 1,98;
  • População de jovens de quinze a dezenove anos: 19 633

BairrosEditar

  • Americanópolis
  • Jardim Anchieta
  • Vila Babilônia
  • Jardim Bom Clima
  • Vila Campestre
  • Vila Canaã
  • Vila Capela
  • Vila Celeste
  • Vila Clara
  • Jardim Costa Pereira
  • Jardim Cunha Bueno
  • Cidade Domitila
  • Vila do Encontro
  • Vila Facchini
  • Vila Guarani
  • Jardim Itacolomi
  • Jardim Jabaquara
  • Jabaquara
  • Parque Jabaquara
  • Cidade Leonor
  • Jardim Lourdes
  • Vila Mascote
  • Jardim Mendes Gaia
  • Jardim Metropolitano
  • Vila Mira
  • Jardim Oriental
  • Vila Paulista
  • Vila Santa Catarina
  • Jardim São Martinho
  • Jardim Scaff
  • Jardim Sul São Paulo
  • Cidade Vargas
  • Vila da Várzea[9]

Bens tombadosEditar

Distritos limítrofesEditar

Municípios limítrofesEditar

Distritos PróximosEditar

Referências

  1. a b Metrô de São Paulo. «Estação Jabaquara». Consultado em 5 de abril de 2019 
  2. a b Metrô de São Paulo. «Estação Conceição». Consultado em 5 de abril de 2019 
  3. a b Terminal Rodoviário do Jabaquara. «Rodoviária do Jabaquara». Consultado em 5 de abril de 2019 
  4. NAVARRO, E. A. Método moderno de tupi antigo. Terceira edição. São Paulo: Global, 2005. p. 168
  5. a b «O Jabaquara - O Bairro de Rochas e Buracos». São Paulo In Foco. 21 de outubro de 2013. Consultado em 22 de agosto de 2020 
  6. EXAME. «Por dentro da sede do Itaú em São Paulo». Consultado em 5 de abril de 2019 
  7. Incêndio atinge favela na Zona Sul de São Paulo nesta segunda
  8. Moradores de favela esperam obra e nova casa
  9. bol.com.br. «Confira todos os distritos e bairros da zona sul de SP». Bol Notícias. Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  10. Diário do Grande ABC. «Será assim o estádio do Santos FC em Diadema?». dgabc.com.br. Consultado em 12 de março de 2006. Cópia arquivada em 18 de novembro de 2020 

Ver tambémEditar

Ligações externasEditar