Abrir menu principal
Jacopo Sannazaro
Nascimento 28 de julho de 1458
Nápoles
Morte 6 de agosto de 1530
Nápoles
Cidadania Reino de Nápoles
Alma mater Accademia Pontaniana
Ocupação poeta, escritor

Jacopo Sannazaro (Nápoles, 28 de julho de 1458 – Nápoles, 6 de agosto de 1530), poeta e humanista italiano do Renascimento.

Napolitano descendente de uma nobre família, sua infância e adolescencia ocorreu em São Cipriano Piacentino (hospedado na Casa da Familia Sabato situada na Via Santilli). Entrou para a Academia Pontaniana de Nápoles com o nome de Actius Syncerus. Sannazaro, como humanista e poeta deixou uma grande obra em latim e italiano. entre as primeiras se conta As Bucólicas, de inspiração virgiliana, as cinco Eclogas Piscatoriae, que descreviam o Golfo de Napóles, três livros de Elegias e o poema sacro De Partu Virginis,[1] que foi publicado em 1526. Também escreveu Gliommeri, Farse e as Rimas. Mas sua obra mestra é Arcadia. Trata-se de uma novela composta de 12 églogas precedidas cada uma de uma ampla narrativa em prosa. Conta a vida do jovem Sincero (o poeta mesmo) qual trás uma ilusão amorosa. Deixa Nápoles e marcha para Arcádia, onde encontra uma certa paz e serenidade de espírito na vida simples dos pastores/poetas da região. Todavia um sonho terrível o induz a voltar para Nápoles, onde percebe a morte de sua amada.

A Arcadia consolidou um gênero, novela pastoril, na literatura italiana e estrangeira. Foi considerada modelo da poesia em prosa, antecipando uma tendência acentuada após Charles Baudelaire.

Veja tambémEditar

Referências

  1. O padre e escritor português José Agostinho de Macedo refere-se a este poema de Sannazaro—De Partu Virginis—como "perfeitíssimo". — Vide Macedo, José Agostinho de, Censura das Lusiadas (Impressão Regia, 1820), p. 144.
  Este artigo sobre um poeta ou uma poetisa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.