Abrir menu principal

Jaime Reis (Lisboa, 1944) é licenciado em Filosofia, Política e Economia (1967) e doutor em História pela Universidade de Oxford (1975), e mestre em Relações Internacionais pela Fletcher School of Law and Diplomacy (1968). Tem a agregação em História Económica pela Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa (1984). Durante a década de 1970 foi research fellow na universidade de Glasgow e leccionou nas universidades de Vanderbilt, Glasgow e Leicester. Regressado a Portugal, foi professor assistente, associado e catedrático da Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa entre 1978 e 1993. Foi director da mesma faculdade em 1986-90. Ingressou no Gabinete de Investigações Sociais (GIS) em 1978, e passou a investigador associado e depois investigador-coordenador do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa entre 1982 e a actualidade (com um intervalo entre 1988 e 1993). Foi professor catedrático do Instituto Universitário Europeu (1996-2001), professor visitante nas universidades de Umea e Carlos III de Madrid e Investigador Visitante no DEE do Banco de Portugal.

Foi membro fundador e presidente da European Historical Economics Society (1998-9) e vogal do Comité da International Association for Economic History (1994-2002). Pertenceu às comissões editoriais de várias revistas científicas internacionais e nacionais e pertenceu a júris de diversos prémios científicos internacionais. Foi nomeado para pertencer ao board of editors da European Review of Economic History em 2008. É sócio correspondente da Academia das Ciências de Lisboa e participou em painéis de avaliação de centros de investigação de História e de licenciatura de Economia em universidades portuguesas. Em 2007, proferiu a “Eli Hecksher Lecture” da Stockholm School of Economics.

Tem como área de investigação principal a História Económica de Portugal nos séculos XIX e XX. A sua investigação tem incidido sobre os temas da agricultura, da moeda e dos bancos, do capital humano e do trabalho, e do impacto das instituições sobre o crescimento económico.

Na actualidade, tem em preparação os volumes II e III da História do Banco de Portugal e um projecto (em colaboração) sobre Prices, Wages and Rents in Portugal, 1500-1900, além de estudos sobre a eficiência da Justiça oitocentista, sobre a antropometria portuguesa e sobre a contrafacção da moeda fiduciária depois do padrão-ouro.

Publicações mais recentesEditar

  • “Los Sistemas Financieros de la Periferia: Una Comparacion entre Escandinavia y el Sur de la Europa durante el Siglo XIX”, Papeles de Economia (2005),

105/6, pp.109-29.

  • (em colaboração com Rui Pedro Esteves e Fabião Ferramosca) “ Market Integration in the Golden Periphery: The Lisbon/London Exchange, 1854-1891”, Economic Research Department, Bank of Portugal WP 15-05 (2005).
  • “A Burocracia de uma Grande Empresa Portuguesa Oitocentista: Os Empregados do Banco de Portugal, 1846-1914” in Pedro Tavares de Almeida e Rui Miguel C. Branco (orgs.) (2007), Burocracia, Estado e Território em Portugal e Espanha, Séculos XIX e XX (Lisboa: Livros Horizonte), pp. 81-107.
  • “’An Art, not a Science?’ Central Bank Management in Portugal under the Gold Standard, 1863-1887”, Economic History Review (2007), 60, pp. 712-41.
  • “Institutions and Economic Growth in the Periphery: The Efficiency of the Portuguese Machinery of Justice, 1870-1910” in Facchini and Esfahani (no prelo, 2008, Routledge)“Regulation, Competition and Income Distribution: An Outsider’s Perspective”, Quarterly Review of Economics and Finance (2008), nº 48 (no prelo)
  • “Rural –Urban Migration and the Standard of Living of Lisbon and its Hinterland, 1840-19

Capítulos de LivrosEditar

  • Reis, Jaime (2009). Migração, Estatura e Consumo: o Nível de Vida em Lisboa, 1890-1910. In José Vicente Serrão, Magda de Avelar Pinheiro e Maria de Fátima

Sá e Melo Ferreira (Eds.), Desenvolvimento Económico e Mudança Social. Portugal nos Últimos Dois Séculos (pp. 263-279). Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais

  • Reis, Jaime (2008). The Employees of the Bank of Portugal, 1846-1914. A Case of an Internal Labour Market. In Edwin Green and Monika Pohle Fraser (Eds.),

The Human Factor in Banking History - Entrepreneurship, organization, management and personnel (pp. 211-241). Athens: Alpha Bank

  • Reis, Jaime (2007). A Burocracia de uma Grande Empresa Portuguesa Oitocentista: Os Empregados do Banco de Portugal, 1846-1914. In Almeida, Pedro Tavares de e Branco, Rui Miguel C. (Eds.), Burocracia, Estado e Território em Portugal e Espanha, Séculos XIX e XX (pp. 81-107). Lisboa: Livros Horizonte
  • Reis, Jaime (2005). Economic Growth, Human Capital Formation and Consumption in Western Europe before 1800. In Robert C. Allen, Tommy Bengtsson e Martin

Dribe (Eds.), Living Standards in the Past. New Perspectives on Well-Being in Asia and Europe (pp. 195-225). Oxford: Oxford University Press

  • Reis, Jaime (2005). O Trabalho. In Pedro Lains e Álvaro Ferreira da Silva (Eds.), História Económica de Portugal, 1700-2000 (pp. 119-151). Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais
  • Reis, Jaime (2004). Human Capital and Industrialization: The Case of a Late Comer - Portugal, 1890. In Jonas Lungbjerg (Eds.), Technology and Human Capital in Historical Perspective (pp. 22-48). Basingstoke: Palgrave Macmillan
  • Reis, Jaime (2003). Bank Structures, Gerschenkron and Portugal (pre-1914). In Douglas J. Forsyth and Daviel Verdier (Eds.), The Origins of National

Financial Systems. Alexander Gerschenkron Reconsidered (pp. 182-204). London and New York: Routledge

  • Reis, Jaime (2001). Moeda e Crédito. In Nuno Valério (Eds.), Estatísticas Históricas Portuguesas (pp. 537-613). Lisboa: Instituto Nacional de Estatistica
  • Reis, Jaime (2000). O Atraso Económico Português em Perspectiva Histórica? In José Manuel Tengarrinha (Eds.), História de Portugal (pp. 241-261). S. Paulo:

HUCITEC

  • Reis, Jaime (2000). How Poor was the Periphery before 1850? The Mediterranean versus Scandinavia. In Jeffrey G. Williamson and Sevket Pamuk (Eds.), The

Mediterranean Response to Globalization before 1950 (pp. 17-44). Londres e Nova York: Routledge

Artigos em RevistasEditar

  • Reis, Jaime (2009). "Urban Premium" or "Urban Penalty"? The case of Lisbon, 1840-1912. Historia Agraria, 47, 69-94.
  • Pedro Esteves, Rui, Reis, Jaime, Ferramosca, Fabiano (2009). Market Integration in the Golden Periphery. The Lisbon/London Exchange, 1854-1891. Explorations in Economic History, 46, 324-345.
  • Reis, Jaime (2008). Regulation, Competition and Income Distribution: An Outsider's Perspective. Quarterly Review of Economics and Finance Vol. 48, 2,

447-456.

  • Reis, Jaime (2007). An "Art", not a "Science"? Central Bank Management in Portugal under the Gold Standard, 1863-1887. Economic History Review, 60, 712-41.
  • Reis, Jaime (2005). Los Sistemas Financieros de la Periferia: Una Comparacion entre Escandinavia y el Sur de la Europa durante el Siglo XIX. Papeles de

Economia, 105/106, 109-129.

  • Reis, Jaime (2002). Crescimento Económico e Estatura Humana. Há um Paradoxo Antropométrico em Portugal no Século XIX? Memórias da Academia das Ciências de

Lisboa, Classe de Letras Vol. XXXV. 153-169.

  • Reis, Jaime, Lains, Pedro (1994). Donde Vem a Economia Portuguesa? A História Económica de Portugal no Século XX. Análise Social Vol. 29, 127, 773-1044.
  • Reis, Jaime, Lains, Pedro (1991). Portuguese economic growth, 1833-1985. Some doubts. Journal of European Economic History Vol. 20, 2, 441-53.
  • Reis, Jaime, Lains, Pedro (1991). Portugal Económico. Do Vintismo ao Século XX. Análise Social Vol. 26, 112-113, 465-822.

Outras PublicaçõesEditar

  • Pedro Esteves, Rui, Reis, Jaime, Ferramosca, Fabiano (2005-11). Market Integration in the Golden Periphery: The Lisbon/London Exchange 1854-1891. Lisboa:

Banco de Portugal

  • Reis, Jaime (2002). An Art, not a Science - Central Bank Management in Portugal under the Gold Standard, 1854-1891. Lisboa: Economic Research Department,

Bank of Portugal

  • Reis, Jaime (2002). Human Capital, Immaterial Goods and the Standard of Living in pre-Industrial Europe, Working Paper W

Ligações externasEditar