Jaime Hamilton, 1.º conde de Abercorn

Jaime Hamilton, 1.° Conde de Abercorn PC (12 de agosto de 1575 — 23 de março de 1618) foi um diplomata escocês no reinado de Jaime VI da Escócia e I da Inglaterra e um financiador da colonização de Úlster, Irlanda.

Jaime Hamilton, 1.º conde de Abercorn
Nascimento 12 de agosto de 1575
Morte 23 de março de 1618 (42 anos)
Sepultamento Abadia de Paisley
Cidadania Escócia
Progenitores
  • Claud Hamilton
  • Margaret Seton
Cônjuge Marion Boyd
Filho(s) Jorge Hamilton, 1.º Baronete de Donalong, Claud Hamilton, 2.º Barão Hamilton de Strabane, Jaime Hamilton, Anne Hamilton, Margaret Hamilton, Isobel Hamilton, William Hamilton, 1.º Baronete, Alexander Hamilton, Lucy Hamilton
Irmão(s) Frederick Hamilton
Ocupação xerife

Nascimento e origensEditar

Jaime nasceu em 12 de agosto de 1575,[1] provavelmente em Paisley, Escócia, o primogênito de Cláudio Hamilton e de sua esposa Margarida Seton. Seu pai foi o 1.º Lorde Paisley.[2] Seu avô paterno era Jaime Hamilton, Duque de Châtellerault. A mãe de Jaime era filha de Jorge Seton, 7.º Lorde Seton.[3] Ambos os pais eram escoceses. Eles se casaram em 1574.[3]


Vários de seus irmãos morreram na infância ou na infância.[5] Seis atingiram a idade adulta:[6]

Jaime listado entre seus irmãos
  1. Jaime (1575–1618)
  2. João, casou-se com Joana Everard, filha de Levimus Everard[7]
  3. Cláudio (morreu em 1614), de Shawfield, nomeado para o Conselho Privado da Irlanda,[8] e cuja filha Margarida se casou com João Stewart de Methven;[9]
  4. Jorge (morreu antes de 1657) de Greenlaw e Roscrea, viveu no castelo de Derrywoone no Condado de Tyrone[10]
  5. Frederico (1590–1647), construiu a mansão Hamilton e serviu na Suécia na Guerra dos Trinta Anos[11]
  6. Margarida (morreu em 1623), casou-se com Guilherme Douglas, 1.º Marquês de Douglas

JuventudeEditar

Nada se sabe sobre sua juventude. Como filho mais velho, ele recebeu o título de cortesia de Mestre de Paisley após o hábito escocês.[12]

Casamento e filhosEditar

Pouco antes ou em 1592, Mestre Paisley casou-se com Marion, filha de Tomás Boyd, 6.º Lorde Boyd.[13] Marion era uma proeminente católica e em 1628 seria excomungada pelo sínodo da Igreja da Escócia em Glasgow [14] após sua morte.

Jaime e Marion tiveram nove filhos, cinco meninos:

  1. Jaime (c. 1603 – c. 1670), foi o 2.º Conde de Abercorn[15]
  2. Cláudio (morreu em 1638), estabeleceu-se na Irlanda[16]
  3. Guilherme (morto em 1681), foi feito Baronete Hamilton de Westport e representou Henriqueta Maria, viúva de Carlos I, peranto o papa[17][18][19]
  4. Jorge (c. 1608 – 1679), foi feito Baronete Hamilton de Donalong[20]
  5. Alexandre (morreu antes de 4 de maio de 1669), fundou o ramo alemão da família[21]

—e quatro meninas:

  1. Ana (1592–1620), casou-se com Hugo Sempill, 5.º Lorde Sempill em 1611[22]
  2. Margarida (morreu em 1642), casou com William Cunninghame de Caprington[23]
  3. Isabel (1600–1620)[24]
  4. Luci (nascida antes de 1618), para quem um casamento foi arranjado com Randal MacDonnell, 1.º Marquês de Antrim, mas o casamento nunca aconteceu[25]

Vida na EscóciaEditar

Em 1597, Mestre Paisley concorreu por Linlithgow no Parlamento da Escócia. Ele também foi feito Cavalheiro da Câmara e membro do Conselho Privado de Jaime VI da Escócia. Em 1600, o rei o nomeou xerife hereditário de Linlithgow.[26]

Em 24 de março de 1603, Jaime VI também se tornou rei da Inglaterra como Jaime I e daí em diante reinou em ambos os reinos em união pessoal.

Em 5 de abril de 1603, Mestre Paisley foi feito Lorde Abercorn, de Linlithgowshire.[27] Isso o tornou o primeiro de uma longa linhagem de condes, depois marqueses e, finalmente, duques de Abercorn.

Sua esposa era amiga íntima de Ana da Dinamarca. Em maio de 1603, Ana da Dinamarca veio ao Castelo de Stirling na esperança de recuperar a custódia de seu filho, o Príncipe Henrique, que estava sob os cuidados do Conde de Mar. Ana desmaiou no jantar e quando Jean Drummond e Marion Boyd, Senhora de Paisley, a carregaram para a cama teve um aborto espontâneo. O advogado Tomás Haddington escreveu um relato sobre esses eventos, e disse que a rainha disse a seu médico Martin Schöner e à Senhora de Paisley que ela havia tomado "um pouco de água de bálsamo que apressou seu aborto".[28]

Em 1604, Lorde Abercorn, como era agora, serviu em uma comissão real estabelecida para considerar a união das coroas da Inglaterra e da Escócia.[29] Embora o projeto tenha falhado, o rei estava satisfeito com seus serviços. Ele recebeu grandes concessões de terras na Escócia.

Em 10 de julho de 1606, ele foi ainda homenageado ao ser nomeado Conde de Abercorn,[30] Barão Paisley, Barão Hamilton, Barão Mountcastell e Barão Kilpatrick.[31][32] A árvore genealógica mostra como o título de Abercorn foi herdado movendo-se com a morte do 3.º conde para os descendentes do 2.º filho, Cláudio, e então com a morte do 5.º conde para os descendentes de seu 4.º filho, Jorge.

Colonização irlandesaEditar

Lorde Abercorn, como era agora, e seus irmãos Cláudio e Jorge eram financiadores da colonização de 1611 de Jaime VI e I na Irlanda.[33] Ele recebeu porções de terra chamados Strabane, Donnalonge e Shean no condado de Tyrone que foram confiscados do clã O'Neill.[34] Ele construiu um castelo em Strabane.[35] Seu irmão Cláudio, chamado "de Shawfield", recebeu um terreno no condado de Cavan. Seu irmão Jorge, chamado de "de Greenlaw e Rosscrea", fundaria a aldeia de Ballymagorry, 4,9 quilômetros ao norte de Strabane, onde fica a cidade de Greenlaw, e construiria o castelo ou feudo de Derrywoone, situado atualmente na propriedade de Baronscourt.

Em 11 de março de 1613/1614, foi convocado para comparecer ao Parlamento da Irlanda e recebeu a precedência de um conde na Irlanda (confirmado por mandado real em 31 de março), embora nunca tivesse sido criado um par naquele reino. Ele foi nomeado para o Conselho de Munster em 20 de maio de 1615.[36]

Morte e sucessãoEditar

Lorde Abercorn morreu em 23 de março de 1618, em Monkton, South Ayrshire, Escócia, antes da morte de seu pai, e foi enterrado em 29 de abril de 1618 na igreja da Abadia de Paisley.[b]

Ele faleceu três anos antes de seu pai e, portanto, nunca se tornou Lorde Paisley, mas, tendo sido nomeado Conde de Abercorn, ele não perdeu este título. Seu filho mais velho, Jaime, de 14 anos, o sucedeu como o 2.º Conde de Abercorn. Sua viúva morreu em Edimburgo em 1632.[42] Seu irmão, Jorge Hamilton de Greenlaw e Roscrea, ajudou a criar os filhos e a convertê-los à religião católica.[43]

Notas, citações, e referênciasEditar

NotasEditar

  1. Esta árvore genealógica é parcialmente derivada da linhagem de Abercorn retratada em Cokayne.[4] Veja também a lista de irmãos e filhos no texto.
  2. Nascido em 12 de agosto de 1575[37] e morreu em 23 de março de 1618,[38][39] sua idade final foi de 42 anos e sete meses, mas George Edward Cokayne e James Balfour Paul dão ela como 43 anos.[40][41]

CitaçõesEditar

  1. Boyd, William K. 1907, p. 182, linha 44: "No 12.º instante [isto é, agosto de 1575] A esposa de Lorde Cláudio Hamilton, filha de Lorde Seton, deu a luz a um filho."
  2. Cokayne, George Edward 1910, p. 2: "Jaime Hamilton, Mestre de Paisley, s. e h. ap. de Cláudio (Hamilton), 1.º Lorde Paisley [S] por Margarida, da. de Jorge [Seton], 6.º Lorde Seton [S.] foi ..."
  3. a b Burke & Burke 1909, p. 47, coluna da direita, linha 24: "Ele [Cláudio Hamilton] n. [nasceu] em 1543 e c. [casou] em 1 de agosto de 1574 com Margarida, fil. [filha] de Jorge, 5.º Lorde Seton. Ela m. [morreu] antes de 18 de fevereiro de 1616."
  4. Cokayne 1910, p. 4: "Linhagem tabular dos Condes de Abercorn"
  5. Paul 1904, p. 39: "... três crianças que morreram na infância: ..."
  6. Paul 1904, p. 40: "... e os seguintes que atingiram a maturidade:"
  7. Paul 1904, p. 40, linha 4: "João Hamilton, casou-se com Joana, filha de Levimus Everard, Conselheiro de Estado do Rei da Espanha, na Província de Mechlin ..."
  8. Paul 1904, p. 40, linha 17: "Cláudio Hamilton de Shawfield, condado de Linlithgow, um Cavalheiro da Câmara Privada do Rei, nomeado em 11 de fevereiro de 1613 membro do Conselho Privado na Irlanda, recebeu como financiador as pequenas proporções de Killeny e Teadane ou Eden, contendo juntas 2 000 acres do baronato de Strabane ..."
  9. Paul 1904, p. 43, linha 4: "Margarida, casou primeiro com João Stewart de Metven, filho natural de Ludovico, 2.º Duque de Lennox; e pela segunda vez, com João Seton de Gargunnock."
  10. Lodge 1789, p. 110: "George Hamilton de Greenlaw, do condado de Tyrone, e de Roscrea, no condado de Tipperary, recebeu a proporção média de Largie, aliás Cloghogenal, e a pequena proporção de Derrywoone, mas a escritura nunca foi registrada. Em 1611 ele morou em Derrywoone ..."
  11. Paul 1904, p. 43: "Frederico Hamilton, um cavalheiro da Câmara Privada do Rei, esteve no início da vida a serviço de Gustavo Adolfo, Rei da Suécia ..."
  12. Paul 1904, p. 46, line 1: "... commonly designated Master of Paisley."
  13. Paul 1904, p. 47, linha 9: "Ele [Jaime Hamilton] casou-se com Marion, filha mais velha de Tomás, 5.º Lorde Boyd e de Margarida ... "
  14. Metcalfe 1909, p. 236: "Em novembro de 1627, eles foram denunciados ao Sínodo, e em 20 de janeiro de 1628, a sentença de excomunhão foi pronunciada contra a condessa Donalong, ..."
  15. Paul 1904, p. 48, linha 22: "Jaime, 2.º Conde de Abercorn, nascido por volta de 1603, sucedeu seu pai em 1618 ..."
  16. Paul 1904, p. 50, linha 7: "Morrendo em 14 de junho de 1638, ele [Cláudio Hamilton] foi enterrado na igreja de Leckpatrick, Condado de Tyrone."
  17. Millar 1890, p. 177, linha 32: "Guilherme, o terceiro filho, representou Henriqueta Maria quando rainha viúva, na corte papal."
  18. Burke 1869, p. 2, colna da direita, linha 80: "Guilherme (Sir), casou-se com Jane filha de Alexandre Colquhoun, Laird de Luss, e viúva de Alan, Lorde Cathcart, mas não deixou descendentes."
  19. Paul 1904, p. 47, linha 17: "Guilherme morreu em South Shields, em 25 de junho de 1681"
  20. Millar 1890, p. 177, coluna da esquerda, linha 48: "Na Restauração, ele retornou à Inglaterra, foi feito Baronete da Irlanda em 1660 e recebeu outras concessões de Carlos II em recompensa por seus serviços."
  21. Paul 1904, p. 47, linha 29: "Alexandre Hamilton, de Holborn, Londres, casou-se com Elizabeth, filha de ... Bedingfield e morreu antes de 4 de maio de 1669, quando a administração de sua propriedade foi concedida a um credor, deixando três filhas um filho, Alexandre, estabelecido na corte de Filipe William Eleitor Palatino ..."
  22. Paul 1910, p. 555: "Ele [Hugo Sempill] casou em 1611 ... com Ana Hamilton, filha mais velha de Jaime, 1.º Conde de Abercorn."
  23. Paul 1904, p. 48, linha 9: "Margarida, casou em 1628 com William Cunningham de Caprington, no Condado de Ayr, Knight, e morreu sem deixar descendentes."
  24. Paul 1904, p. 48, linha 12: "8. Isabel nomeada com seus irmãos e irmãs Margarida e Lucrécia como partes em uma ação no Tribunal de Sessões em 4 de novembro de 1620."
  25. Paul 1904, p. 48, linha 15: "Luci ou Lucrécia, prometida por seu pai, quando muito jovem, a Randal, Lorde Dunluce, depois Marquês de Antrim, mas ele não cumprindo o contrato, ela nunca se casou; e por cartas de Whitehall, 28 de outubro de 1627, o Conde de Antrim foi condenado a pagar £ 3 000 a Jaime, Conde de Abercorn, pelo fracasso de seu filho em implementar o contrato."
  26. Cokayne 1910, p. 2, linha 5: "... obteve em 1600 o cargo de Xerife do condado de Linlithgow para ele e seus herdeiros masculinos e atribui tudo."
  27. Cokayne 1910, p. 2, linha 8"Em 5 de abril de 1603 ele foi f. [feito] Lorde Abercorn, condado de Linlithgow, S. [Escócia]], para ele e seus herdeiros, seja o que for."
  28. William Fraser, Memorials of the Earls of Haddington, vol. 2 (Edimburgo, 1889), pp. 209-11: Jaime Maidment, Letters and State Papers during the Reign of James the Sixth (Edimburgo, 1838), pp. 54-5.
  29. Cokayne 1910, p. 2, linha 10: "Em 1604 ele estava na Comissão que tratou de uma proposta de união da Escócia com a Inglaterra."
  30. Millar 1890, p. 177: "... por seus esforços neste assunto, ele foi recompensado com o título de Conde de Abercorn, por patente datada de 10 de julho de 1606."
  31. Paul 1904, p. 46, linha 17: "... em 10 de julho de 1606 foi promovido à dignidade de Conde de Abercorn, Barão de Paisley, Hamilton, Mountcastell e Kilpatrick."
  32. Cokayne 1910, p. 2, linha 11: "Em 10 de julho de 1606, ele foi nomeado Conde de Abercorn, Lord Paisley, Hamilton, Mountcastell e Kilpatrick [E. [Escócia]] para ele e seus herdeiros do sexo masculino."
  33. Masson 1889, p. lxxx: "Empreendedores de 3 000 acres cada: ... Jaime Hamilton, Conde de Abercorn (no condado de Tyrone) ... Empreendedores de 2 000 acres cada: ... Cláudio Hamilton (no condado de Tyrone) ... Empreendedores de 1 500 acres cada: ... Jorge Hamilton (no condado de Tyrone)"
  34. MacNevin 1846, p. 188: "1. Strabane 1 000; 2. Donnalonge 1 000; 3. Shean 1 500 acres."
  35. Paul 1904, p. 46: "Em Strabane ele construiu um castelo muito forte e bonito ..."
  36. Cokayne 1910, p. 2, linha 14: "Em 20 de maio de 1615 ele foi nomeado membro do Conselho da província de Munster ..."
  37. Boyd 1907, p. 182, linha 44: "No 12.º instante [ou seja, agosto de 1575]. A esposa de Lorde Cláudio Hamilton, filha de Lorde Seton, teve um filho."
  38. Burke & Burke 1909, p. 47, coluna da direita, linha 50: "Ele [o 1.º Conde] p.s.p. [precedendo seu pai] 23 de março de 1617-18 ..."
  39. Chisholm 1911, p. 43, coluna da direita, linha 22: "Ele morreu em 23 de março de 1618."
  40. Cokayne 1910, p. 3, linha 1: "Ele [Jaime Hamilton] d. v.p. em Monkton em 23 de março e foi sepultado em 29 de abril de 1618 na igreja da Abadia de Paisley, aos 43 anos."
  41. Paul 1904, p. 47, linha 5: "... ele [Jaime Hamilton] morreu na paróquia de Monkton, um mês depois, da vida de seu pai, 23 de março de 1618, aos 43 anos, e foi sepultado em 29 de abril seguinte na igreja da abadia em Paisley."
  42. Cokayne 1910, p. 3, linha 3: "Sua viúva, uma proeminente católica, que foi excomungada na igreja de Paisley em 20 de janeiro de 1628, morreu em Canongate, Edimburgo, em 26 de agosto, e foi sepultada em 13 de setembro de 1632 com seu marido."
  43. Wasser 2004, p. 838, coluna da esquerda, linha 36: "... foi criado, junto com seus irmãos, por seu tio Jorge Hamilton de Greenlaw, que os converteu ao catolicismo romano."

Referências

Ligações externasEditar


Pariato da Escócia
Novo título Barão de Abercorn
1603–1618
Sucedido por:
Jaime Hamilton
Conde de Abercorn
1606–1618