Janízaro

força militar
(Redirecionado de Janízaros)
Janízaro
Battle of Vienna.SultanMurads with janissaries.jpg
Tipo
tropa de elite (d)
Concepção
Data
Retenção
Localização

Os janízaros ou janíçaro (do turco Yeniçeri, ou "Nova Força") constituíram a elite do exército dos sultões otomanos. A força, criada pelo sultão Murade I, cerca de 1365, era constituída de crianças cristãs capturadas em batalha, levadas como escravas e convertidas ao Islã.[1]

Seu código de conduta era rigoroso e obrigava:[2]

  • Obediência absoluta aos oficiais
  • Abstinência de álcool
  • Proibição do uso de barba
  • Proibição de casamento
  • Não exercer nenhuma profissão em paralelo
  • Moradia em quartéis

Deviam ainda aceitar certas condições:[2]

  • Antiguidade como critério de promoção
  • Treinamento ou exercícios a qualquer momento
  • Castigo corporal por parte de oficiais
  • Pena capital como instrumento de misericórdia

Os jovens eram educados na lei islâmica e na língua turca, ao mesmo tempo que aprendiam a manejar armas e instruídos em artes militares. Os jovens cresciam tendo o próprio sultão como uma figura paterna, por quem estariam dispostos a defender até a morte mesmo contra seu próprio povo de origem. A justificativa para a adoção de um corpo de soldados convertidos em vez de turcos nativos era que os turcos deviam lealdade ao seu povo e às suas famílias, e poderiam tornar-se rebeldes em caso de uma ação do sultão contra outros turcos. Já os jovens cristãos só deviam lealdade ao sultão, e lutariam contra qualquer inimigo por ele.

Apesar de o Império Otomano ter adotado oficialmente o islamismo sunita, os janízaros eram adeptos de uma ordem dervixe chamada bektashi, em alusão ao seu criador, Hajji Bektash. Reunia elementos muçulmanos e cristãos, permitia o consumo de bebidas alcoólicas e a participação de mulheres sem véus. Quando em serviço, no entanto, eram rigorosamente disciplinados e proibidos de casar. Os janízaros ainda tinham o hábito de levar consigo símbolos ou citações cristãs para a batalha, com consentimento de seus superiores.

A entrega obrigatória de filhos de cristãos aos turcos para servirem como guardas do sultão era chamada de "imposto de sangue".

Assim, tornou-se uma prática comum nas campanhas empreendidas pelos otomanos na Europa capturar meninos nas cidades conquistadas e levá-los para os centros de treinamento turcos. Quando não estavam em guerra, os sultões exigiam de seus estados vassalos cristãos nos Bálcãs uma remessa de jovens para compor o corpo de janízaros.

Embora tenha sido criação de Murad I, somente cinquenta anos depois, esse costume tornou-se uma tributação regular, o devsirme: a cada cinco anos, os camponeses cristãos deviam informar o número de filhos. Então um em cada cinco meninos, em geral em torno de seis ou sete anos, era levado pelos oficiais do sultão e obrigado a tornar-se muçulmano. Em teoria era um imposto cobrado a todas as regiões cristãs do Império Otomano, mas recaiu mais pesadamente na Bósnia, Albânia e Bulgária.[1]

À medida que cresciam em número, os janízaros eram separados em divisões distintas entre si por um símbolo trivial, como uma flor ou um peixe. Quando em acampamento, cada divisão reunia-se em torno de um caldeirão de cobre onde seu alimento era preparado, e curiosamente adotaram uma forte simbologia com base na comida. Chamavam seus coronéis de "fazedor de sopa chefe", oficiais-intendentes eram "cozinheiros chefes", e assim por diante. Os caldeirões eram levados para as batalhas, e se eles fossem perdidos, toda a unidade era dispensada e impedida de integrar a mesma companhia.

Os janízaros permaneceram por muito tempo como a elite do exército turco, entrando em batalha em momentos decisivos ou apenas como último recurso para garantir a segurança do sultão. Ao longo do século XIX perderam sua força, em parte porque o recrutamento de jovens cristãos tornava-se cada vez mais difícil frente à oposição de potências igualmente fortes militarmente, como Reino Unido e França, e também devido à progressiva retração territorial do Império Otomano na Europa. Desde então, até o final do império, em 1922, os poucos janízaros permaneceram como a simbólica guarda pessoal do sultão.

Certamente que os janízaros eram a elite dos soldados do Império Otomano. Eram inimigos temíveis, e isso, provavelmente, se devia ao fato de terem sido os primeiros a adotar as armas de fogo, antes mesmo da difusão destas. Além disso, os janízaros eram muito bem equipados com armaduras, e também eram bastante hábeis no manejo do arco recurvo e composto (um arco laminado construído de madeira, osso ou chifre, e tendões de animais). Entre eles, o maior costume era raspar a cabeça, deixando um rabo de cavalo e um tufo de cabelo no topo, eles também eram conhecidos pelos seu inconfundíveis bigodes. Usavam cáftans e zarcolas (um chapéu de feltro um tanto alto).

O último devsirme no sudeste da Europa foi cobrado em 1676.[2]

Referências

  1. a b Palmer 2013, p. 22.
  2. a b c Palmer 2013, p. 23.

BibliografiaEditar

  • Palmer, Alan (2013). Declínio e queda do Império Otomano. São Paulo: Globo Livros. p. 22. 318 páginas. ISBN 978-85-20-5361-9 Verifique |isbn= (ajuda) 
  Este artigo sobre História do Islão é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
  Este artigo sobre História Militar é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.