Abrir menu principal
Janer Cristaldo
Nome completo Janer Cristaldo Ferreira Moreira
Nascimento 2 de abril de 1947
Santana do Livramento RS
Morte 27 de outubro de 2014 (67 anos)
São Paulo SP
Nacionalidade Brasil brasileiro
Filho(s) Isadora Pamplona
Ocupação Jornalista
Principais trabalhos O Paraíso Sexual-Democrata
Religião Ateu

Janer Cristaldo Ferreira Moreira (Santana do Livramento, 2 de abril de 1947São Paulo, 27 de outubro de 2014)[1] foi um escritor, ensaísta e contista brasileiro.

Cresceu em Dom Pedrito onde cursou o até o ensino secundária[2][3].

Bacharel em direito, graduado em filosofia, doutor em letras francesas e comparadas pela Universidade de Sorbonne Nouvelle (Paris 3)[4], trabalhou como tradutor (traduziu Ernesto Sabato[5], entre outros), redator (especificamente nos jornais Folha de S.Paulo e O Estado de São Paulo[6]) e articulista de jornais onlines e sites do Brasil. Nos anos 1971 e 1972, durante a ditadura militar, exilou-se voluntariamente em Estocolmo, na Suécia, onde estudou cinema e língua e literatura suecas. Em 1973, publicou O Paraíso Sexual Democrata, que teve quatro edições no Brasil e uma em espanhol, em Buenos Aires, proibida na Argentina.

ObrasEditar

Ensaios e Livros DigitaisEditar

  • Cultvox, Mensageiros das Fúrias – Uma Leitura Camusiana de Ernesto Sábato.
  • Crônicas da Guerra Fria.
  • Flechas Contra o Tempo.
  • A Vitória dos Intelectuais.
  • EleCrônicas.
  • A Difícil Travessia do Uruguai.
  • Engenheiros de Almas, ensaio
  • Ianoblefe, ensaio
  • A Indústria Textil, ensaios
  • Ressentidos de Todo o Mundo, Uni-vos, crônicas
  • Flechas contra o tempo, crônicas
  • Como ler jornais, ensaio

Livros em papelEditar

  • O Paraíso Sexual Democrata, ensaio. Rio, Cia. Editora Americana, outubro 1973; 2.a edição, novembro 1973; 3.a edição, 1974; 4.a edição, Porto Alegre, Editorial Villa Martha, 1980. Tradução ao espanhol: El Paraíso Sexual Democrata, Buenos Aires, Shapire Editores, 1974
  • Uma Estória Obscena, contos. Porto Alegre, Edições Casa do Livro, 1974
  • O Construtor de Mistérios, crônicas de Ney Messias, organização, seleção e prefácio de Janer Cristaldo. Porto Alegre, co-edição Janer Cristaldo/Garatuja, 1975
  • Enfim, um Conto Absolutamente Novo, conto in-folio. Porto Alegre, Edições Casa do Livro, 1975
  • Assim Escrevem os Gaúchos, antologia. São Paulo, Editora Alfa-Ômega, 1976
  • A Força dos Mitos, crônicas. São Paulo, Editora Alfa-Ômega, 1976
  • Mensageiros das Fúrias, Florianópolis, Editora da UFSC, 1983. Edição em CD-ROM: revista Neo Alternativa nº 4, São Paulo, 1994
  • Qorpo Santo, organização da revista Travessia (TR) no 7, Florianópolis, Editora da UFSC, 1983
  • Ponche Verde, romance. Rio Editorial Nórdica, 1986

TraduçõesEditar

  • Sobre Heróis e Tumbas[7], de Ernesto Sabato, (espanhol).
  • Kalocaína[8], de Karin Boye (do sueco).
  • Crônicas de Bustos Domecq[9], de Jorge Luís Borges e Adolfo Bioy Casares (do espanhol). São Paulo, Editora Alfa-Ômega, 1976
  • Hugo e Josefina (do sueco), de Maria Gripe. Rio, Editorial Nórdica, 1976
  • Sobre Heróis e Tumbas (do espanhol), de Ernesto Sábato. Rio, Francisco Alves Editora, 1981
  • Abaddón, o Exterminador (do espanhol), de Ernesto Sábato. Rio, Francisco Alves Editora, 1980
  • O Túnel (do espanhol), de Ernesto Sábato. Rio, Francisco Alves Editora, 1981
  • O Escritor e seus Fantasmas (do espanhol), de Ernesto Sábato. Rio, Francisco Alves Editora, 1982
  • Os Sete Loucos (do espanhol), de Roberto Arlt. Rio, Francisco Alves Editora, 1982
  • Casa de Campo (do espanhol), de José Donoso. São Paulo, Difel, 1985
  • Mazurca para Dois Mortos (do espanhol), de Camilo José Cela. São Paulo, Difel, 1985
  • Escrevo da Itália (do francês), de Michel Déon. São Paulo, Difel, 1985
  • Nós e o Universo (do espanhol), de Ernesto Sábato. Rio, Francisco Alves Editora,1985
  • A Família de Pascual Duarte (do espanhol), de Camilo José Cela. São Paulo, Difel, 1986
  • Gilles e Jeanne (do francês), de Michel Tournier. São Paulo, Difel, 1986
  • Marlene D (do francês), de Marlene Dietrich. Rio, Editorial Nórdica, 1987
  • Homens e Engrenagens (do espanhol), de Ernesto Sábato. Campinas, Papirus, 1993
  • Heterodoxia (do espanhol), de Ernesto Sábato. Campinas, Papirus, 1993
  • Os Lança-Chamas (do espanhol), de Roberto Arlt, inédito
  • Iluminações, (do francês), de Arthur Rimbaud, livro digital
  • Uma Temporada no Inferno, (do francês) de Arthur Rimbaud, livro digital
  • A Saga do Grande Computador, (do sueco) de Olof Johanesson, livro digital

TesesEditar

Referências

  1. «Janer Cristaldo (1947-2014)». Perspectiva On-line. Consultado em 9 de fevereiro de 2017 
  2. «Janer Cristaldo, um intelectual por inteiro - entrevista (2003-2004)». 2015-10-14. Consultado em 2 de junho de 2019 
  3. Janer Cristaldo. «Crônicas da Guerra Fria». Consultado em 2 de junho de 2019 
  4. «Folha de S.Paulo - Opinião - A morte da Europa que amo - 26/09/2012». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 9 de agosto de 2016 
  5. Leia livros. [S.l.]: Editora Leia Livros. 1 de janeiro de 1982 
  6. «Janer Cristaldo». Ratio Pro Libertas. Consultado em 9 de fevereiro de 2017 
  7. «Por entres as ruínas da pátria: Ernesto Sábato e Osvaldo Soriano pensam a Argentina». Revista Garrafa. Consultado em 9 de fevereiro de 2017 
  8. «KALOCAÍNA». dinasalemlevy.com. Consultado em 9 de fevereiro de 2017 
  9. «Acervo Digital». Biblioteca Digital de Santo André. Consultado em 9 de fevereiro de 2017 
  10. «Index Translationum». UNESCO. Consultado em 9 de fevereiro de 2017 

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.