Abrir menu principal
Janice Raymond
Nascimento 24 de janeiro de 1943 (76 anos)
Cidadania Estados Unidos
Alma mater Universidade de Massachusetts Amherst, Boston College
Ocupação ensaísta
Empregador Universidade de Massachusetts Amherst
Religião Igreja Católica

Janice G. Raymond (nascida em 24 de janeiro de 1943) é uma ativista conhecida por seu trabalho contra a violência, a exploração sexual e o "abuso médico" contra as mulheres, bem como  escritos e trabalhos controversos contra a exploração abusiva da disforia transexual e transgêneros pela comunidade médica. Ela é também a autora de cinco livros e de vários artigos, traduzidos em vários idioma, sobre questões que vão desde o transexualismo, a violência contra as mulheres, saúde da mulher, a teoria feminista e a bio-medicina. Ela publicou diversos artigos sobre a prostituição e o tráfico sexual. Janice faz palestras internacionalmente sobre muitos tópicos[1] através da Coligação Contra o Tráfico de Mulheres. Suas declarações sobre transexualidade e transexuais têm sido criticadas por muitos na LGBT e comunidades feministas como sendo transfóbicas e como constituindo discurso de ódio.[2][3][4][5]

Carreira acadêmicaEditar

Janice G. Raymond é professora emérita de Estudos sobre as mulheres e ética médica na Universidade de Massachusetts em Amherst. Ela era um membro do corpo docente na Universidade de Massachusetts em Amherst , de 1978.

Vida pessoalEditar

Janice Raymond é uma ex-membro das Irmãs da Misericórdia.[6] mais tarde, ela deixou o convento[7] e agora é abertamente lésbica.[8][9]

Prémios e distinçõesEditar

Em 2007, a Dr. Raymond recebeu o "Prêmio Internacional da Mulher, em 2007, da Zero Tolerance Trust, em Glasgow, na Escócia.[10]

Em 1986, o livro de Raymond, A Passion for Friends: a Philosophy of Female Friendship, foi nomeado o melhor livro de não-ficção do ano, pela revista City Limits[11]

Raymond tem sido a destinatária de bolsas do Departamento de Estado dos EUA, o Instituto Nacional de Justiça dos EUA, a Fundação Ford, a United States Information Agency, a National Science Foundation, a Organização para a Investigação e Desenvolvimento (NORAD) da Noruega e a UNESCO.[1]

Escritos sobre transexualidadeEditar

Em 1979, Raymond publicou um livro sobre o transexualismo chamado The Transsexual Empire: The Making of the She-Male.[12] Controverso até hoje, aborda para o papel do transexualismo – as abordagens particularmente psicológica e cirúrgicas para ele – em reforçar os estereótipos tradicionais de gênero, as formas em que o complexo médico-psiquiátrico "medicaliza" a "identidade de gênero" e o contexto social e político que ajudou a disseminar o tratamento a transexuais e a cirurgia como normal e terapêutico.

Raymond mantém que o transexualismo é baseado em mitos patriarcais de "macho maternal" e "criar a mulher de acordo com a imagem do homem." Ela afirma que isso é feito com o objetivo de "colonizar a identificação, a cultura, a política e a sexualidade feminista", acrescentando: "Todos os transexuais estupram o corpo da mulher, reduzindo a real forma feminina a um artefato, apropriando-se deste corpo para si... Transexuais apenas cortam os mais óbvios meios de invadir as mulheres, de modo que eles parecem não invasivos."[13]

Estes pontos de vista sobre a transexualidade têm sido criticados por muitos na LGBT e nas comunidades feministas como extremamente transfóbicos e como constituindo em discurso de ódio contra transexuais, homens e mulheres.[2][3][4][5]

Em Império Transsexual Janice Raymond inclui seções sobre Sandy Stone, mulher trans, que já havia trabalhado como engenheiro de som para Olivia Records, e Christy Barsky, acusando-os de criar divisões nos espaços das mulheres.[13] Estes escritos tem sido fortemente criticados como ataques pessoais contra estes indivíduos.[14]

Escritos sobre a prostituição e o tráfico sexualEditar

Em 2000, Raymond co-publicou um dos primeiros estudos sobre o tráfico nos Estados Unidos chamado Sex Trafficking in the United States: Links Between International and Domestic Sex Industries.[15] Em 2002, dirigiu e co-escreveu um projeto multi-país, nas Filipinas, Indonésia, Tailândia, Venezuela e Estados Unidos, chamado Women in the International Migration Process: Patterns, Profiles and Health Consequences of Sexual Exploitation.[16]

Entre os muitos artigos que publicou sua obra intitulada "Ten Reasons for Not Legalizing Prostitution and a Legal Response to the Demand for Prostitution"[17] tem sido traduzido para mais de 10 idiomas. Este ensaio examina os modelos legislativos que legalizaram ou descriminalizam a indústria da prostituição e as racionalidades que a apoiam e argumenta que a legitimação do comércio do sexo tem causado danos às mulheres invisíveis. Raymond apoia o modelo jurídico alternativo de rejeitar a legalização e a descriminalização da indústria do sexo e penalizar o homem que procura a compra de mulheres e crianças para fins de exploração sexual.[17]

BibliografiaEditar

LivrosEditar

  • Raymond, Janice G. (1979). The transsexual empire. Boston, Massachusetts: Beacon Press. ISBN 9780807021644  Reprinted by Teachers College, Columbia University, New York; Editions du Seuil, Paris (1994).
  • Raymond, Janice G.; Leidholdt, Dorchen, eds. (1990). The sexual liberals and the attack on feminism. New York: Pergamon Press. ISBN 9780807762394 
  • Raymond, Janice G.; Dumble, Lynette J. (1991). RU 486: misconceptions, myths and morals. Melbourne / Hamburg / Dhaka, Bangladesh: Spinifex Press / Konkret Literatur Verlag / Narigrantha Prabartan. ISBN 9781742198446 
  • Raymond, Janice G. (1993). Women as wombs: reproductive technologies and the battle over women's freedom. San Francisco / Melbourne / Munich: Harper / Spinifex Press / Frauenoffensive. ISBN 9780062508997 
  • Raymond, Janice G. (1996). A passion for friends: toward a philosophy of female affection. Boston / London / Munich: Beacon Press / the Women's Press / Frauenoffensive. ISBN 9780807067246  Reprinted by Spinifex Press, Melbourne (2001).
  • Raymond, Janice G.; Hughes, Donna M.; Gomez, Carol (março 2001). Sex trafficking of women in the United States: international and domestic trends. Kingston, Rhode Island: Coalition Against Trafficking in Women  Pdf.

Capítulos de livrosEditar

  • Raymond, Janice G. (1999), «Class matters: Yes it does», in: Zmroczek, Christine; Mahony, Pat, Women and social class – international feminist perspectives, ISBN 9781857289299, London: University College Press, (Taylor and Francis Group), pp. 105–113. 
  • Raymond, Janice G.; Hynes, H. Patricia (2002), «Put in harm's way: The health consequences of sex trafficking in the United States», in: Silliman, Jael; Bhattacharjee, Anannya, Policing the national body: Race, gender, and criminalization, Boston: South End Press, pp. 197–229 
  • Raymond, Janice G. (2004), «Ten reasons for not legalizing prostitution and a legal response to the demand for prostitution», in: Farley, Melissa, Prostitution, trafficking and traumatic stress, Binghampton: Haworth Press, pp. 315–332  Translated into many languages including French, German, Italian, Spanish, Portuguese, Finnish, Norwegian, Hungarian, Estonian, Bulgarian, Croatian, Romanian, Russian and Hindi.

ArtigosEditar

Referências

  1. a b «Janice Raymond – Coalition Against Trafficking of Women». Catwinternational.org. Consultado em 23 de março de 2010. Arquivado do original em 15 de janeiro de 2010 
  2. a b Rose, Katrina C. (2004) "The Man Who Would be Janice Raymond."
  3. a b Julia Serano (2007) Whipping Girl: A Transsexual Woman on Sexism and the Scapegoating of Femininity, pp. 233–234
  4. a b Namaste, Viviane K. (2000) Invisible Lives: The Erasure of Transsexual and Transgendered People, pp. 33–34.
  5. a b Hayes, Cressida J., 2003, "Feminist Solidarity after Queer Theory: The Case of Transgender," in Signs 28(4):1093–1120.
  6. A Passion for Friends – Google Books. [S.l.]: Books.google.com. Consultado em 23 de março de 2010 
  7. Janice Raymond, 2001, A Passion For Friends, p. 79.
  8. Janice Raymond, 2001, A Passion For Friends, p. 14.
  9. Cheshire Calhoun, 1994, "Separating Lesbian Theory from Feminist Theory," in Ethics, vol. 104, no. 3.
  10. Cate Devine (18 de maio de 2007). «The woman risking her life to end a modern slave trade». Herald Scotland. Consultado em 23 de março de 2010 
  11. City Limits, 16–23 October 1986, p. 93.
  12. «book». Worldcat.org. Consultado em 23 de março de 2010 
  13. a b Raymond, Janice. (1994).
  14. Hubbard, Ruth, 1996, "Gender and Genitals: Constructs of Sex and Gender," in Social Text 46/47, p. 163.
  15. «Cópia arquivada». Consultado em 20 de julho de 2016. Arquivado do original em 22 de setembro de 2009 
  16. «Traffick Study TOC PGMKR» (PDF). Consultado em 23 de março de 2010. Arquivado do original (PDF) em 10 de dezembro de 2010 
  17. a b «Coalition Against Trafficking in Women». Action.web.ca. Consultado em 23 de março de 2010. Arquivado do original em 9 de junho de 2011 

Ligações externasEditar

 
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Janice Raymond