Abrir menu principal

Jardim Botânico de Lisboa

jardim botânico
Jardim Botânico da Universidade de Lisboa
Jardim Botânico de Lisboa.
Localização Santo António, Lisboa
País Portugal Portugal
Tipo Jardim botânico
Área c. 40 000 [1]
Inauguração 1878 (140 anos)[1]
Administração Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa

O Jardim Botânico da Universidade de Lisboa (JBUL) localiza-se na freguesia de Santo António, em Lisboa. Surgiu da necessidade de criar um complemento prático no ensino e investigação da botânica, da então Escola Politécnica de Lisboa.

Em 2010 foi classificado como Monumento Nacional[2]. Devido à forte necessidade de preservação, em 2012 o Jardim entrou para a lista bienal do World Monuments Watch.

Índice

HistóriaEditar

Foi em 1859 que o Conselho da Escola escolheu no Monte Olivete o local para implantação deste Jardim. Os trabalhos de construção do jardim deram início em 1873, sob a alçada do Conde de Ficalho Francisco Manuel de Melo Breyner e Andrade Corvo.

Edmond Goeze foi o jardineiro-paisagista alemão que dirigiu em Lisboa, a partir de 1873, a construção do jardim botânico da Escola Politécnica. Goeze concentrou-se na parte superior do Jardim, onde foram plantadas algumas famílias de dicotiledóneas e algumas gimnospérmicas.

O seu sucessor, o botânico francês Jules Daveau, em 1876, desenvolveu a zona inferior do jardim, criando o traçado da Alameda das Palmeiras e inventando um sistema de rega dos riachos e cascatas, onde foram colocadas algumas famílias de monocotiledóneas.

A inauguração do Jardim Botânico de Lisboa deu-se em 1878[1] e conta com diversas espécies tropicais, oriundas da Nova Zelândia, Austrália, China, Japão e América do Sul.

Em 2016, apresentava uma crescente degradação, os lagos ficaram sem água, as plantas começaram a morrer e muitas árvores não tiveram os cuidados necessários. Além disso, vários edifícios no interior do jardim, como o Observatório Astronómico, estão abandonados e altamente degradados.

O jardim fechou em outubro de 2016 ao público para entrar em obras que deveriam durar seis meses. Depois de vários avanços e recuos, o espaço verde viu ser implementado o projeto vencedor do Orçamento Participativo de 2013, que previa a melhoria dos sistemas de rega e da circulação da água, a melhoria da iluminação, a instalação de internet, a renovação de caminhos, a instalação de esplanadas e de um anfiteatro e a abertura da saída para a Praça da Alegria.

O projeto “Jardim Botânico de Lisboa: Proteger, Valorizar e Promover” foi o vencedor da edição de 2013 do Orçamento Participativo, promovido anualmente pela Câmara Municipal de Lisboa, com 7.553 votos. O custo estimado desta intervenção é de 500 mil euros. Estas obras arrancaram em novembro de 2016[3].

O jardim reabriu em 7 de abril de 2018.

GaleriaEditar

Referências

  1. a b c «Jardim Botânico da Universidade de Lisboa». portaldojardim.com. Consultado em 2 de dezembro de 2011 
  2. «Gulbenkian, Jardim Botânico e Campo da Batalha de Aljubarrota são novos monumentos nacionais». Público. 4 de novembro de 2010. Consultado em 4 de novembro de 2010. Arquivado do original em 17 de março de 2012 
  3. Cidadania LX (8 de novembro de 2016). «Obras a arrancar no Jardim Botânico de Lisboa». Consultado em 8 de novembro de 2016 

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Jardim Botânico de Lisboa