Abrir menu principal
Jean-Louis Guez de Balzac
Nascimento 31 de maio de 1597
Angoulême
Morte 8 de fevereiro de 1654 (56 anos)
Angoulême
Nacionalidade Royal Standard of the King of France.svg Reino da França
Ocupação escritor
Principais trabalhos
  • Lettres (1.ª coletânea : 1624 ; 2.ª coletânea : 1636)
  • Entretiens (1657)
  • Le Prince (1631)
Gênero literário epistolário
Movimento literário Literatura barroca, libertinagem

Jean-Louis Guez de Balzac (Angoulême, 31 de maio de 1597[1] – Angoulême, 8 de fevereiro de 1654) foi um escritor libertino francês, muito famoso em sua época pela qualidade de sua prosa, que aparece especialmente em suas Lettres. Sua arte da sátira mordaz explode em Le Prince, um pseudo-elogio a Luís XIII da França.[2] Ele foi um dos membros fundadores da Academia Francesa.[3]

Índice

Vida e carreiraEditar

Guez de Balzac nasceu em Angoulême. Originalmente pensava-se que ele tinha nascido em 1595, a data foi revista em 1848 após a descoberta de uma certidão de batismo datada de 1 de junho de 1597, embora isto ainda seja controverso, porque sua certidão de nascimento continha várias irregularidades.[4][5] Nasceu em uma família bem burguesa, que também adquiriu títulos de nobreza. Em sua juventude, estudou em dois colégios jesuítas: em Angoulême e em Poitiers, onde aprendeu latim, e especialmente retórica.[6]

Em 1612, conheceu Théophile de Viau quando a companhia de teatro de Viau visitou Angoulême, e fugiu de casa com a trupe.[5][7] Os dois viajaram juntos com a trupe por algum tempo, mas quando esta chegou a Leida, eles se matricularam como estudantes na universidade da cidade em maio de 1615, embora seja possível que eles tenham visitado a universidade em 1613 também.

Recebeu ajuda do Duque d’Epernon e de seu filho Louis, Cardeal de la Valette, que o levou para Roma (1621–1623). De volta a Paris, suas cartas escritas para seus conhecidos e para muitos que ocupavam altos cargos na corte francesa trouxeram-lhe grande fama. Elogios eram despejados sobre ele, e ele se tornou um "habitué" do Hôtel de Rambouillet. O repentino sucesso parece ter afetado um pouco sua cabeça. O Cardeal de Richelieu fazia-lhe muitos elogios e promessas, mas nunca ofereceu a Balzac a nomeação para um cargo importante que ele esperava.[8]

Em 1624, uma coletânea de suas Lettres foi publicada e recebida muito bem pela crítica. Do Château de Balzac, para onde se retirou, continuou a se corresponder com Jean Chapelain, Valentin Conrart e outros. Em 1634, Balzac foi eleito para a Academia Francesa. Morreu em Angoulême no dia 18 de fevereiro de 1654.[8]

A fama de Guez de Balzac repousa principalmente sobre as Lettres, uma segunda coletânea surgiu em 1636. Recueil de nouvelles lettres foi impressa no ano seguinte. Suas cartas, embora vazias e afetadas no conteúdo, mostram um verdadeiro domínio do estilo, introduzindo uma nova clareza e precisão na prosa francesa e incentivando o desenvolvimento da linguagem em linhas nacionais, enfatizando seus elementos mais idiomáticos. Balzac tem assim o crédito de executar em prosa francesa uma reforma paralela a feita por François de Malherbe em versos. Em 1631 publicou um elogio ao rei Luís XIII da França, intitulado Le Prince; em 1652 o Socrate chrétien, Aristippe ou de la Cour em 1658 e várias dissertações sobre estilo.[8]

Notas

  1. L'Amateur d'autographes editado por Étienne Charavay; p.33
  2. Leroy, Christian (1996). «Introduction : De la politique à la poésie». Le Prince. Col: La petite Vermillon (em francês). Paris: La Table ronde. pp. 13–16. ISBN 2710307502. OCLC 43262925 
  3. «Jean-Louis Guez de Balzac». Académie française (em francês). Consultado em 25 de janeiro de 2017. Eleito membro da Académie a partir de março de 1634. Por essa época, ele respondeu, rindo, às cartas que tinham sido enviadas por Jean Chapelain e François le Métel de Boisrobert, para que ele se tornasse membro da Académie; ele parece ter sido indicado sem ter sido formalmente consultado; de qualquer forma, é pouco provável que ele tenha comparecido à assembleia, já que sua saúde o obrigaria a permanecer em Angoumois, e ele foi dispensado. 
  4. Jehasse, Jean (1977). Guez de Balzac et le génie romain 1597–1654 (em francês). Saint-Etienne: Université de Saint-Etienne. p. 82 
  5. a b Antoine Adam, Théophile de Viau et la libre pensée française en 1620, Slatkine, 2008, ISBN 2-05-102067-1
  6. Shoemaker, Peter William (2007). Powerful connections : the poetics of patronage in the age of Louis XIII (em inglês). Newark: University of Delaware Press. p. 59. ISBN 9780874139938. OCLC 83758766 
  7. H. Stanley Schwarz, An Outline History of French Literature, Read Books, 2007, ISBN 1-4067-4309-7 p. 43
  8. a b c Chisholm, Hugh. «Balzac, Jean Louis Guez de». Encyclopædia Britannica (em inglês). 3 1911 ed. Cambridge: Cambridge University Press. p. 301 

Referências

Ligações externasEditar


Precedido por
Primeiro membro
Cadeira 28
Academia Francesa

1634-1654
Sucedido por
Hardouin de Péréfixe de Beaumont