Jiří Gruša

Jiří Gruša (Pardubice, 10 de novembro de 1938 – Bad Oeynhausen, 28 de outubro de 2011[1] foi um poeta, escritor, tradutor, diplomata e político checo.[2]

Jiří Gruša
Nascimento 10 de novembro de 1938
Pardubice
Morte 28 de outubro de 2011 (72 anos)
Hanôver
Sepultamento Malvazinky Cemetery
Cidadania Alemanha, Chéquia, Alemanha Ocidental, Checoslováquia
Filho(s) Martin Gruša
Alma mater
  • Faculty of Arts, Charles University in Prague
Ocupação dramaturgo, poeta, diplomata, tradutor, escritor de literatura infantil, escritor, político, crítico literário
Prêmios
  • Grã-cruz do Mérito com Estrela da Ordem do Mérito da República Federal da Alemanha
  • Silver Commander's Cross with Star of the Decoration of Honour for Services to the State of Lower Austria
  • Cavaleiro da Legião de Honra
  • Adelbert von Chamisso Prize (1997)
  • Prêmio Andreas Gryphius (1996)
  • Prêmio USTR de Liberdade, Democracia e Direitos Humanos (2009)
  • Medalha Goethe (1999)
  • City of Brno Award (2011)
  • Prêmio Manès Sperber (2011)
  • Jaroslav Seifert Prize (2002)
  • participant in the resistance and resistance against communism
Página oficial
http://www.slovnikceskeliteratury.cz/showContent.jsp?docId=1230
Assinatura
Jiří Gruša – signature.svg

BiografiaEditar

Jiří Gruša nasceu em Pardubice, então Checoslováquia (hoje na Chéquia), e depois mudou-se para Praga.[2] Concluiu o curso na Faculdade de Filosofia da Universidade Carolina em Praga. Trabalhou para as publicações Tvář, Sešity e Nové knihy.

Começou a ser notado pelo governo comunista checoslovaco em 1969 por causa dos seus escritos.[3] Foi impedido de publicar e obrigado a trabalhar numa cooperativa de construção. Participou na distribuição de literatura samizdat. Foi preso em 1974 pelo crime de "incitamento à desordem" após distribuir 19 cópias da sua primeira novela, Dotazník (O Questionário) e pela sua intenção em publicá-la na Suíça.[4] Após grandes protestos internacionais, foi libertado após dois meses.[4] Tornou-se signatário da carta pelos direitos humanos, a Carta 77.[2] Em 1981 foi-lhe retirada a cidadania checoslovaca,[4] e entre 1982 e 1990 viveu na República Federal da Alemanha.[3]

Em 1990 as condições na Checoslováquia ficaram melhores e regressou ao país para ser nomeado Ministro dos Negócios Estrangeiros. Entre 1991 e 1997, foi embaixador na Alemanha. Juntou-se depois ao governo minoritário de Václav Klaus como Ministro da Educação. O governo perderia apoio parlamentar e o Presidente Václav Havel organizou um governo provisório. Embora Gruša não fosse partidário, foi substituído por Jan Sokol. Foi embaixador na Áustria até 2004.[5] De 2005 a 2009 foi diretor da Academia Diplomática de Viena. De 2004 a 2009 presidiu ao PEN Internacional.[5]

Gruša participou na normalização da designação "Tschechien" para o nome oficial da República Checa na língua alemã. Gruša morreu aos 72 anos em 28 de outubro de 2011 durante uma operação ao coração realizada na Alemanha. Václav Havel, que morreria mês e meio depois, escreveu que Gruša era "um dos poucos que profundamente respeitei entre os que faleceram recentemente."[6]

DistinçõesEditar

ObraEditar

OuvragesEditar

  • Torna (1962)
  • Světlá lhůta (1964)
  • Cvičení mučení (1969)
  • Kudláskovy příhody (1969)
  • Mimmer aneb Hra o smraďocha (1972)
  • Dámský gambit (1973)
  • Modlitba k Janince (1974)
  • Dotazník aneb modlitba za jedno město a přítele (1975)
  • Dr. Kokeš Mistr Panny (1980)
  • Der Babylonwald (1990)
  • Wandersteine (1994)
  • Gebrauchanweisen für Tschechien (1999)
  • Šťastný bezdomovec (2004)
  • Umění umírat (2004)

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Jiří Gruša

Referências

  1. Der Standard (28 de outubro de 2011). «Schriftsteller und Politiker Jiri Grusa gestorben». Consultado em 23 de dezembro de 2019 
  2. a b c d e f Stephan Delbos - The Prague Post Book Blog (31 de outubro de 2011). «Jiří Gruša (1938-2011)». Consultado em 23 de dezembro de 2019 
  3. a b Festival spisovatelů Praha. «Jiří Gruša» (em checo). Consultado em 1 de fevereiro de 2010 
  4. a b c "Interview with Jirí Grusa", Context N°17, Daily Archive Press
  5. a b Horáková, Pavla (12 de dezembro de 2003). «Jiri Grusa on his plans as PEN Club President». Czech Radio. Consultado em 1 de fevereiro de 2010 
  6. «Writer and diplomat Jiří Gruša dies aged 72». Prague Daily Monitor. 31 de outubro de 2011. Consultado em 25 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em |arquivourl= requer |arquivodata= (ajuda) 🔗  Parâmetro desconhecido |acquivodata= ignorado (ajuda)

Precedido por
Homero Aridjis
Presidente do PEN Internacional
2003–2009
Sucedido por
John Ralston Saul