Abrir menu principal

Wikipédia β

Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde dezembro de 2012). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)


João Amazonas de Souza Pedroso (Belém, 1 de janeiro de 1912São Paulo, 27 de maio de 2002) foi um teórico marxista, político revolucionário, guerrilheiro e líder do Partido Comunista do Brasil.

João Amazonas
Nome completo João Amazonas de Souza Pedroso
Nascimento 1 de janeiro de 1912
Belém, Pará Pará
Morte 27 de maio de 2002 (90 anos)
São Paulo,  São Paulo
Nacionalidade brasileiro
Ocupação político, guerrilheiro
Influências

Filiação ao Partido ComunistaEditar

O envolvimento de João Amazonas com o movimento comunista iniciou em 1935. Aos 23 anos, tomou conhecimento de um comício da Aliança Nacional Libertadora (ANL) na praça do Largo da Pólvora e integrou-se à ANL. Convidado a participar da Juventude Comunista, em seguida filiou-se também ao Partido Comunista do Brasil.

Logo após o ingresso no Partido Comunista, João Amazonas organizou uma célula comunista na empresa em que trabalhava e organizou o sindicato de sua categoria. No mesmo ano que iniciou sua participação política foi preso durante 15 dias por envolvimento com a União dos Proletários de Belém.

No início de 1936, João Amazonas é novamente preso por ser ex-integrante da ANL. Durante a prisão, João Amazonas e Pedro Pomar realizam uma greve de fome contra as péssimas condições e ministram aulas de marxismo-leninismo aos outros detentos. Em junho de 1937, João Amazonas é absolvido por falta de provas após um ano e meio de prisão.

Reorganização do Partido ComunistaEditar

Com o golpe de Estado de Getúlio Vargas, justificado pelo falso Plano Cohen e que implantou o regime do Estado Novo, a repressão aos comunistas aumenta. E em 10 de setembro de 1940, João Amazonas que atuava na produção de propaganda e que exercia cargo de direção no Partido Comunista do Brasil do Pará, é novamente preso.

Após sua libertação dedicou sua vida ao legado da luta comunista. Tendo, inclusive, participado por diversas vezes de congressos em faculdades e instituições de ensino. Secretário-geral do PCdoB por longo período, tendo participado diretamente, numa primeira etapa, da Guerrilha do Araguaia, como guerrilheiro.

Ver tambémEditar