Abrir menu principal

João Carlos, Príncipe da Beira

Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações (desde maio de 2018). Ajude a melhorar este artigo inserindo fontes.
João Carlos
Príncipe da Beira
Príncipe da Beira
Período 6 de março de 1821 - 4 de fevereiro de 1822
Antecessor(a) D. Miguel de Bragança
Sucessor(a) D. Maria da Glória
 
Casa Bragança
Nome completo
João Carlos Pedro Leopoldo Borromeu de Bragança
Nascimento 6 de março de 1821
  Rio de Janeiro, Brasil
Morte 4 de fevereiro de 1822 (0 ano)
  Rio de Janeiro, Brasil
Enterro Convento de Santo Antônio, Rio de Janeiro
Pai Pedro I do Brasil
Mãe Maria Leopoldina da Áustria

João Carlos Pedro Leopoldo Borromeu de Bragança (Rio de Janeiro, 6 de março de 1821 - Rio de Janeiro, 4 de fevereiro de 1822) foi o terceiro filho de D. Pedro de Alcântara, herdeiro da coroa portuguesa, primeiro imperador do Brasil como D. Pedro I e Rei de Portugal como D. Pedro IV, e de sua primeira esposa, a arquiduquesa Maria Leopoldina da Áustria.

Sendo o primeiro varão do herdeiro da Coroa portuguesa, recebeu o título de Príncipe da Beira que até aí pertencia à sua irmã mais velha, D. Maria da Glória. Por sua morte, com pouco menos de um ano, retomou o título de Princesa da Beira a sua irmã, que viria a tornar-se a Rainha D. Maria II de Portugal. Sua morte não pode ser atribuída à maldição dos Braganças, pois seu irmão mais velho, D. Miguel de Bragança, Infante de Portugal, considerado por muitos autores como Príncipe da Beira (nascido e morto a 24 de abril de 1820, ao morrer carregou consigo o castigo associado à Maldição dos Bragança.

D. Leopoldina, grávida de D. Januária (que nasceu em 11 de março de 1822) e acompanhada dos dois filhos (a infanta D. Maria da Gloria e o Príncipe da Beira D. João Carlos), teve que abandonar rapidamente a cidade com destino à Fazenda Real de Santa Cruz para se protegerem da sanha do General d'Avilez, Comandante das tropas portuguesas acantonadas no Rio de Janeiro, para que o D. Pedro, na altura Príncipe Real Regente do Reino do Brasil, retornasse a Lisboa. Este acto veio a dar origem ao chamado Dia do Fico, de 9 de janeiro de 1822 [1] e D. Leopoldina nunca perdoou ao general português, pois por causa dessa fuga veio a falecer no dia 4 de fevereiro de 1822, o pequenino Príncipe da Beira, D. João Carlos, nascido a 6 de março de 1821, portanto com 11 meses e dois dias.  

Foi sepultado no mausoléu do Convento de Santo Antônio, no Rio de Janeiro.


Precedido por
D. Miguel de Bragança
Príncipe da Beira
1821 - 1822
Sucedido por
D. Maria da Glória

Ligações externasEditar

ReferênciasEditar

  1. Kaiser, Glória, Dona Leopoldina, Editora Nova Fronteira, 1997

BibliografiaEditar

  • Kaiser, Gloria - Dona Leopoldina, Editora Nova Fronteira, 1997


  Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.